O feminismo é a minha janela aberta para o mundo

Estamos em 2015, nos 105 anos de um marco da milenar luta contra a opressão feminina: o Dia Internacional da Mulher, o 8 de março, proposto em 1910, na 2ª Conferência Internacional de Mulheres Socialistas, organizada por Clara Zétkin (1857-1933) e Rosa de Luxemburgo (1871-1919), tendo como eixo da luta pela emancipação feminina a igualdade de oportunidades no trabalho e na vida social e política – aspirações ainda atuais.

 

Por Fatima Oliveira Do O Tempo

 

O feminismo é a minha janela aberta para o mundo por ser uma visão libertária de que a mulher precisa viver em condições nas quais todo o seu potencial criativo e de contribuição à humanidade possa ser plenamente aproveitado; e luta para que o patriarcado, que assume ares de eterno no lombo das mulheres, seja exterminado.

 

O feminismo contemporâneo é um conjunto de tendências ideológicas, cujo traço de unidade é a constatação de que a opressão de gênero é um fenômeno pancultural e resquício da cultura patriarcal; logo, a teoria feminista, que visa derrotar o patriarcado, é o conjunto de ideias oriundas do feminismo, do conceito de gênero e da consciência da opressão de gênero.

 

Gênero é uma categoria analítica que trata do significado político, econômico, cultural e social da construção da feminilidade e da masculinidade, além do que informa que as relações entre os sexos não são ditadas pelas suas diferenças biológicas em si, mas pela construção do ser mulher e do ser homem. Opressão de gênero é a opressão do sexo feminino originária dos privilégios masculinos advindos das relações assimétricas entre os gêneros e das relações de poder opressoras.

 

O conceito de gênero e sua decorrência mais prática, a perspectiva de gênero, legitimados pelo sistema Nações Unidas, tem possibilitado que Estados democráticos incorporem, ainda que lentamente, a “perspectiva de gênero” às políticas públicas. O documento final da Conferência de Beijing (1995) diz: “O obstáculo principal que impede a mulher de alcançar o mais alto nível possível de bem-estar é a desigualdade entre a mulher e o homem, e entre mulheres de diferentes regiões geográficas, classes sociais e grupos indígenas e étnicos” (parágrafo 89).

 

De fato, as mulheres não constituem uma categoria universal. Entre nós há clivagens de classe e raciais/étnicas, sobre as quais pesam, com relevância, variáveis como a escolaridade, o processo saúde/doença e a maior ou menor exclusão social intramuros da pobreza, além da importância crucial das liberdades democráticas, sobretudo os direitos civis e políticos.

As clivagens de classe entre as mulheres vão além da concepção reducionista da pobreza ao viés economicista – sob a égide da tríade crescimento econômico, aumento da renda per capita e PIB. Então, o fator renda é insuficiente para captar outras nuances das desigualdades materiais, sociais e simbólicas, em particular os alicerces culturais da desigualdade entre os gêneros; e entre os grupos populacionais raciais/étnicos.

 

As clivagens raciais/étnicas entre as mulheres, num país de forte herança da escravidão negra como o Brasil, são patentes e insidiosas, tanto que o feminismo brasileiro, que tem uma dívida imensa com as mulheres indígenas e as ciganas, levou décadas para incorporar a chamada “questão da mulher negra” – ainda muito esquecida, embora, paradoxalmente, sejam negras metade das brasileiras!

É no contexto das desigualdades descritas que o feminismo é insubstituível como “ferramenta” na luta por um mundo livre de todas as opressões.

+ sobre o tema

Pesquisadora do LaGENTE ganha prêmio internacional

Estudo premiado aborda a trajetória do Movimento Negro na...

A amamentação imperfeita

Já que estamos na Semana Mundial do Aleitamento Materno,...

Com medo da maré levar meus filhos: a vida das mulheres das palafitas de Santos

Em casas sob as águas, equilibradas sobre plataformas, moram...

Tirar foto de uma mulher sem consentimento dela é assédio!

NA LUTA CONTRA O MACHISMO PARA QUE A MULHER...

para lembrar

O pessoal é político… mas, pera lá! – Por: Camilla de Magalhães Gomes.

Nos últimos dias andei tendo várias conversas online sobre...

Piovani detona Kadu Moliterno: ‘Bateu e continua posando com namoradas no Caribe

Luana Piovani detona Kadu Moliterno: 'Bateu e continua posando...

Qual o melhor lugar para ser mulher no mundo?

Um estudo anual divulgado nesta sexta-feira pelo Fórum Econômico...

Evento: Memórias, Poéticas e resistências do carnaval Afro-paulistano

O Núcleo de Pesquisa e Educação Patrimonial em Territórios...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=