terça-feira, setembro 27, 2022
InícioEm PautaPré-candidato do PSOL diz que partido é racista e não mantém coerência

Pré-candidato do PSOL diz que partido é racista e não mantém coerência

Historiador Douglas Belchior afirma que crítica tem como objetivo fazer o partido refletir; “PSOL não é nem pior e nem melhor que os outros nesse sentido”, afirmou ao UOL

por Luis Adorno para a Folha de São Paulo

Arquivo Pessoal – UneAfroBrasil

“Há um histórico de desrespeito desse partido com a construção do movimento negro em São Paulo”. A crítica é do historiador negro Douglas Belchior, 39, ligado ao PSOL desde sua fundação, em 2004, e que, pré-candidato a deputado federal, vai disputar o quarto pleito pela sigla em outubro deste ano. Belchior afirma desejar que o partido melhore, sendo mais acolhedor ao povo negro.

Belchior enviou no último dia 12 de julho uma carta ao partido requerendo informações de como a sigla iria repassar seus recursos financeiros aos candidatos nas eleições deste ano. A cobrança foi publicada em seu Facebook. Uma semana depois, o pré-candidato afirmou que ainda não havia recebido nenhuma resposta.

O historiador disse ao UOL que a medida foi tomada depois de ter informações de bastidores que apontavam para uma “concentração dos recursos em torno de candidaturas brancas e de candidaturas que já são donatárias de mandatos, logo, já têm recursos, logo já usufruem de toda estrutura partidária”. Ele sente que sua candidatura receberia menos aporte internamente do que as candidaturas de pessoas brancas.

Arquivo pessoal

Carta enviada ao PSOL por Douglas Belchior – Arquivo Pessoal

Carta enviada ao PSOL por Douglas Belchior

O PSOL nacional informou que o caso estava sendo debatido internamente. O presidente estadual do partido em São Paulo, Joselicio Junior, conhecido como Juninho, 32, que é negro, afirmou que haveria uma reunião, na manhã desta segunda-feira (23), para tratar a questão. “O PSOL é um partido que carrega as suas contradições, mas estou nele pois enxergo que é onde ainda é possível disputar rumos, construir alternativas”, disse o presidente estadual (leia o posicionamento completo no fim do texto).

Belchior esteve presente na convenção nacional do partido, que lançou Guilherme Boulos como candidato a presidente, no último sábado (21). Diferentemente de outros pré-candidatos, ele não esteve posicionado ao lado dos principais nomes da sigla, como Luiza Erundina e Ivan Valente. Outros pré-candidatos permaneceram ao lado de Boulos desde o início da convenção até a coletiva de imprensa, no início da noite.

Na última eleição que disputou pelo PSOL, em 2016, ele não se elegeu vereador da capital paulista, mas recebeu cerca de 11 mil votos. “Quando o PSOL for mais acolhedor ao povo negro, quando o PSOL for um partido mais radicalmente comprometido com a pauta negra, ele será, automaticamente, melhor, mais acolhedor e mais eficiente para o povo brasileiro, que é, na sua maioria, negro e que sofre por ser negro”, afirmou o pré-candidato.

Segundo ele, o partido reproduz racismo ao não fortalecer de maneira igualitária as candidaturas negras. “Isso precisa ser demonstrado na prática. Não apenas no discurso. Uma forma de praticar isso, com radicalidade, é dirigir recursos e priorizar candidaturas negras, oriundas e orgânicas do movimento negro brasileiro e da representação da pauta negra”, disse à reportagem.

“É muito difícil manter coerência entre discurso e prática. É um exercício permanente. Porque nós somos contraditórios, somos todos passíveis de erro, de incoerências. Eu não sou perfeito, não faço as melhores elaborações do planeta sobre isso. Assim como o partido e os demais também não são”, complementou.

No entanto, ele afirma que o racismo que seria reproduzido pelo PSOL não é diferente dos demais partidos. “O Brasil é um país estruturalmente racista. Suas instituições são, pela própria natureza, reprodutoras desse racismo. Todas as instituições: universidade, polícia, governos, mídia. E os partidos não fogem a isso”, disse.

O pré-candidato afirma que a crítica não tem como objetivo rachar o partido, mas cobrar que ele melhore. “O PSOL não é pior do que os outros nisso. É igual nesse sentido. Mas ele nasceu para ser melhor. Quero contribuir para que ele seja melhor. Eu defendo os partidos, eu sou ligado ao PSOL desde a sua fundação. E eu desejo que ele seja um partido que responda mais e melhor à demanda do povo negro brasileiro”, argumentou.

“A minha presença no partido não o impede de ser racista. Assim como a presença de outras lideranças negras. Porque o problema não está nos indivíduos especificamente. É preciso que, estruturalmente e institucionalmente, o partido avance para essa percepção coletiva. E a gente não percebe isso no PSOL. Isso não é uma percepção apenas minha. É notório”, complementou Belchior.

