Polícia indicia por racismo cliente de restaurante suspeito de ofender músico em Porto Alegre

Enviado por / FontePor Pedro Trindade, do G1

Inquérito foi concluído na quinta-feira (26). Músico diz que estava na calçada quando ouviu ofensas. Em depoimento, homem de 36 anos negou acusações, alegou ter autismo e afirmou que reclamou apenas da qualidade sonora da apresentação.

A Polícia Civil concluiu na quinta-feira (26) o inquérito sobre o caso de supostas ofensas raciais proferidas contra o músico Maik Salgado em frente a um restaurante de Porto Alegre onde ele se apresentava. A delegada Andrea Mattos, titular da Delegacia de Polícia de Combate à Intolerância (DPCI), indiciou o cliente do estabelecimento por racismo.

O episódio ocorreu no dia 29 de novembro. O suspeito, de 36 anos, que não teve a identidade revelada, nega as acusações. Segundo a polícia, durante o depoimento o homem alegou ter autismo e afirmou que reclamou apenas da qualidade sonora da apresentação.

“Segundo a vítima e testemunhas, o suspeito teria dito: ‘lugar de macaco é na jaula’. Como se uma pessoa negra não tivesse o direito de estar naquele restaurante, de exercer a profissão de músico. Então entendo que teve um caráter de subjugar uma raça em relação à outra”, explica a delegada.

Procurada pela reportagem do g1, a direção do restaurante disse que não vai se manifestar.

O inquérito foi enviado ao Ministério Público (MP), que decidirá se dá ou não sequência ao trâmite na Justiça. O indiciamento foi embasado a partir dos depoimentos de testemunhas e da análise de imagens das câmeras de monitoramento disponibilizadas.

Relembre o caso

O músico Maik Salgado se apresentou no local e diz que por volta de 22h30 estava na calçada, em frente ao restaurante, quando encontrou o suspeito. Ao identificar o cantor, o cliente teria começado os xingamentos.

“Esse rapaz começou a falar: ‘macaco calado é que faz sucesso, macaco tem que ficar na jaula’. E eu, acho que ele está falando comigo, mas fiquei na minha. Aí ele levantou, olhou pra minha cara, colocou o dedo na minha cara e falou assim: ‘tu é um merda, teu maior talento é ficar calado'”, relatou.

Segundo Maik, não houve nenhuma reação contrária durante o show. Ele conta que o homem não parecia bêbado, porque “as palavras eram muito claras”. Uma funcionária do restaurante teria dito que o cliente estava indo embora porque “estava com vontade de vomitar por causa do músico”.

À época, o cantor contou à reportagem que se apresentava no local havia cerca de sete meses e nunca tinha passado por situação parecida.

Leia também:

Por que injúria racial não é somente um crime contra a honra?

Tenho que admitir, o óbvio precisa ser dito

Por um futuro sem racismo

Entenda o que muda com a equiparação de injúria racial ao crime de racismo

+ sobre o tema

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

Aos ‘parças’, tudo

Daniel Alves da Silva, 40 anos, 126 partidas pela...

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

para lembrar

‘Lugar de Negro’ mudou toda a maneira como se estuda racismo no Brasil

Depois de quatro décadas de sua primeira publicação, o...

Vinicius Jr. se pronuncia sobre racismo e críticas por dança: “Eu não vou parar”

Vinicius Junior, jogador da seleção brasileira e do Real Madrid,...

Movimento de rap aponta truculência e racismo em abordagem policial na praça do Marex, em Belém

Artistas do movimento Hip Hop apontam que sofreram agressão em...
spot_imgspot_img

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase que o antropólogo Kabanguele Munanga, uma das maiores autoridades do Brasil em estudos raciais, define...
-+=