O Dia da Mentira nada tem a ver com sociopatas da política

Não são doentes, apenas portam personalidades bandidas

Por: Fátima Oliveira

 

Escrevo a nossa conversa no 1º de abril, Dia da Mentira – que já mereceu um escrito meu, “1º de abril, toca o burro pro Anil”, chiste popular usado nas escolas em São Luís (MA) no Dia da Mentira, – uma instituição mundial pancultural, comemorada a primeira vez no Brasil, segundo Mário Souto Maior, em 1º de abril de 1848, em Pernambuco, num jornaleco chamado “A Mentira”, que estampava o falecimento do imperador dom Pedro II, cujo desmentido só circulou no dia seguinte.

O último número de “A Mentira” foi em 14.9.1849 e trazia uma convocatória aos seus credores para um acerto de contas no 1º de abril de 1850, em local inexistente em Recife (O TEMPO, 1º.4.2008).

Falo sobre o Dia da Mentira para não perder a oportunidade de demarcar a data galhofeira – pois ela não se refere à mentira enquanto outra coisa a não ser um chiste (do alemão witz = gracejo), tema de estudos de Freud, que dizia ser o chiste algo como uma “válvula de escape de nosso inconsciente, que o utiliza para dizer, em tom de brincadeira, aquilo que verdadeiramente pensa”, pois “Freud acreditava que utilizar o humor e a ironia no dia a dia deixava o cotidiano mais leve, e a realidade, mais tolerável. E é isso que o chiste possibilita quando conecta arbitrariamente, através de uma associação verbal, duas ideias contrárias” (Daniela Guimarães).

A conjuntura política que vivenciamos é um momento sob o ritmo das “cachoeiradas”, que não são chistes, mas mentiras deslavadas da política no campo do banditismo, que acompanhamos embasbacadamente, pois não são apenas surrealistas, mas duras e amargas de um tanto que desacorçoa o freguês. Fazer o que a não ser martelar nas denúncias, não é? Mas não nos enganemos, pois meu avô Braulino era incansável em fazer jorrar sua sabedoria sertaneja: “A política atrai lunáticos como o doce atrai as formigas…”.

E arrematava: “Essa gente sem juízo gosta de política. Não vê o Lequer (um esmoler sem juízo de Graça Aranha, MA), que, no tempo da política (leia: eleições), fica mais lunático ainda: rua acima, rua abaixo, repetindo o nome do candidato a prefeito dele e pedindo voto?”. O meu pai velho não estava apenas coberto de razão, mas apoiado em bases científicas, mesmo sem saber, conforme já expus em “Sociopatia & poder”, do qual farei repeteco de uma parte aqui.

“As sociopatias – grosso modo: personalidade antissocial – atingem de 1% a 3% da população. Mas, nos meios políticos, podem chegar a 6%. São pessoas ávidas por poder e buscam-no de qualquer jeito, em todos os lugares… Onde há corrupção, que é uma doença social, ela é feita por quem porta transtornos de personalidade de inegável caráter antissocial, ou narcísico ou “boderlaine”.

Sociopatas não são doentes, portam personalidades bandidas que podem chegar ao banditismo, cuja única prevenção é ‘investir em educação, em atendimento à primeira infância, na aplicação das leis e em contenção’. É um imperativo ético de quem possui mãos limpas lutar para conter e expurgar sociopatas dos espaços de poder: entregando-os à Justiça sem dó, pois sociopatas são ‘intratáveis, incuráveis e irreversíveis’. Não há ex-sociopata” (O TEMPO, 15.5.2006).

O que dá alento de os sociopatas não serem considerados loucos pela psiquiatria, apenas possuírem personalidades bandidas, é que podem responder judicialmente por seus atos… Então, nos resta lutar para que sejam indiciados e condenados pelos crimes cometidos. Nem mais, nem menos, pois, uma vez sociopata, sociopata até morrer.

 

 

Fonte: O Tempo

+ sobre o tema

Pesquisa revela constante racismo a imigrantes no Brasil

A noção de que o Brasil é um país...

No Dia da Mulher, museu recebe exposição com mais de 60 exemplares da Barbie negra

Um museu em Tatuí, no interior de São Paulo, recebe...

Barrada em debate, Erundina protesta em frente à Band

Manifestantes se concentram em frente à emissora na capital...

para lembrar

Lazer motiva a nova classe média a viajar de avião

Passeios e visitas a familiares são as principais razões...

Amazonas de Daomé: As mulheres mais temidas do mundo

Bravas guerreiras da África Ocidental repeliram com sucesso invasores...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=