Partidos refletem a sociedade, diz professor

O acadêmico Hélio Santos é doutor em administração pela USP (Universidade de São Paulo) e presidente do IBD (Instituto Brasileiro da Diversidade). No passado, foi professor da Faculdade de Economia da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de Campinas e coordenador do GTI (Grupo de Trabalho Interministerial) no governo FHC (Fernando Henrique Cardoso).

O teórico afirma que, observando a evolução política, desde os anos 1970 até o atual momento, os partidos políticos, conservadores ou progressistas, não colocam a questão racial como prioridade. Segundo o estudioso, “os partidos políticos refletem de uma maneira rigorosa a sociedade”.

Para ele, o racismo atravessa a sociedade de forma instintiva. “Está no piloto automático. Em partidos mais conservadores, por exemplo, na hora de distribuir recursos: homens brancos [decidem]. Mas isso não significa que os partidos de esquerda também não tenham isso”, disse.

“Nós falamos em democracia, mas mesmo os partidos mais progressistas não conseguem, na questão de gênero e racial, ter esses aspectos valorizados pelos partidos. Todos os partidos políticos. Sem exceção. Nenhum tem a questão racial como a questão estruturante da vida brasileira. Se tivesse, teria um tratamento diferenciado”, afirmou.

“Desde os anos 70, nenhum partido político nunca colocou a questão racial na dimensão que ela deve estar. A desigualdade no Brasil tem cor. Agora também tem sexo. Quando você vê o PSOL, PCdoB, PT, PCB afirmar ser contra a desigualdade, a gente tem que retrucar: cara pálida, qual desigualdade? No próprio interior do partido há desigualdade”, afirmou o professor.

Segundo ele, há uma perspectiva de mudança neste cenário, especificamente na eleição de 2018, pelo fator Marielle. A morte da vereadora, mulher, negra e da periferia, deve colaborar com o voto racial, segundo Santos.

Belchior está na faixa de prioridades, diz presidente estadual

Joselicio Junior, o Juninho, disse ao UOL que se filiou ao PSOL em 2005 e, desde então, foram galgados espaços dentro do partido, como a reserva de 30% das vagas das direções partidárias e 5% do recurso do fundo partidário para a militância negra do partido.

Em nota, o presidente do diretório estadual afirmou que as marcas do racismo “estão presentes até os dias hoje e permeiam todos os espaços sociais, inclusive os partidos políticos que são expressão da sociedade em que vivemos, o que gera barreiras para ascensão de lideranças negras e populares”.

“Diante dessas barreiras, sempre busquei saídas coletivas para enfrentar esses desafios. O PSOL é um partido que carrega as suas contradições, mas estou nele pois enxergo que é onde ainda é possível disputar rumos, construir alternativas, jamais aceitaria assumir a sua presidência estadual, diante da minha trajetória de militância no movimento negro, se não fosse possível avançar por dentro e a partir dele no combate ao racismo”, disse.

Ainda segundo Juninho, “uma consequência desse trabalho é ampliação do número de candidaturas não só de negras e negros, mas de ativistas negras e negros que trazem essa pauta como central. Serão por volta de 20 candidaturas que levarão esse debate para a sociedade paulista. Esse é um primeiro passo, ainda temos o desafio da distribuição dos recursos, dos investimentos em novas lideranças, uma discussão saudável que o partido não deve se furtar em fazer”.

Juninho afirmou que Belchior é uma liderança importante do movimento social negro e “por isso, está na faixa de prioridades das candidaturas do partido, sendo o homem negro que mais vai receber recursos do fundo partidário eleitoral, portanto, mesmo sabendo que é importante avançar no debate dos recursos a lideranças, o requerente não está desassistido e receberá recursos bem acima até de outras candidaturas negras também relevantes”.

Interessante que todas as manifestações públicas do requerente [Douglas Belchior] apontam para uma reclamação individual, como se o partido aumentando os recursos apenas dele estaria sanado o racismo institucional

Joselicio Junior, o Juninho, presidente estadual do PSOL

“Acho fundamental aproveitar esse debate para discutir amplamente com a sociedade a necessidade de avanços na legislação semelhantes ao das mulheres com reserva de vagas e recursos garantidos na lei, acho que esse será um avanço importante para mudar a configuração da representação política em nosso país e quero tocar essa luta com as demais lideranças negras”, finalizou Juninho.

A direção estadual do PSOL de São Paulo disse também que irá informar nos próximos dias todas(os) as(os) pré-candidatas(os) e demais filiados a ata da reunião que deliberou sobre a destinação  de recursos do Fundo Partidário Eleitoral, aprovada por 13 votos favoráveis, um contra e uma ausência.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench