ONU pede proteção para as mulheres durante confinamento por coronavírus

‘A violência não se limita ao campo de batalha’, afirmou o secretário- geral da organização, Antonio Guterres, em vídeo

Do AFP, no O Globo

O secretário-geral da ONU, o português Antonio Guterres, pediu aos governos que incluam a proteção às mulheres em suas medidas de resposta ao coronavírus. A organização afirma que os casos de violência doméstica cresceram em todo o mundo durante a quarentena necessária para impedir que a Covid-19 de espalhe ainda mais pelo mundo (Foto: ANGELA WEISS / AFP)

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, fez um apelo mundial para pedir proteção às mulheres em suas próprias casas, no momento em que as medidas de confinamento provocadas pela pandemia de Covid-19 exacerbam a violência de gênero e nas família.

“A violência não se limita ao campo de batalha”, disse em um vídeo em inglês, com legendas em francês, árabe, espanhol, chinês e russo, em uma referência a seu recente apelo por um cessar-fogo em todas as zonas de conflito para um combate mais eficiente contra a doença.

“Para muitas mulheres e meninas, a ameaça é maior justamente onde deveriam estar mais seguras. Em suas próprias casas. Assim, hoje faço um novo apelo à paz nos lares de todo o mundo”, afirmou Guterres. “Nas últimas semanas, com o aumento das pressões econômicas e sociais e do medo, observamos um chocante aumento global da violência doméstica. Peço a todos os governos que a prevenção e a reparação nos casos de violência contra as mulheres sejam um parte vital de seus planos nacionais de resposta contra a COVID-19”, completou.

O secretário-geral da ONU exigiu especialmente a implementação de “sistemas de alerta de emergência em farmácias e supermercados”, os únicos estabelecimentos comerciais que permanecem abertos em muitos países.

“Devemos garantir que as mulheres possam pedir ajuda de maneira segura, sem que aqueles que as maltratam percebam”, insistiu.

Metade da população mundial está confinada em suas casas, devido às medidas implementadas pelos governos para frear a pandemia do coronavírus. Desta maneira, muitas mulheres estão presas dentro de casa com seus agressores, e o fenômeno poderia afetar todos os países, destacou a ONU. Nos Estados Unidos, por exemplo, várias cidades registraram um aumento nos casos de violência doméstica. Na Índia, o número de casos dobrou durante a primeira semana de restrições de movimento, segundo a Comissão Nacional para a Mulher.

“Juntos podemos e devemos prevenir a violência em todas as partes, das zonas de guerra às residências das pessoas, enquanto trabalhamos para vencer a COVID-19”, finalizou Guterres.

+ sobre o tema

Visibilidade trans: matrículas com nome social dobram no último ano em SP

O número de matrículas registradas com nome social nas...

Homicídios no estado têm alta de 36,5% em novembro

Segundo o Instituto de Segurança Pública, foram registradas 461...

Após sucesso na estreia, “Kbela” ganha três sessões no Odeon

O Cine Odeon abriu mais três sessões - 18,...

para lembrar

“Nós não queremos ser iguais aos homens. Nós queremos os mesmos direitos”, diz deputada

Parlamentares falam de dificuldade de levantar pautas para promover...

Grupo de mulheres pede em Brasília descriminalização do aborto

Elas se reuniram ontem com o presidente do STF,...

Raquel Trindade fala sobre as mulheres do seu tempo e as de agora

Pesquisadora, artista plástica, folclorista, dançarina, avó, mãe, mulher. Essa...

Rimas, melodias e a luta por uma sociedade menos desigual

Coletivo de mulheres mistura R&B com rap e eleva...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=