A proteção integral de crianças e adolescentes inclui as crianças e adolescentes da favela do Jacarezinho?

Segundo a polícia do Rio de Janeiro, o massacre que resultou em 28 mortes, na última quinta-feira que antecede o Dia das Mães, tinha como foco combater esquemas de aliciamento de crianças e adolescentes. A chamada “Operação Exceptis” foi montada pela Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV) com outras delegacias da Polícia Civil do estado com o objetivo de realizar a busca e apreensão de 21 pessoas.

A consequência foi assistida por todo o mundo em tempo real: a chacina mais letal da história. A tragédia ocorrida anula por completo a ideia de que a proteção à infância e adolescência era a meta da operação policial, ainda assim, temos acompanhado desde então a doutrina da proteção integral de crianças e adolescentes ser usada como escudo pela polícia, que por sua vez, apresenta como resultado a apreensão de armas e drogas, ignorado todos os traumas, danos e a destruição à infância de dezenas de crianças da favela do Jacarezinho.

Embora o artigo 227 da Constituição Federal brasileira determine que todas as crianças e adolescentes têm absoluta prioridade de seus direitos, devendo estes serem garantidos pelas famílias, pela sociedade e pelo Estado, é notório que a proteção integral de crianças e adolescentes não inclui de fato as crianças e adolescentes negras, pobres e periféricas do Rio de Janeiro, ou de qualquer lugar do Brasil.

O secretário da Polícia Civil do Rio de Janeiro disse no túmulo do único policial morto no massacre que “não foi em vão”, será que o aliciamento de crianças teve fim? A sequência de fatos ocorridos, brevemente expostas a seguir, demonstra como a proteção de crianças e adolescentes negras, pobres e periféricas não é (e nunca foi) uma prioridade, mas precisa ser urgentemente.

  1. No final do ano passado, em plena pandemia, o prefeito do Rio de Janeiro autorizou o fechamento de escolas e a abertura de shoppings centers. Embora haja uma ampla e importante discussão sobre a reabertura de escolas, não resta dúvidas que o investimento da educação é a ação mais inteligente durante os períodos de crises. Neste sentido, importante destacar que segundo o Unicef, “priorizar a reabertura segura das escolas e garantir o direito de crianças e adolescentes à educação são ações essenciais”.
  2. Em abril, o Rio de Janeiro atingiu a triste, e revoltante, marca de 100 registros de crianças baleadas, entre elas alguns nomes se tornaram inesquecíveis como das meninas Maria Eduarda, Agatha Felix, Emily e Rebeca, e o menino João Pedro, o que revela uma verdadeira guerra contra a infância no estado carioca.
  3. Desde o dia 27 de dezembro, as três crianças Lucas, Alexandre e Fernando, seguem desaparecidas. De acordo com a Defensoria Pública do Estado houve descumprimento do protocolo especial de busca de crianças e adolescentes evidenciando a despreocupação da polícia com os desaparecimentos. Quase quatro meses depois, ainda nos perguntamos, onde estão as crianças de Belford Roxo? Segundo dados identificados pela Fundação para a Infância e Adolescência (IFA) as crianças negras são maioria entre os desaparecidos, e apenas no estado do Rio de Janeiro representam 73,18% do total.
  4. A cama da criança estava encharcada de sangue”, esta frase, e muitos outros relatos identificadas em vídeos de moradores da favela do Jacarezinho, indica o quanto definitivamente as crianças e adolescentes não eram prioridade na chacina realizada.

Mesmo sem dados efetivos, a seguinte reflexão se faz necessária: onde estava o Estado quando estes que foram mortos também eram crianças e adolescentes? É importante lembrar que nenhum jovem, adulto ou idoso nascem crescidos, todos também já foram crianças e adolescentes e provavelmente tiveram seus direitos violados pelo Estado, pela sociedade e por famílias. E que agora passam a ser vistos meramente como “bandidos”, esta categoria descartável da sociedade, desde que preta, pobre e favelada.

Outro ponto de atenção é o fato que crianças foram expostas a cenas de violência que marcaram suas vidas para sempre. Embora ainda não se saiba, também é importante questionar quantas das pessoas mortas eram mães, pais, cuidadores ou responsáveis por crianças e adolescentes, e como estas crianças ficarão a partir de agora, o Estado assegurará sua proteção integral?

Por fim, dedico estas palavras escritas às mães da favela do Jacarezinho, principalmente às 28 mulheres que perderam suas crianças – minha mãe me ensinou que filho nunca cresce, não importa o que aconteça – que terão Dias das Mães mais difíceis, a partir deste ano; e também às crianças que um dia foram àqueles que hoje são responsabilizados pelas ausências e silenciamentos de quem deveria ter chegado antes com um livro, mas chegou agora com uma arma cheia de balas rompendo vidas.

¹ Advogada no Instituto Alana. Pesquisadora na FGV Direito SP. Líder do Programa de Aceleração de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco e realizadora do projeto @sonhealtopretinha.
** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

Voto feminino faz 92 anos; ação de ativista alagoana marca luta

Homens observam uma mulher diante da urna. Ela, vestida...

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

para lembrar

Maceió: mobilização para Conselho Municipal da Juventude Negra

Dois momentos marcantes na capital alagoana marcam a mobilização...
spot_imgspot_img

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente entre as mães de vítimas da violência policial do Rio de Janeiro. Deise Silva de...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Pacto em torno do Império da Lei

Uma policial militar assiste, absolutamente passiva, a um homem armado (depois identificado como investigador) perseguir e ameaçar um jovem negro na saída de uma...
-+=