Precisamos reconhecer nossa palmitagem

Muito se tem discutido sobre a solidão da mulher negra e o termo

Por Caio Cesar dos Santos  via Guest Post para o Portal Geledés

“palmiteiro”. Muitas mulheres tiveram, enfim, a coragem de expor seus

sentimentos após anos e anos de preterimento e desvalorização. Eu

particularmente acho isso ótimo, o que me incomoda mesmo é o mau

caratismo de nós, homens, ao tratar do assunto.

Somos palmiteiros. Todos nós. Alguns em desconstrução, outros não.

Acredito que reconhecer isso é o primeiro passo que podemos dar. No

mundo afetivo dos homens reina a ideia de que, quanto mais mulheres

você tem, melhor você é, mais respeitado entre os amigos, mais

popular. E nessa matemática básica, a mulher preta não tem valor. Num

país onde o padrão de beleza feminino é tão forçado e reforçado em

todos os veículos de mídia, se relacionar com mulheres negras não era

a primeira opção dos homens. Basta olhar os inúmeros relatos das

meninas negras, que foram a vida inteira escondidas em seus

relacionamentos, enquanto os homens faziam questão de desfilar com

suas mulheres brancas.

Não neguem isso, homens. Vocês sabem bem como as coisas funcionam.

E trazendo o recorte do homem negro, a qual me incluo, soma-se a isso

o racisto estrutural da nossa sociedade. Para o homem negro,

relacionar-se com uma branca, dá a ele o mesmo valor que um homem

branco tem na sociedade. Frantz Fanon fala sobre isso em seu livro

“Pele Negra. Máscaras Brancas”, no capítulo 3 intitulado “O homem de

cor e a mulher branca”. Segue o trecho:

“Da parte mais negra de minha alma, através da zona de meias-tintas,
me vem este desejo repentino de ser branco.
Não quero ser reconhecido como negro, e sim como branco.
Ora — e nisto há um reconhecimento que Hegel não descreveu —
quem pode proporcioná-lo, senão a branca? Amando-me ela me prova
que sou digno de um amor branco. Sou amado como um branco.
Sou um branco.

Seu amor abre-me o ilustre corredor que conduz à plenitude…
Esposo a cultura branca, a beleza branca, a brancura branca.
Nestes seios brancos que minhas mãos onipresentes acariciam, é da
civilização branca, da dignidade branca que me aproprio.”

Enxergo no preterimento da mulher negra e na “palmitagem” mais uma das

faces que o racismo nos traz. E como tal, se faz necessário que

debatamos isso com honestidade e entendimento. Nós homens, sobretudo

homens negros, precisamos fazer essa reflexão, essa autocrítica.

Vivemos num mundo racista e machista, com um padrão de beleza branco

estabelecido. Reduzir toda essa problemática a “gosto pessoal” não faz

sentido, é desenosto.

Por fim, quero deixar claro aqui que não quero falar pelas mulheres

negras. Não tenho esse direito e nem ao menos poderia fazer isso. Há

muita informação sendo feita sobre esse assunto, e quero apenas que

meu texto seja mais um, sem se tornar mais importante do que o relatos

das mulheres. Ao ler esse texto, peço não só a sua reflexão, mas que

leia também – com honestidade – os relatos e textos já feitos por

quem, de fato, sofre com isso, as mulheres.

+ sobre o tema

Conheça a vereadora que desbancou políticos tradicionais e bateu recorde de votação em BH

Pela primeira vez na história de Belo Horizonte, uma...

Estudante branco agride mulheres negras durante Virada Antirracista na UFSC

No dia de protesto antirracismo na UFSC, hoje (25), o...

Sobre o maçante e doloroso assunto “Solidão da mulher negra”

Tem um ponto a respeito do maçante e doloroso...

para lembrar

Lélia Gonzalez

Filha de um ferroviário negro e de uma empregada...

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

Encontro discute direito de mulheres negras

Um Seminário ocorrido no Rio Grande do Sul, discutiu...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=