O Samba das pretas em marcha, participe!

UNEafro Brasil e o Núcleo Impulsor do Estado de São Paulo da Marcha das Mulheres Negras 2015, convidam a todos os militantes, ativistas e apoiadores de nossa causa, para o Samba das Pretas, que será realizado no sábado, 8 de Agosto, a partir das 12h.

Foto: Gabriel Brito/Correio da Cidadania

Do Site da Uneafro-Brasil

A atividade é aberta para toda comunidade e tem como finalidade a arrecadação de fundos para a realização da Marcha das Mulheres Negras, no próximo mês de novembro.

A feijoada completa sai a R$ 15,00, com direito à Samba de roda de altíssima qualidade. Estão previstas intervenções culturais, capoeira, e muita música.

Caso não possa comparecer mas queira contribuir, você pode depositar qualquer valor em conta bancária:

BANCO DO BRASIL
Agência 3687-0
Conta Corrente 285.085-0
Em nome de: Associação Franciscana de Defesa de Direitos e Formação Popular – AFDDFP

Veja a programação:

LOCAL: Apeoesp Subsede Itaquera – Rua Colonial das Missões, 204 – Itaquera – Contato: 2944-7951
Horário: 12h às 15h – Feijoada a R$15,00
Roda de Conversa: “Porque marchamos?” Nucleo Impulsor Marcha das Mulheres Negras/SP e Uneafro Brasil

Intervenções Culturais das 18h às 21h:

#Movidas pela Capoeira
#Levante Mulher
#Som com a DJ Luana Hansen
#Samba Negras em Marcha

Churras2

Leia aqui o Manifesto das Mulheres das Uneafro-Brasil

Por que as mulheres da Uneafro constroem a Marcha das Mulheres Negras 2015?

Nós, mulheres, mães, jovens, estudantes e dirigentes da Uneafro-Brasil, há anos nos dedicamos ao trabalho comunitário e permanente através dos Núcleos de Base espalhados pelas periferias de SP, por meio da arte, da cultura e principalmente a partir dos Cursinhos Comunitários e da prática da educação popular, convidamos a todas as mulheres a se organizar e juntas construir um grande instrumento de luta do povo negro e da classe trabalhadora brasileira.

Mulheres negras e pobres são diretamente responsáveis pela trajetória dos jovens estudantes de nossos cursinhos. São delas os maiores incentivos e apoios para que seus filhos estudem.

Para nós da Uneafro, os elementos de raça e gênero e cultura, ao lado do elemento econômico, são centrais para o entendimento da realidade brasileira e para o fomento das lutas políticas e sociais em nosso país.

A efervescência da luta feminista que vivemos hoje é fruto direto das lutas históricas pela emancipação das mulheres negras. Muitas vieram antes de nós: Dandara, Acotirene, Aqualtune, Anastácia, Tereza de Benguela, Luiza Mahin, Maria Carolina de Jesus, Lélia Gonzalez, Sueli Carneiro, Leci Brandão, Luiza Bairros, Jurema Werneck. À elas nossa reverência! Às novas gerações cabem a radicalização do enfrentamento ao machismo e ao patriarcado, traços fundantes do nosso país. E assim tem sido, afinal, não se tem lembrança da realização de tantas ações, atividades, seminários, rodas de conversa e formação de coletivos voltados ao empoderamento das mulheres negras.

É uma questão de pele, de energia movente, quando várias mulheres negras relatam sua vivência, se identificam umas com as outras, riem, choram, se inspiram, se enaltecem. E é sim preciso falar sobre isso, já que, em vários momentos e espaços, fomos silenciadas. Agora que este silêncio foi quebrado e as angústias foram divididas, percebemos o quanto as trajetórias são idênticas. Daí nosso poder cada vez maior de mobilização e luta!

É preciso olhar para dentro de nossos movimentos, organizações, cursinhos, saraus, partidos políticos, sindicatos e discutir, incidir, reeducar e provocar mudanças reais. Sobretudo, é preciso demarcar a posição histórica das demandas das mulheres trabalhadoras, reivindicar o campo popular da esquerda brasileira como lugar de nossa organização política, a valorização das organizações e instituições políticas da classe trabalhadora e a centralidade da luta antirracista e antimachista, sem as quais os sonhos por justiça jamais avançarão.

O contexto político retrógrado e o avanço de setores conservadores atingem brutalmente a vida das mulheres negras. Não é preciso ir longe para exemplificar, uma vez que o genocídio da juventude negra e periférica se dá de forma continuada. O cerceamento da garantia de direitos fundamentais às crianças e adolescentes, com a ameaça constante de uma redução da maioridade penal, produzem efeitos violentos sobre os ombros das mulheres negras.

