A ostentação negra incomoda

Ostentar significa “alarde, exibição vaidosa, vanglória”. Qualquer um pode ostentar. Mas o sentido da palavra ganha novas texturas quando analisamos à questão simbólica da ostentação das pessoas negras. E ela incomoda.

Por Silvia Nascimento Do Mundo Negro

Escravidão. Palavrinha tão esquecida quando falamos de racismo, mas tão fundamental para contextualizar a “ostentação negra”. A avó da minha avó foi escrava, ou seja, ela não era livre (tem que frisar porque tem gente que romantiza escravidão). Ela comia restos, não tinha folga, rezo para que ela nunca tenha sido espancada e estuprada, mas muitas foram, e provavelmente, ela nunca comprou nada, já que não recebia salário ou qualquer tipo de benefício.

12-years
Cena do filme “12 anos de escravidão”

Os anos se passaram, pessoas negras trabalham, ganhando menos, mas trabalham e o poder de compra, para nós negros, é o que nos torna visível. A publicidade não nos reconhece como povo que representa metade da população, mas qualquer ameaça a boicote à uma marca, fazem os publicitários correrem para redes sociais para esparramar o mais “sincero” senso de diversidade étnica. Somos visíveis de acordo com a conveniência (deles).

Dinheiro é poder. Se é certo ou errado não é a proposta desse texto, mas é assim desde que o mundo é mundo. Beyoncé na canção Formation profetiza “a melhor vingança é o dinheiro”, o que me retorna à memória da minha tataravó que possivelmente via suas donas todas elegantes e cheirosas e ela provavelmente nunca comprou um sabonete.

Taís Araújo e Lázaro Ramos. Foto: Paulo Giandalia

Correntes de ouro, diamante nos dentes, Givenchy, Prada, Louis vuitton. Comprar e ostentar essas marcas para nós negros, significa que apesar da dívida história que a humanidade tem conosco, nós vencemos. Eu compro porque eu trabalho. Eu compro porque eu posso. E eu uso porque meus antepassados foram privados do consumo. Eu ostento para mostrar aos meus pares menos afortunados, de que assim como eu consegui, eles também conseguem.

+ sobre o tema

Por que você não foi na Cooperifa, Douglas?

Enquanto Vila Medeiros queimava em protesto pela morte...

Jovem morre após ser baleado em blitz na Zona Oeste do Rio

Um jovem de 21 anos morreu após ser baleado...

Drogas são vendidas até na fila de teatro em área nobre de São Paulo

Traficantes continuavam a oferecer cocaína, ecstasy e LSD...

para lembrar

“Branco correndo é atleta, Preto correndo é ladrão”

Qualquer negro, jovem ou velho, homem ou mulher, rico...

Relator da ONU pede que países redobrem esforços contra o racismo na Internet e mídias sociais

O relator especial da ONU sobre formas contemporâneas de...

MÉXICO: PARTIDO EXPULSA DEPUTADO ACUSADO DE RACISMO

  A Comissão Política do Partido da Revolução...

Crescem denúncias de racismo no futebol

Relatório do Observatório da Discriminação Racial no Futebol revela...
spot_imgspot_img

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....

Mãe não é tudo igual

- Coloca um casaco, meu filho! - Na volta a gente compra, filha. É bem provável que muitos de nós já tenhamos ouvido alguns desses bordões...

Carta aos negacionistas: comprem um seguro de vida

Senhores negacionistas, Coube à nossa geração viver uma encruzilhada existencial: ou mudamos a forma de nos relacionar e habitar o planeta, ou simplesmente esse planeta...
-+=