O negro no espaço corporativo

Há pouco tempo fui procurado por um CEO de uma grande companhia disposto a iniciar seu programa de Ação Afirmativa, mas com muitas dúvidas de como abordar o assunto. Haviam questões das mais complexas, como tratar do assunto dentro da empresa, até coisas mais simples, como qual palavreado usar ao se direcionar aos seus colaboradores.

Por  Mauricio Pestana para o Portal Geledés 

As perguntas eram as mais diversas: “Eu os chamo de negros, pretos, afrodescendentes ou pardos? Como me expressar para não reproduzir preconceitos? Como não parecer paternalista e nem segregador? Como lidar com o restante dos não-negros dentro da empresa para que não pareça que estou protegendo os negros?”

A primeira coisa que lhe disse é que ele já estava no caminho certo, pois enfrentar o problema da diversidade no ambiente corporativo deve ser precedido de três preocupações fundamentais.

  1.  Não achar ou induzir seus subordinados a acreditam que Ação Afirmativa tem a ver com filantropia, paternalismo ou terapia para resolver problemas de culpa. Ação Afirmativa e diversidade faz bem para negócios e para a lucratividade da empresa.
  2. 1. A preocupação com os não-negros dentro da empresa é crucial para que o  programa de Ação Afirmativa tenha sucesso. Para ganhar os não-negros o dirigente precisa apelar para todos os recursos e informações disponíveis sobre diversidade, tal como dados históricos, percentuais atualizados acerca das diferenças sociais e econômicas entre negros e brancos no Brasil e principalmente as cartas-princípios de todas as empresas, que em sua maioria dão conta de algum princípio que é sinônimo de igualdade, respeito e justiça traduzido em igualdade racial;
  3. Sempre digo que gosto de ser tratado como trato as pessoas, e não costumo chamar ninguém de branco, chamo sempre pelo nome. Mas se for preciso elencar a característica e se for de branca, não terei problemas em chamá-la assim. Durante muito tempo usei o termo afrodescendente para todos os tons e características de pessoas com traços de negros, mas parei de fazer isso quando muitos brancos no Brasil passaram para usar de má fé e adentrarem no sistema de cotas raciais (principalmente em universidades e serviço público), usando um atalho da legislação ao se autodeclararem afrodescendentes – e não estão errados, pois se todos descendemos da africana Luci, o mais antigo fóssil encontrado na África. Assim, todos brancos e negros somos afrodescendentes. Considero, por fim, que o mundo privado deve estar mais atento e preocupado para que esse tipo de fraude não aconteça, pois quando adentramos nos espaços de poder do mundo corporativo o que notamos é a real ausência negra nesses espaços.

+ sobre o tema

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

Voto feminino faz 92 anos; ação de ativista alagoana marca luta

Homens observam uma mulher diante da urna. Ela, vestida...

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

para lembrar

Dia dos pais

Passei o último domingo com minhas filhas de 20...

No país dos deputados “negros” que são brancos

Diversidade, inclusão, pluralidade, equidade, enfim, são várias as denominações...

COJIRA-RIO promove seminário sobre a questão negra e os direitos humanos

Rodas de conversa e sessões de vídeo serão realizadas...

Um governo que quer acabar com o crack, mas não tem moral pra vetar comercial de cerveja

Um jovem morre após ingerir demasiadas doses de álcool,...
spot_imgspot_img

As Ações afirmativas em tempo Espiralar: (re)existência, luta, palavra e memória

“A voz de minha bisavó ecoou criança nos porões do navio, ecoou lamentos de uma infância perdida. A voz de minha avó ecoou obediência...

Espelho, espelho meu… Na bolinha dos olhos, há alguém mais preto do que eu? O colorismo como elemento de divisão da negritude e da...

Ao menos nos últimos dez anos, ocorre um fenômeno em meio ao universo intelectual e militante do movimento negro brasileiro, que é a retomada...

Dois anos sem Moïse

No mês de janeiro a morte do refugiado congolês Moïse Mugenyi Kabagambe completará dois anos. Moïse foi vítima de uma agressão brutal que o...
-+=