Oswaldo de camargo: a voz de um bragantino na literatura brasileira

“Quem pesquisar sobre literatura negra no Brasil tem que passar obrigatoriamente por Oswaldo de Camargo. Poeta, escritor, jornalista, pesquisador, é referência mundial não somente pela importante obra já escrita, mas pela luta que travou, e ainda trava, contra o preconceito racial nas mais diversas formas”.

Do Olhar Bragantino

Esta é a abertura do programa Persona, de Curitiba (pode ser visto aqui) quando o convidado foi o escritor bragantino – com traduções para o alemão, francês, inglês – Oswaldo de Camargo.

No próximo sábado, dia 18, ele estará na USF para apresentar seu último livro, Raiz de um Negro Brasileiro, que trata-se de suas memórias de infância em Bragança Paulista.

Filho de caipiras analfabetos nasceu em 1936 na Fazenda Sinhazinha Félix (mais tarde Fazenda do Trigo), zona rural de Bragança, onde seus pais eram plantadores de café.

Desde os primeiros textos, Bragança e sua paisagem já aparecem na obra do escritor.Deodato (1972), Oboé (2013), e agora o já citado Raiz de um Negro Brasileiro.

“Bragança marcou muito o meu trabalho. Quase tudo que escrevo tem as marcas da minha terra. Também muito do que escrevo é uma transfiguração da imagem do meu pai”. Pai que faleceu quando o jovem Oswaldo tinha sete anos.

Sem ninguém próximo para acolhê-lo, acabou encaminhado para o Preventório Imaculada Conceição, instituição em Bragança Paulista que acolhia filhos de tuberculosos, já que sua mãe havia falecido da doença um ano antes da morte de seu pai.

Dos 12 aos 17 anos estudou no Seminário Menor Nossa Senhora da Paz, em São José do Rio Preto, cidade que ficou até 1954. Partiu para a capital paulista onde estudou piano e harmonia no Conservatório Santa Cecília.

Em 1959 estreou com o livro de poemas O homem tenta ser anjo, no tempo que era diretor de cultura da Associação Cultural do Negro em São Paulo, e trabalhava como revisor no jornal Estado de São Paulo, empresa que iniciou na carreira de jornalismo em 1955.

Herdeiro de buscas culturais de negros que, no início do século XX, começam a reavaliar a situação do afro-brasileiro, sobretudo se utilizando de armas como agremiações de cultura, jornais alternativos, teatro negro e a literatura, com a inspiração de Lino Guedes e Solano Trindade.

“A literatura para mim não é apenas o texto. É uma ferramenta para transformar o mundo. Mas não é uma literatura só para negros, é para defrontar também o branco. Para que o branco compreenda o meu mundo”.

O evento na USF em Bragança Paulista acontece no sábado, dia 18, na Sala 12 do Prédio 4, a partir das 9h.

+ sobre o tema

Lançamento do livro/CD/DVD ‘O Jongo do Tamandaré’

    Saiba Mais:  Jongo Cacuriá AS DANÇAS...

Gal Martins: O movimento que faz a diferença

Como Gal Martins levou a linguagem da dança contemporânea...

Sessão solene pelo centenário do “Sambista Pé Rachado”

O sambista Pé Rachado se vivo completaria 100...

para lembrar

Anderson Silva adquire mansão avaliada em R$ 2 milhões no Rio de Janeiro

A vida de celebridade e as frequentes aparições em...

Inauguration de l’exposition de Januário Garcia – 26 février 2012

Afrodescendants d'Amérique du Sud présentée jusqu'au 26 février 2012 à l'occasion du...

Samuel Eto’o desiste de processo contra o Barcelona

Camaronês, hoje na Rússia, alegava ter 3 milhões de...

Jogador rejeita brincadeira da Globo

por Rodrigo Vianna O Herrera já jogou no meu...
spot_imgspot_img

Conceição Evaristo é eleita a nova imortal da Academia Mineira de Letras

A escritora Conceição Evaristo, 77, foi eleita nesta quinta (15) membro da Academia Mineira de Letras, na cadeira número 40, já ocupada por Afonso Pena Júnior e...

Conheça o livro ‘Um Defeito de Cor’, mais vendido online depois de enredo da Portela

Tema do enredo deste ano da Portela, o livro "Um Defeito de Cor", lançado em 2006 pela escritora mineira Ana Maria Gonçalves, alcançou, nas últimas...

Veja os novos livros infantis de Edimilson de Almeida Pereira e Cidinha da Silva

Diz o ditado que Exu matou um pássaro ontem com uma pedra que só jogou hoje. É mais ou menos isso o que faz Cidinha da Silva com...
-+=