quinta-feira, junho 30, 2022
InícioEm PautaO silêncio da memória - por Denise Rollemberg

O silêncio da memória – por Denise Rollemberg

O Museu Jean Moulin, de Paris, em comemoração aos 70 anos da sua morte, inaugurou em abril uma exposição que ficará aberta ao público ao longo de todo o ano, até dezembro de 2013. Moulin é o grande herói da chamada Resistência interior aos ocupantes nazistas da França durante a II Guerra Mundial, após a derrota do país para a Alemanha. Capturado, em 1943, pela Gestapo, o resistente de primeira hora não aguentou as torturas sofridas, morrendo em seguida. O ex-prefeito de Chartres, membro do Partido Radical Socialista, pequena dissidência do PS, recebera do general Charles de Gaulle, refugiado em Londres, a tarefa que parecia impossível de unificar os diferentes movimentos, organizações e partidos que lutavam contra o inimigo, nas fronteiras do país literalmente fragmentado, sem qualquer coordenação entre si. Sob o pseudônimo de Rex, nome da missão, Jean Moulin conseguiu.Com a Libertação, em 1944, De Gaulle consagrou-se o herói dos franceses; Moulin, mal conhecido nesse momento, consagrou-se mais tarde. O simbólico sepultamento dos seus restos mortais no Panthéon, monumento no qual se imortalizam os “grandes homens da Pátria”, em 1964, tornou-se o marco na construção do mito. A cerimônia mobilizou o país e contou com a presença das maiores autoridades, a começar pelo general de Gaulle, e eternizou-se no discurso emocionado de André Malreaux. A Pátria reconhecida, conhecia Moulin. Por toda a França, as homenagens a ele se multiplicam em memoriais, museus, estátuas, bustos, nomes de logradouros públicos, escolas, universidades.De Gaulle e Moulin, as personificações da França resistente. O militar e o civil; a resistência exterior e a resistência interior; um viveu para ver vitória, o outro, sucumbiu em sacrifício. Juntos, a reconstrução física e moral do país.

No cartaz da exposição temporária, espalhado pela cidade, a promessa de coleções inéditas e o sugestivo título: Rédecouvrir Jean Moulin. A primeira vista, é inevitável pensar: que documentação teria permanecido ignorada nessas décadas, considerando a fixação dos franceses pela memória da Resistência e de seus combatentes?

Da farta documentação, emerge o lado humano, pessoal, do herói. Cartas, fotos, desenhos e bilhetes dos tempos de menino. Vemos Moulin em movimento, ouvimos sua voz. Num fragmento de filme, o homem da administração fazendo um breve discurso em homenagem a alguém. Em outro, se divertindo com o amigo de infância, Marcel Bernard, ambos jovens, numa praia no verão, depois, no inverno, construindo um boneco de neve, atirando bolas de neve um no outro. A dedicação aos pais, irmãos, primas. O carinho pelos amigos. Os passeios de bicicleta, o esqui. A vista que tinha da casa de campo. O amor pelas artes. Sob o pseudônimo de Romanin, conhecemos o talentoso artista: pintor, desenhista, cartunista, chargista. Romanin veio a ser o nome da galeria de arte que abriu em Nice para dar cobertura a ações clandestinas. Ali, o artista e o combatente. Romanin e Rex. Quem iria supor que um e outro eram o mesmo?

Numa única foto, vemos Moulin e a esposa. Na legenda, a informação: criada em Paris, ela jamais se acostumara com a vida na província; as ausências constantes levaram o marido a solicitar o divórcio, alegando abandono do lar.

Embora seja o lado humano do herói a abordagem escolhida na rememoração da efeméride, a sexualidade de Moulin é discretamente contornada. Mas o tipo de documentação trazido ao público acaba impondo o assunto, que às vezes parece se debater com as legendas e, sobretudo, com a sua própria ausência. Assim, é justamente esse vazio que salta aos olhos, como se o espectador, meio desconfortável, visse o que não era para ser visto, ouvisse o que não foi dito. Em outras palavras, Rédecouvrir Jean Moulin encobre mais uma vez o tabu e, por isso mesmo, o revela: a homossexualidade de Moulin. Do herói. Do mito. O indizível.

Uma das maneiras que o inimigo usava para desmoralizar os resistentes, entre outras, era caracterizá-los como homossexuais. Nos anos de Guerra, nos anos 40, foi assim. A suposta ofensa subentendia a coragem como atributo de homem, macho, heterossexual. Aos homossexuais a covardia. Evidentemente, entre colaboracionistas havia homo e heterossexuais, bem como entre os resistentes. A história, a realidade dos fatos desconstroi o preconceito de uma época. Em 2009, Daniel Cordier, um dos mais celebrados biógrafos de Jean Moulin, assumiu publicamente a sua – dele, Cordier – homossexualidade. Ele foi o jovem secretário de Moulin na luta clandestina da resistência interna, o homem de confiança, que o acompanhou em sua missão. Enfrentou o inimigo nazista e colaboracionista, arriscando a vida, arriscando-se à tortura. Nos três volumes do livro, o encantamento pelo homem que conheceu de perto e a discrição a respeito da sua vida privada.

Na época, falava-se da França de pé para referir-se à França resistente. Em oposição, França deitada aludia à França colaboracionista. Quando da Libertação, em 1944, o país, em euforia, conviveu com o breve e terrível processo da Depuração: a perseguição e o justiçamento daqueles que teriam se relacionado com o inimigo alemão ou colaboracionista. As mulheres foram o alvo principal, tendo suas cabeças raspadas para estigmatizar aquelas que supostamente haviam se deitado com o inimigo. As mulheres de cabeças raspadas, símbolo da França deitada. Nesse episódio, a sexualidade e o preconceito se encontraram. Contra as mulheres.

Se Jean Moulin era ou não homossexual não é a questão – e , aliás, quem poderia atestá-lo? Qual é o interesse em sabê-lo? -, mas é o silêncio a esse respeito que é. A impossibilidade de sequer tocar no assunto, ainda hoje, mesmo numa exposição focada na vida privada. A impossibilidade de pensar que talvez o mito fosse homossexual. Enfim, a impossibilidade de se ter um herói nacional, da França de pé, homossexual. Romper esse silêncio, redescobrindo preconceitos passados e presentes, talvez fosse a melhor maneira de homenagear Jean Moulin.

 

Merkel: Cumplicidade do povo alemão levou ao nazismo

Agora em Niteroi: Homens serão indiciados por agressão a nordestino e apologia ao nazismo

  1. mapa do neonazismo no Brasil

Decisão da Justiça liberta suspeito de racismo preso com neonazista

Jovem rico erra. “Menor” pobre comete crime

Neonazista que divulgou fotos racistas na internet culpa imprensa por prisão

Neonazista suspeito de racismo apanha na prisão e nega crimes

A onda Bolsonaro e o despertar do neonazismo

No Sul, neonazistas queriam criar um novo país

Neonazista alemã indiciada por vários homicídios racistas

Fonte: MamaPress

Artigos Relacionados
-+=