OMS critica racismo de cientistas que querem que África seja ‘terreno de testes’ para vacina contra coronavírus

O chefe da OMS condenou nesta segunda-feira os “comentários racistas” de pesquisadores que recentemente se referiram à África como “um campo de testes” para uma potencial vacina contra a COVID-19, denunciando “o legado de uma mentalidade colonial”.

Por AFP, na ISTOÉ

O diretor geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus (Foto: FABRICE COFFRINI / AFP via Getty Images)

“Esses tipos de comentários racistas não contribuem em nada para avançar. Vão contra o espírito de solidariedade. A África não pode e não será um campo de testes para nenhuma vacina”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, ex-chefe de diplomacia Etíope, durante uma conferência de imprensa virtual.

“O legado da mentalidade colonial deve acabar”, acrescentou.

Embora não tenha especificado a quais cientistas se referia, recentemente uma polêmica eclodiu na França e na África devido a uma conversa entre o diretor de pesquisa do Instituto Francês de Pesquisa Médica (Inserm), Camille Locht, e um chefe de serviço de medicina intensiva do hospital Cochin em Paris,Jean-Paul Mira, no canal LCI.

Na sequência, Locht estava sendo questionado sobre os estudos realizados para encontrar uma vacina contra a COVID-19.

Jean-Paul Mira perguntou-lhe: “Se posso ser provocativo, não deveríamos estar fazendo este estudo na África, onde não há máscaras ou tratamento ou reanimação, como foi feito em alguns estudos da aids? (…) O que acha?”

O cientista o respondeu: “Você tem razão. (…) Estamos pensando, paralelamente, sobre um estudo na África com o mesmo enfoque, o que não significa que não possamos também pensar em um estudo na Europa e na Austrália”.

As declarações causaram tanta controvérsia que ambos pediram desculpas e foram condenados por associações e pelo Ministério das Relações Exteriores da França.

“É vergonhoso e horrível ouvir cientistas fazendo este tipo de declaração no século XXI”, enfatizou o chefe da OMS.

 

Leia Também:

Eto’o e Drogba detonam médicos que sugeriram teste para vacina contra a Covid-19 na África

+ sobre o tema

Zara se recusou a assinar acordo com ministério público sobre trabalho escravo

A grife espanhola Zara se recusou ontem (30) a...

Programa Nacional de Direitos Humanos e as mulheres

  O governo brasileiro almeja uma liderança política no cenário...

XI Encontro Nacional da Rede Feminista de Saúde

O XI Encontro Nacional da Rede Feminista de Saúde...

para lembrar

Raoni: “Nós estamos com muito medo. Logo, vocês também estarão”

O The Guardian publicou um artigo do cacique Kayapó Raoni...

Por que mais de 70% dos casos de câncer de mama no Brasil são diagnosticados em estágio avançado

A maioria das mulheres diagnosticadas com a doença no...

“Feliciano é o porta-voz do retrocesso”, diz Jean Wyllys

Em oposição à presença do pastor Marco Feliciano...

Os 10 comerciais mais preconceituosos dos últimos meses

A série de desastres produzidos pela publicidade brasileira inclui,...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=