O corpo “Em Cena” e as narrativas do Racismo e do Machismo

O corpo é biologia. É sangue que nutre os tecidos, são tecidos que formam os sistemas, são os sistemas que, integrados, provocam os sentidos humanos, o raciocínio, o pensamento, o prazer, a dor, o movimento.

Por José Evaristo S. Netto, do Medium

O corpo é sobretudo Cultura! O corpo faz Cultura, e por ela é feito!

Esta é uma importante constatação para quaisquer considerações e discussões sobre sociedade, principalmente quando o que se discute é a superação das desigualdades sociais ou o fortalecimento das pessoas e grupos sociais que são alvos do racismo, do machismo, e de todos os elementos culturais violentos vigentes nos atuais modelos hegemônicos de sociedade e sociabilidade.

Penso que é preciso entender que o racismo, o machismo, e todas as outras expressões de desumanidade, violência e antipatia, são elementos da cultura que nos forma e nos informa, homens e mulheres, pretos e não-pretos, ricos e pobres, crianças e adultos, hetero ou homossexuais, etc. Como hologramas da sociedade, em maior ou menor grau, o racismo e o machismo estão incorporados em Nós, e participam, portanto, das nossas produções culturais nos vários contextos em que produzimos nossas narrativas, quer sejam: o Esporte; as Artes; as Ciências; o Lazer; o Trabalho; as Sociabilidades. Como um “parasita hospedeiro”, o racismo e o machismo se alojam em nós desde que somos crianças, bebes, e vão se alimentando da nossa consciência e defecando insensibilidade no seu lugar, e crescendo junto conosco, inclusive forçando o nosso corpo a se adaptar às suas necessidades “fisiológicas”. Assim, com o passar do tempo, condicionados por estes “parasitas hospedeiros” se alimentando da nossa consciência e preenchendo as lacunas deixadas com seus dejetos, reproduzimos, sutilmente ou não, o racismo, o machismo, e outros elementos culturais violentos.

1-ZO2cn5frS6We7G9_BTID1A

Essência Negra 1 e 2. Óleo sobre tela — 80 x 60. (FABIANO ROCHA).

Podemos entender que a produção e a reprodução do racismo e do machismo se dá amplamente a partir do corpo que incorporou estes elementos em sua Corporeidade. Corpos masculinos e femininos, de diferentes idades, classes sociais, etnias e grupos identitários, que lidam com o racismo incorporado em si de modos diferentes. A maneira como se dá a sociabilidade dos corpos, a sua Corporeidade, produção de cultura e narrativas, depende, sobretudo, dos elementos destas sociabilidades, dos contextos onde se dão estas sociabilidades, e dos exercícios físicos que são realizados para a educação física dos corpos. Exemplos desses exercícios físicos: modular a voz em uma discussão ou situação de conflito; controlar gestos, pensar e dizer palavras que fazem bem e que não desrespeitam a outra pessoa; se comportar de forma a não ofender a outra pessoa; tudo isso frente aos impulsos que sentimos face aos valores distorcidos de uma sociedade doente como a nossa. Da mesma maneira, controlar um olhar, uma fala, e/ou um toque ofensivos, e, por conseguinte, agir diferente, é um tipo de exercício físico e processo de “educação física” que passa pelo corpo e produz uma Corporeidade e uma cultura e narrativas diferentes. Acredito que esta cultura e estas narrativas diferentes que são frutos destes exercícios físicos de não reproduzir o racismo e o machismo, mesmo existindo impulsos para tal, acaba por diminuir estes impulsos com o tempo através de uma espécie de Reprogramação Somatopsíquica do Pensamento e dos Sentimentos.

Quando entendemos que os movimentos corporais e o comportamento, quando contextualizados, Em Cena, produzem narrativas que impactam as pessoas do entorno e a si próprio, é possível começarmos a entender os exercícios físicos e a “Educação Física” antiracista e antimachista como exercícios terapêuticos voltados a construção de Corporeidades livres destas estruturas desumanizadoras.

