Onde estão Jandira e Elizângela? Por Tony Bellotto

É inaceitável a crueldade com que tratamos as brasileiras que interrompem a gravidez

1.

Aborto é um assunto tabu.

É também um assunto desagradável.

Candidatos à eleição evitam falar dele com medo de perder votos. A menção da prática evoca uma sombra tenebrosa como se vivêssemos num feudo medieval. Além de condenado moralmente, o aborto é também crime previsto pelo Código Penal Brasileiro, e quem o pratica está sujeito a até quatro anos de detenção. O aborto só é permitido em casos em que a gravidez causa risco de vida para a mulher, gravidez resultante de estupro ou se o feto for anencefálico (por decisão votada em 2012 pelo STF depois de muita batalha e polêmica). No entanto, nada disso impede que abortos sejam praticados no Brasil por algo em torno de um milhão de mulheres por ano. Para isso, recorrem a clínicas clandestinas e outras formas arriscadas de interromper a gravidez. Pela dificuldade de se contabilizarem os casos, estima-se que 250 a 10 mil mulheres morram anualmente no país em decorrência de abortos ilegais. Melhor evitar assunto tão espinhoso, não? Tanta coisa bacana acontecendo.

2.

A socióloga Jaqueline Pitanguy escreveu no domingo passado aqui no GLOBO uma crônica bastante elucidativa sobre a insensibilidade de nossa sociedade em relação ao aborto ilegal e suas consequências. Os casos recentes de Jandira, de 27 anos, e de Elisângela, de 32, ilustram bem o absurdo da situação que vivemos no Brasil. Ambas, já mães de outros filhos, decidiram interromper a gravidez indesejada e foram vítimas de crimes bárbaros. Jandira foi encontrada carbonizada um mês depois de seu desaparecimento — quando embarcou num carro que a levaria a uma clínica clandestina —, e Elisângela foi abandonada sem vida em frente a um hospital depois de ser vista pela última vez quando se dirigia a uma clínica de aborto. Papo sombrio. Já abriu a janela? Está fazendo sol?

3.

Se o aborto fosse legalizado no Brasil, como é na Alemanha, Austrália, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, França, Holanda, Inglaterra, Itália, Japão e Suécia — entre muitos outros países —, Jandira e Elizângela teriam recebido assistência médica decente e estariam hoje vivas. Mesmo na atual situação brasileira, em que o aborto é proibido e passível de punição por lei, se Jaqueline e Elizângela fossem de uma classe social mais abastada e tivessem feito seus abortos em clínicas frequentadas por mulheres de classe média alta, também estariam vivas agora. O que é, no mínimo, bastante injusto e revelador, não? Eu bem que poderia falar de gaivotas em voo rasante sobre o mar encrespado de Ipanema.

4.

Mas se Jandira e Elizângela estão mortas, é preciso responsabilizar também a sanha de grupos políticos e religiosos que se dedicam a impedir que nossa legislação avance no sentido de permitir legalmente o aborto e oferecer assistência médica e psicológica a quem queira interromper a gravidez indesejada, como fazem países mais civilizados e desenvolvidos. Esses grupos arvoram-se em advogados da vida, mas na prática acabam por promover uma espécie de genocídio. É um descalabro que num estado laico em pleno século XXI nos pautemos por convicções religiosas e impeçamos que milhões de mulheres tenham direito a um serviço de saúde pública eficiente, moderno e democrático. Por causa da abnegação beligerante e obtusa de padres, pastores, pregadores, políticos, fundamentalistas, reacionários e conservadores em geral, eternizamos uma situação horrenda e extremamente cruel com nossas mulheres, principalmente as mais pobres. Está dando praia hoje? Desculpe.

5.

Quando o pedreiro Amarildo desapareceu nas mãos e desvãos da polícia na Rocinha, uma grande revolta se instaurou na sociedade, e a pergunta “Onde está o Amarildo?” se tornou um símbolo de questionamento e protesto ao abuso policial. Quando Jandira e Elizângela desaparecem pela insensibilidade de nossas leis e códigos morais, fazemos cara de que o assunto não nos diz respeito e deixamos por isso mesmo. Quando se trata de defender o casamento gay e a liberação da maconha, todos — à exceção dos moralistas de plantão — acertadamente nos posicionamos a favor dos direitos individuais de homossexuais e usuários de drogas leves. Mas bastou falar em aborto e a maioria se fecha em evasivas e hesitações, “não sei, aborto é um assunto delicado…”

Aborto é um assunto tabu.

É também um assunto desagradável.

E pensar que deve haver agora asas delta cortando os bucólicos céus de São Conrado.

6.

“Onde estão Jandira e Elizângela?” é a pergunta que se faz aos que se opõem à legalização do aborto. Talvez muitos respondam, com dissimulada satisfação, que as duas devem estar queimando nas chamas do inferno. Seria essa a resposta cristã? É inaceitável a crueldade com que tratamos as brasileiras que querem interromper a gravidez indesejada.

 

Fonte: O Globo

 

LEIAS MAIS…

Aborto invisível

+ sobre o tema

Homossexualidade vai deixar de ser crime em Moçambique

A Homossexualidade tem sido um dos assuntos mais controversos...

Kalungas acreditam na educação para salvar meninas da violência sexual

Para a comunidade, a solução virá de dentro e...

Pela primeira vez, negras são maioria como rainhas de bateria

Das 12 escolas postulantes ao título do Grupo Especial,...

para lembrar

Museu Afro Brasil homenageia mulheres negras durante todos os domingos de março

Nos domingos do mês de Março, sempre às 14...

Sobre julgamentos e juramentos

A espera acabou. Você está finalmente dando a luz...

Pai de Malala critica patriarcado e exalta o feminismo em pronunciamento inspirador

Ziauddin Yousafzai ainda falou da importância de criar os...

Letras Insubmissas de Uma Ativista Intelectual Negra

Esse texto é uma tentativa de tentar reverenciar Sueli...
spot_imgspot_img

Zezé Motta recebe Preta Gil, Sheron Menezzes e Aline Wirley no ‘Especial mulher negra’

Artista que acabou de completar 80 anos, Zezé Motta recebe Aline Wirley, Preta Gil e Sheron Menezzes no “Especial mulher negra”, que será exibido...

Julho das Pretas: ‘Temos ainda como horizonte sermos livres das amarras históricas’, diz ativista

No dia 25 de julho será celebrado o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha. E em alusão a data, o Julho das Pretas é realizado...

Meninas negras de até 13 anos são maiores vítimas de estupro no Brasil; crime cresceu 91,5% em 13 anos

O número de estupros no Brasil cresceu e atingiu mais um recorde. Em 2023, foram 83.988 casos registrados, um aumento de 6,5% em relação ao ano anterior....
-+=