Paulo Lins: “A música é o campo de luta e da resistência negra

tradução de Davide Bubbico no Vermelho

Confira a íntegra da entrevista:

“Eu nasci no Estácio de Sá, bairro do Rio de Janeiro, onde noventa anos atrás, no final dos anos 1920, nasceu o samba”, diz o escritor Paulo Lins, de 58 anos, autor do livro a partir do qual Fernando Meirelles se inspirou para fazer o filme “Cidade de Deus”. “Quando eu tinha sete anos minha família se mudou para Cidade de Deus, onde morei até completar trinta anos.

“Eu era o filho mais novo e só consegui me formar graças a meus irmãos, que trabalhavam e pagavam os meus estudos. Eu fui a primeira pessoa graduada na família. Comecei a escrever fazendo revisão das letras das escolas de samba que se preparam para o Carnaval. Eles vieram à minha procura porque eu era um professor de Língua Portuguesa e as letras sempre tinham um monte de erros. Depois eu também fui compositor”.

O livro “Cidade de Deus” é de vinte anos atrás. Depois dele, você escreveu recentemente “Desde que o Samba é Samba”, por quê tanta demora?

Porque no Brasil não se pode viver escrevendo livros e eu tinha que fazer muitos outras trabalhos: desde revisão de texto a roteiros para a televisão. Já foi professor, trabalhei dando aulas de redação na universidade, colaborando com os jornais.

Que mudança teve a favela Cidade de Deus nesses vinte anos?

A medalha de Rafaela Silva, a judoca brasileira que vive ali e que ganhou o ouro, é um símbolo dessa mudança. Ela pode praticar estes esportes, especialmente por meio dos investimentos em todas as áreas sociais do governo Lula e Dilma. Não só na Cidade de Deus, mas em todo o Brasil. Muitos programas deles para as classes mais pobres do país tiveram um efeito positivo nos últimos quinze anos. Para as famílias pobres, tornou-se mais fácil enviar seus filhos para a escola e deixá-los chegar à universidade, conseguir uma bolsa, um empréstimo bancário. Lula e Dilma trabalharam para a redistribuição da riqueza e implementaram importantes políticas contra a pobreza. Mas, infelizmente, agora tudo isso acabou.

No seu último livro, você conta a história da emancipação dos negros no Brasil. Qual é a situação hoje?

É que a emancipação não existe. Eu moro em um prédio de classe média em São Paulo e sou o único negro no edifício. No Rio, nos bairros mais da classe média e bonita, é difícil encontrar uma família de negros. Os negros estão todos nas favelas. Não tem negros em posições de poder institucional, nas profissões, na TV. Para os negros é muito difícil acessar a universidade. Tem negros importantes só na cultura, especialmente na música. A música é nosso campo de luta e resistência para sobreviver, mas os brancos no Brasil já tentaram fazer desaparecer isso, mesmo a nossa cultura.

O Brasil é um país racista?

O Brasil há 500 anos é dominado por uma elite branca que não faz nada para capacitar os negros, que na maioria dos casos, são os pobres, porque ela quer continuar a permanecer no poder. Ela não tem nenhuma intenção de dividir (o poder). Há uma coisa de que falamos muito pouco: o Brasil, em geral, mas sobretudo o Rio de Janeiro, é o lugar do mundo onde se matam mais negros. Aqui existe uma guerra étnica, é uma guerra de baixa intensidade, mas uma guerra. No Rio há uma polícia assassina e um governo que confunde a violência com o tráfico de drogas e que deveria combater o tráfico de armas e implementar programas de redistribuição de renda e inclusão social e educação dos mais pobres.

O que achou da eleição de Barack Obama presidente dos Estados Unidos?

Não é apenas um presidente negro eleito que pode fazer algo sobre a emancipação. Na verdade, até mesmo a polícia americana continua a matar, especialmente os negros. Mas os europeus continuam a rejeitar a simples verdade que parte da sua riqueza foi acumulada com a escravidão, com o tráfego de escravos africanos. E apesar disso, hoje as políticas de migração contra os africanos são as mais perversas do mundo.

Qual é a sua opinião sobre ao impeachment da Dilma Rousseff?

Isso foi um golpe político institucional. Se tornou presidente o líder de um partido que, desde que a democracia retornou ao Brasil, nunca deixou de eleger um presidente. Foram as pessoas pobres que votaram em Dilma, mas a velha elite branca brasileira se organizou para retornar ao poder. Os brancos brasileiros apoiaram o golpe de Estado e agora eles querem manter na liderança do país um golpista para continuar a governar contra os pobres, por não questionar qualquer um dos seus antigos privilégios. Neste sentido, a elite política branca é malvada e antidemocrática.

Você foi criticado por ter revelado, em seu último livro, que o homem considerado como o pai do samba moderno, Ismael Silva, era gay. Por que você fez isso?

Contra a hipocrisia imperante no pais. A nível institucional no Brasil existem uniões civis para gays, mas este é um país homofóbico. Onde os gays são atacados e mortos na rua.

O que você acha da imagem internacional de Rio de Janeiro como cidade da felicidade?

Onde há um negro, há música, há samba. Por isso o Rio, às vezes, é uma cidade feliz.

Fonte: La Republica. Tradução de Davide Bubbico

+ sobre o tema

Beyoncé é a artista mais bem paga da música em 2014, com R$ 288 milhões

Beyoncé é artista mais bem paga do mundo da...

O presidiário bonitão assina um contrato como modelo

O retrato da ficha policial de Jeremy Meeks conseguiu...

Vanessa da Mata se firma como referência para nova geração

Noite de sábado passado, Concha Acústica do Teatro Castro...

para lembrar

Amílcar Cabral líder africano

Afonso Van-Dúnem “Mbinda” considerou Amílcar Cabral um “ícone do...

Jornal espanhol revela bastidores da seleção argentina de Maradona

Fonte: Sidneyresende.com-A seleção argentina nunca treina durante a manhã....

Pelé vira verbete do dicionário Michaelis

Edson Arantes do Nascimento recebeu nesta quarta-feira (26) mais...
spot_imgspot_img

Majestosa, Lauryn Hill entrega show intenso e coroa história da Chic Show

"Não é só um baile black", gritou Criolo durante o terceiro show do festival Chic Show 50 Anos, no sábado (12). O rapper do...

O atleta negro brasileiro que enfrentou o nazismo nas Olimpíadas de 1936

A poucos dias da abertura dos Jogos Olímpicos de Paris, em uma Europa cada vez mais temerosa com a agenda política de forças alinhadas...

Gilberto Gil afirma que não se aposentará totalmente dos palcos: “continuo querendo eventualmente cantar”

No fim de junho, saiu a notícia de que Gilberto Gil estava planejando sua aposentadoria dos palcos. Segundo o Estadão, como confirmado pela assessoria do...
-+=