Os lugares da fotografia e do pensamento da pessoa fotografada

Quando vi a “Ilustrada” de 8 de maio na Internet, saí em busca do jornal impresso. Era início da tarde, só encontrei uma banca aberta e um último exemplar do jornal no bairro multicultural que não tem livrarias.

Findo o ritual de desinfecção ao entrar em casa, peguei uma caneca de chá de hortelã da minha horta e me sentei para ler a entrevista de Sueli Carneiro. Logo descobri que era também uma conversa com Bianca Santana, sua biógrafa.

O texto de Marina Lourenço e Walter Porto é bom, mas termina num sopro. Ainda vasculhei todo o caderno na expectativa de que a entrevista pudesse continuar. Degluti a frustração ao longo do dia e pensei: Por que ocupar metade da página de um jornal com uma foto em detrimento das reflexões de duas entrevistadas que devem ter dito tantas coisas importantes?

A página aberta sobre minha mesa de trabalho, o incômodo continuava. Peguei a régua e medi a largura da página, 32 centímetros; medi a parcela de espaço ocupado pela foto, 16,5 cm; medi as duas colunas de texto, 10,5 cm. Se você está acompanhando a tabuada viu que faltam 5 cm e só aí reparei que estão ali um pedaço do braço, um pedaço da mão esquerda de Sueli ajeitando os óculos e uma aspazinha acima dessa mão. Tomou conta de mim a sensação de que podem ter pensado na fotografia e aspas como capa, mas faltou espaço no miolo, afinal, Cassiano – “Quando o inverno chegar / eu quero estar junto a ti / trago essa rosa / para te dar” – deu de morrer naquele dia. E tinha a abertura da exposição do Maxwell Alexandre no Instituto Tomie Otake. Pode ter sido gente preta importante demais ocupando uma mesma “Ilustrada” e como solução, estamparam um texto editado e reduzido no corpo de Sueli.

Se não tiver base de sustentação essa hipótese, eu ouviria da própria Sueli, como ouvi inúmeras vezes: Cidinha, cuidado com a teoria da conspiração. Mas, se houver alguma possibilidade de eu estar certa, ela se ancora na certeza de a branquitude editorial sabedora de que a gente é tão carente das imagens das nossas nos levando pelo mundo, que torna-se fácil esquecer que aquela imagem imensa de Sueli Carneiro roubou espaço do pensamento gigantesco dela e de Bianca Santana na “Ilustrada” de 8/5/2021.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

A PEC das Domésticas, os grilhões e as madames – Por Cidinha da Silva

As madames estão indômitas. Como diz o povo da...

A aula sobre racismo no Brasil da consulesa francesa em SP. Por Cidinha da Silva

Alexandra Loras, consulesa da França em São Paulo quebrou...

Os negros nos protestos democráticos

“O morro desceu e não era carnaval. Foi um...
spot_imgspot_img

Fernanda Melchionna lança seu primeiro livro em Cachoeirinha neste domingo; “Tudo isso é feminismo?”

“Tudo isso é feminismo?” – uma visão sobre histórias, lutas e mulheres” marca a estreia de Fernanda Melchionna, no universo do livro. A bibliotecária...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim como Lélia Gonzalez e Sueli Carneiro, autora importante para entendermos o Brasil de hoje e...

“O Retorno” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.6

Minha irmã, tu não conhecerias Luanda se não tivesses passado pela corrupção institucional, te faltaria um pedaço importante de percepção desta terra de mártires...
-+=