Daí, é possível entender a importância dos espaços de convivência que discutem a superação do racismo e do machismo, quando são espaços formatados para o exercício de Corporeidades desapegadas dos elementos “somatopsiquicoculturais” racistas e machistas. Espaços como alguns encontros que tem sido organizados para discutir estas questões e questões correlatas, núcleos culturais, saraus de poesia, intervenções artísticas e tantos outros projetos e organizações. Interessante pensarmos o corpo e a Corporeidade enquanto fundamentais nestes processos de cura do espírito, caso contrário podem-se criar espaços que se propõem a discutir estes temas, porém onde os comportamentos, as Corporeidades e narrativas corporais reforcem os próprios elementos racistas e machistas que se pretendem exortar, ou seja, uma triste contradição. O corpo é condição primeira para transformação, porque ele próprio é Cultura, portanto ele deve estar sempre presente, Em Cena.

Daí também, a extrema importância de entendermos o contexto do Esporte (não só o Esporte), do futebol, onde o racismo e o machismo se manifestam com tanta fluidez. O corpo em “estado lúdico” é um corpo relaxado dasPregas Morais que regulam o seu comportamento e fortalecem as condutas politicamente corretas. Por isso, é um corpo livre que com muito mais facilidade irá “botar para fora” suas distorções da consciência. Tanto atletas quanto expectadores, quando imersos a atmosfera do Esporte (não só o Esporte) e entregues à emoção e as tensões da sua prática, liberam-se da regulação moral normal na qual todos estamos submetidos normalmente, e emocionados e impactados pelo calor da disputa, pela vitória ou pela derrota, deixam escapar suas distorções racistas e machistas com muito mais facilidade do que qualquer outra pessoa em outros contextos como em um escritório. Por isso o senso comum anuncia que no futebol, xingar alguém de macaco não é necessariamente racismo porque no futebol isso é normal, ou porque faz parte do calor do esporte e por isso é natural.

1-EMIkEuN0Z33GIMc5Req6Mw

Do site: http://capoeiragungadourado.blogspot.com.br/2013/12/pura-verdade.html?spref=pi

Investigar o Corpo e a Corporeidade e tê-los como centrais para a educação e superação do racismo e do machismo é sobremaneira importante, haja vista os processos de Reprogramação e Ajustes Somatopsíquicos supracitados. Infelizmente, vivemos uma época onde estamos cada vez mais afastados, cada vez mais fora, dos nossos corpos. Uma época onde supervalorizamos as atividades meramente reflexívas, hipotético-dedutivas e lógicas, em detrimento aos exercícios físicos e a “Educação Física”, que também se utilizam destas atividades, mas que também trazem a experiência do Corpo em Contexto como chave analítica para o entendimento do que se esta a refletir.

Vivemos um momento com as redes sociais virtuais em que se lê muitos textos curtos e muitas imagens com enormes cargas emocionais e afetivas, e se vivencia pouco ou nada do que se lê. Isso trás uma série de fragilidades para a Corporeidade porque nesta lógica muitas pessoas acabam incorporando narrativas que sequer viveram, construindo Corporeidades a partir de elementos culturais que nunca sequer experimentaram, o que me leva a crer que nunca, a Persuasão Social foi tão estudada e posto em prática quanto hoje.

+ sobre o tema

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga...

Concurso unificado: saiba o que o candidato pode e não pode levar

A 20 dias da realização do Concurso Público Nacional...

para lembrar

Por que parar na questão de gênero? Vamos trocar a Constituição pela bíblia

Por conta da pressão da Frente Parlamentar Evangélica junto...

Programa Justiça Sem Muros do ITTC lança campanha sobre visibilidade ao encarceramento feminino

Inspirado na arte de Laura Guimarães, o programa Justiça Sem...
spot_imgspot_img

Sonia Guimarães, a primeira mulher negra doutora em Física no Brasil: ‘é tudo ainda muito branco e masculino’

Sonia Guimarães subverte alguns estereótipos de cientistas que vêm à mente. Perfis sisudos e discretos à la Albert Einstein e Nicola Tesla dão espaço...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...
-+=