Por outro lado, a resistência, o posicionamento político, a força que vem da auto-organização das mulheres negras é motivo de reafirmação da luta, e precisa ser festejado. É motivo de alegria! Traz renovação, dá poder, contagia! Temos que envolver mais, mobilizar as comunicades periferias onde vivemos e construir um grande movimento para mudar o país!

E é com força inspiradora de um dos lemas da Marcha das Mulheres Negras: “uma sobe e puxa a outra”, que chamamos todas e todos para o debate, para a roda de conversa, para o samba, para a ciranda, para o coco, para a capoeira, para o jongo, para assim, alcançar as mulheres negras organizar nosso exército em luta! Assim já é nossa prática!

Mas por que marchamos?

A nossa experiência nos cursinhos populares, nas escolas públicas, em associações comunitárias, na escuta e na conversa com mulheres da periferia, de forma direta e permanente nos faz dizer:

Marchamos pelos relatos que ouvimos, para levar a todos os espaços a fala da mulher encarcerada ou mãe de negros encarcerados, violentada pela revista íntima nas cadeias, ou para elevar a voz da dona de casa com filhos sem vaga em creche, da mãe solteira, da mulher negra faxineira sem carteira assinada, que vê os filhos e filhas lutando para que ela deixe um dia de limpar banheiros nas casas de pessoas.

Marchamos para que se ouça o que diz a mulher negra no seu mais íntimo momento de solidão. Marchamos porque dentre as mulheres assassinadas, por feminicídio, a taxa de 61% é de mulheres negras. Marchamos para que se repita à exaustão que nosso salário é menor, que o assédio moral e sexual persiste contra nosso corpo, no trabalho, no ônibus, na rua.

Marchamos pelas jovens que abandonam o cursinho comunitário com vergonha de estarem grávidas, por medo de apanhar do namorado, por não ter quem cuide de suas crianças para que elas estudem! Marchamos para nossa geração sobreviver e nossas filhas um dia encontrarem o bem viver!

Por fim, marchamos para que esta linda mobilização continue, incansavelmente, pelo fim do racismo, do machismo, da lesbo-bi-transfobia, das violências vindas do patriarcado que sofremos e contras as quais resistimos, por inspiração de Dandara e todas de que somos herdeiras!

Pela superação do patriarcado e do racismo, seguimos!

Assinam militantes, coordenadoras de núcleos e membros do Conselho Geral da Uneafro:

Ana Paula – Núcleo Clementina de Jesus – Cotia/SP
Andressa Melo – Núcleo Mandela – Bragança Paulista/SP
Camila Cunha – Núcleo Capão Redondo – ZS-SP
Carolina Fonseca – Núcleo São Mateus em Movimento – ZL-SP
Estela Rocha – Núcleo Uneafro Jundiapeba – Mogi das Cruzes/SP
Fernanda Braga – Núcleo Mandela – Bragança Paulista/SP
Franciana Lacerda dos Santos – Núcleo Diadema/SP
Larissa Oliveira – Núcleo Luz – Centro-SP
Letícia Santos– Núcleo Mandela – Bragança Paulista/SP
Luciana Machado – Núcleo Antônio Candeia Filho – Centro-SP
Maira Cunha – Núcleo Capão Redondo – ZS-SP
Mayra Prachedes – Núcleo Antônio Candeia Filho – Centro-SP
Rebeca Martins – Núcleo XI de Agosto/Esquerda Preta – Poá/SP
Rosângela Martins – Núcleo Tereza de Bengela –ZL-SP
Talita Gomes – Núcleos Guerreiros de Atibaia/SP
Thais Renata de Lima – Núcleo Rosa Parks – ZL-SP
Turiny Sá – Núcleo Educação Liberta – Itaquaquecetuba/SP
Vanessa Gravino – Núcleo Clementina de Jesus – Cotia/SP
Vanessa Nascimento – Núcleo Uneafro Jundiapeba – Mogi das Cruzes/SP

+ sobre o tema

‘Jogos Mortais’, o grupo homofóbico que assassina LGBTIs na Rússia

Após o assassinato de uma conhecida ativista LGBTI, outros...

LGBTQIA+ reivindicam direitos básicos para existir de forma plena

“Você conhece alguma coisa humana não nomeada?”. Quem lança...

Alunas fazem mobilização pelo uso de shorts em escola de Porto Alegre

Petição online "Vai ter shortinho, sim" já tem mais...

para lembrar

Aluno morre em sala de aula durante sessão de bullying homofóbico

Câmera instalada em uma sala de aula, na Rússia,...

Carta para a mulher que fui

Seu nome ainda me assusta e quando o escuto na rua...

Leia relatos de domésticas no Facebook

Uma página no Facebook criada na quarta-feira, dia, 20,...

“A gente não aguenta mais enterrar mulher”, desabafa Vilma Reis

“A gente não aguenta mais enterrar mulher”, desabafa Vilma...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=