Precisamos reconhecer nossa palmitagem

Muito se tem discutido sobre a solidão da mulher negra e o termo

Por Caio Cesar dos Santos  via Guest Post para o Portal Geledés

“palmiteiro”. Muitas mulheres tiveram, enfim, a coragem de expor seus

sentimentos após anos e anos de preterimento e desvalorização. Eu

particularmente acho isso ótimo, o que me incomoda mesmo é o mau

caratismo de nós, homens, ao tratar do assunto.

Somos palmiteiros. Todos nós. Alguns em desconstrução, outros não.

Acredito que reconhecer isso é o primeiro passo que podemos dar. No

mundo afetivo dos homens reina a ideia de que, quanto mais mulheres

você tem, melhor você é, mais respeitado entre os amigos, mais

popular. E nessa matemática básica, a mulher preta não tem valor. Num

país onde o padrão de beleza feminino é tão forçado e reforçado em

todos os veículos de mídia, se relacionar com mulheres negras não era

a primeira opção dos homens. Basta olhar os inúmeros relatos das

meninas negras, que foram a vida inteira escondidas em seus

relacionamentos, enquanto os homens faziam questão de desfilar com

suas mulheres brancas.

Não neguem isso, homens. Vocês sabem bem como as coisas funcionam.

E trazendo o recorte do homem negro, a qual me incluo, soma-se a isso

o racisto estrutural da nossa sociedade. Para o homem negro,

relacionar-se com uma branca, dá a ele o mesmo valor que um homem

branco tem na sociedade. Frantz Fanon fala sobre isso em seu livro

“Pele Negra. Máscaras Brancas”, no capítulo 3 intitulado “O homem de

cor e a mulher branca”. Segue o trecho:

“Da parte mais negra de minha alma, através da zona de meias-tintas,
me vem este desejo repentino de ser branco.
Não quero ser reconhecido como negro, e sim como branco.
Ora — e nisto há um reconhecimento que Hegel não descreveu —
quem pode proporcioná-lo, senão a branca? Amando-me ela me prova
que sou digno de um amor branco. Sou amado como um branco.
Sou um branco.

Seu amor abre-me o ilustre corredor que conduz à plenitude…
Esposo a cultura branca, a beleza branca, a brancura branca.
Nestes seios brancos que minhas mãos onipresentes acariciam, é da
civilização branca, da dignidade branca que me aproprio.”

Enxergo no preterimento da mulher negra e na “palmitagem” mais uma das

faces que o racismo nos traz. E como tal, se faz necessário que

debatamos isso com honestidade e entendimento. Nós homens, sobretudo

homens negros, precisamos fazer essa reflexão, essa autocrítica.

Vivemos num mundo racista e machista, com um padrão de beleza branco

estabelecido. Reduzir toda essa problemática a “gosto pessoal” não faz

sentido, é desenosto.

Por fim, quero deixar claro aqui que não quero falar pelas mulheres

negras. Não tenho esse direito e nem ao menos poderia fazer isso. Há

muita informação sendo feita sobre esse assunto, e quero apenas que

meu texto seja mais um, sem se tornar mais importante do que o relatos

das mulheres. Ao ler esse texto, peço não só a sua reflexão, mas que

leia também – com honestidade – os relatos e textos já feitos por

quem, de fato, sofre com isso, as mulheres.

+ sobre o tema

Advogada transexual tenta uma vaga em tribunal máximo da Venezuela

Tamara Adrián chegou à terceira etapa de seleção para...

Seios achatados: uma tortura para que as meninas não virem mulheres

É uma prática tradicional e pouco investigada, feita em...

Mulheres negras nos quadrinhos: Jackie Ormes, você não conhece? Mas deveria

Se hoje já conseguimos acabar com essa ideia de...

para lembrar

Vídeo PLP 2.0 – App de enfrentamento a violência contra mulher

PLP 2.0 aplicativo de combate a violência contra mulheres...

Entrevista: Núbia de Oliveira fala sobre catálogo Intelectuais Negras Visíveis

Visibilidade e reconhecimento. Essas são as palavras que norteiam...

Taís Araújo revela: “Maternidade não me completa. Sou bem mais que isso”

Em entrevista à Marie Claire, a atriz Taís Araújo...

Feminicídios no DF cresceram 45% neste ano em relação a 2022

Faltando quatro meses para acabar o ano, o número de...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=