O financiamento da educação básica e a equidade racial

Nota quer condicionar recursos do Fundeb para redução de desigualdade racial na educação básica

A professora Zara Figueiredo Tripodi, chefe da Secadi (Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão), do Ministério da Educação, recebeu a Nota Técnica Condicionalidades do Vaar/Fundeb, na quinta-feira passada (9). O documento é fruto de amplo debate realizado com pesquisadoras, pesquisadores, entidades acadêmicas e organizações negras das diferentes regiões do país.

Foi elaborado conjuntamente pelo Nepppe/Ufop (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Políticas Públicas de Educação da Universidade Federal de Ouro Preto) e pelo Anansi/Ceert (Observatório da Equidade Racial na Educação Básica).

Essa nota técnica, que tem como foco principal a efetiva redução das desigualdades socioeconômicas e raciais na educação básica, já havia sido apresentada e discutida no grupo de transição da educação do governo federal, recebendo amplo apoio.

A nota aponta o novo Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica) como um disposto legal promotor de avanços na educação básica, entre outros fatores, por colocar em caráter permanente e de maneira mais redistributiva a participação da União no fundo de financiamento, elevando de forma gradual o repasse aos entes federados.

Essa elevação no repasse de verba a estados e municípios passará de 12% em 2021 para 23% até 2026. A partir daí, segue em regime permanente.

A nota enfatiza a desigualdade racial distintamente da desigualdade econômica, como desafio a ser enfrentado para o alcance da qualidade sistêmica na educação básica.

complementação-Vaar (Valor Aluno Ano Resultado) é um dos critérios de repasse de recursos aos municípios instituído pelo novo Fundeb e versa sobre a redução das desigualdades educacionais motivadas por fatores socioeconômicos e raciais.

A nota técnica considera essa condicionalidade importante por colocar as desigualdades socioeconômica e de raça como condição para alcance de uma qualidade sistêmica na educação básica. Também por possibilitar que haja incidência através de debate público sobre a qualidade dos indicadores de aprendizagem que consigam mensurar com rigor metodológico as desigualdades de desempenho escolar entre os grupos socioeconômicos e por cor/raça.

Mesmo reconhecendo a existência de avanços, a nota técnica faz sugestões visando o aperfeiçoamento do IDERaca (Índice Racial de Diferença de Desempenho), que foi desenhado no âmbito da Comissão Intergovernamental de Financiamento para a Educação Básica de Qualidade.

A nota observa que, “tanto no caso das desigualdades de nível socioeconômico como no caso das desigualdades raciais, a medida trabalha com médias padronizadas dos estudantes do Saeb”. E que a utilização de médias no índice não contribui para o debate qualificado em torno da equidade, já que esconde “as desigualdades inerentes aos grupos sociais em vez de buscar corrigi-las”.

Estudantes protestam por mais recursos para a educação em Porto Alegre (RS) – Foto: Evandro Leal – Agência Enquadrar/Folhapress

As entidades da sociedade civil signatárias da nota técnica entendem que se o índice privilegiar a análise das desigualdades em detrimento do rendimento médio, pode induzir a ações verdadeiramente promotoras da equidade na aprendizagem.

Desse modo, o incentivo proporcionado pela complementação-Vaar cumprirá sua função de redução das desigualdades socioeconômicas e raciais nas redes de ensino.

Assim é que o “direito à educação com garantia de padrão de qualidade implica não apenas no acesso ao sistema escolar mas à aprendizagem efetiva para todos os estudantes”.

O documento foi entregue pessoalmente por esta colunista, pelo professor Billy Malachias e pela professora doutora Marly Silveira (UnB), ambos consultores de educação do Ceert. Participaram também do encontro técnicos do Fundeb e a presidente do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), Fernanda Pacobahyba.

Agora é necessário avançar para o aperfeiçoamento e implementação da política. Façamos!

+ sobre o tema

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

Nota de esclarecimento GRCSES VAI-VAI

Em 2024, a escola de samba Vai-Vai levou para...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO),...

para lembrar

Professor Sérgio Nogueira aponta os 10 erros de português mais frequentes

O professor Sérgio Nogueira explicou os dez erros mais...

50 erros de português que você não pode mais cometer

Guia prático para não queimar mais o filme em...

Professor de Harvard revela os preceitos para a ‘boa escrita’

Para Steven Pinker, 'escrever bem requer empatia'. Professor do...

Ocupar escolas, ocupar o discurso especialista

“O indivíduo era sempre descrito em função de seu...
spot_imgspot_img

Valores de sociedades tradicionais africanas são imprescindíveis para educar e humanizar

"Coube ao Ocidente avançar na militarização e na tecnologia, mas caberá à África humanizar o mundo." Pode-se dizer que a frase de Nelson Mandela, registrada...

Como a educação antirracista contribui para o entendimento do que é Racismo Ambiental

Nas duas cidades mais populosas do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, o primeiro mês do ano ficou marcado pelas tragédias causadas pelas...

Sisu 2024 aprovou mais de 239 mil candidatos, segundo MEC

O Ministério da Educação (MEC) divulgou, nesta quarta-feira (7/2), que 239.872 candidatos foram aprovados no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2024 para ocupar vagas nas universidades públicas...
-+=