OAB não aceitará inscrição de acusados de violência contra mulheres

Medida também vale para quem agredir idosos e crianças

Por Alex Rodrigues , da Agência Brasil

Logo OAB

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) não vai mais aceitar a inscrição em seus quadros de bacharéis em direito que tenham agredido mulheres, idosos, crianças, adolescentes e pessoas com deficiência física e mental. Sem a inscrição no órgão, os recém-formados não podem exercer a advocacia nem se apresentar como advogados.

A edição de uma súmula que torne os casos de agressões e violência contra mulheres, idosos, crianças, adolescentes e pessoas com deficiência física e mental um impeditivo à inscrição na Ordem foi aprovada pelo plenário do Conselho Federal da OAB nesta segunda-feira (18). A súmula com os detalhes da medida deve ser publicada ainda esta semana, mas, segundo a assessoria da OAB, a decisão já está em vigor, podendo ser aplicada pelas seccionais da Ordem.

Os conselheiros concordaram com a tese de que quem incorre em qualquer um destes casos não tem idoneidade moral para exercer a profissão. Ao analisar a proposta apresentada pela Comissão Nacional da Mulher Advogada, que tratava especificamente da violência contras as mulheres, o relator, o conselheiro Rafael Braude Canterji, afirmou que, mesmo que ainda não tenha sido julgada pelo Poder Judiciário, a simples denúncia é um fator contrário à aceitação do acusado nos quadros da OAB.

“A violência contra a mulher, decorrente de menosprezo ou de discriminação à condição de mulher, não se limitando à violência física, constitui sim fator apto a caracterizar a ausência de idoneidade moral necessária para a inscrição na OAB, independentemente da instância criminal, sendo competentes os conselhos seccionais para deliberação dos casos concretos”, afirmou Canterji em seu voto – que foi seguido pelos outros conselheiros.

“A OAB não pode compactuar com aquele que pratica a violência contra a mulher. Esse é o recado que a gente espera com a aprovação dessa súmula, no sentido de dizer que esse é um valor essencial para a OAB”, ressaltou a conselheira e presidente da Comissão Nacional da Mulher Advogada, Daniela Lima de Andrade Borges.

Segundo a OAB, no processo de inscrição, os candidatos devem apresentar atestado de antecedentes criminais – documento que traz informações sobre processos ou condenação em casos de violência. Anualmente, cerca de 100 mil bacharéis em direito obtêm a inscrição na OAB e se tornam advogados.

 

* Com informações do Conselho Federal da OAB

 

Leia Também:

Condenados por Lei Maria da Penha serão impedidos de assumir cargo comissionado no Rio

+ sobre o tema

Março por Marielle e Anderson

Estamos no primeiro dia deste mês onde revivemos com...

Amicus Curiae, por Sueli Carneiro

Em maio deste ano, foi criado em Montevidéu o...

Taís Araújo: ‘Não me senti mais forte com a maternidade’

Atriz esteve em São Paulo para falar sobre empreendedorismo...

Heloisa Buarque de Hollanda é eleita para a Academia Brasileira de Letras

A paulista Heloisa Buarque de Hollanda, professora emérita da...

para lembrar

“Mulheres, Raça E Classe”: Livro De Angela Davis Ganha Tradução Inédita Para O Português

A Boitempo Editorial publica pela primeira vez no Brasil...

São Paulo decide rescindir com Jean, acusado de agredir esposa

Denúncia foi feita por Milena em vídeo durante a...

Toda mulher quilombola é sinônimo de resistência

Eu sou negra nagô no sangue, na raça e na...

Põe teu preconceito no armário que quero passar com meu amor

Estava nesses dias do final de semana às voltas...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=