Preconceito e o Feminismo

A questão racial precisa ser levada em conta se o feminismo quiser cumprir sua proposta de mudança dos valores antigos

por Lélia Gonzalez

No meio do movimento das mulheres brancas, eu sou a criadora de caso, porque elas não conseguiram me cooptar. No interior do movimento havia um discurso estabelecido com relação às mulheres negras, um estereótipo. As mulheres negras são agressivas, são criadoras de caso, não dá pra gente dialogar com elas etc. Eu me enquadrei legal nessa perspectiva aí. Porque, para elas, a mulher negra tinha que ser, antes de tudo, uma feminista de quatro costados. Preocupada com as questões que elas estavam colocando.

Isso a gente já discutiu muito e a experiência mais positiva que eu tive foi no encontro na Bolívia promovido pelo MUDAR (Mulheres por um Desenvolvimento Alternativo) – uma entidade internacional que foi criada um pouco antes do encerramento da década. Foi ali que, pela primeira vez, eu encontrei um tipo de eco, uma maturidade por parte do movimento, no sentido de parar e refletir sobre as questões que a gente coloca enquanto mulher negra, a dimensão racial que está presente em tudo, e você não pode fingir que ela não existe.

Mas não há dúvida que existe um setor no movimento de mulheres que está preocupado com a questão racial. O feminismo, como uma feminista inglesa colocava, não terá cumprido sua proposta de mudança dos valores antigos, se ele não levar em conta a questão racial. Uma história que rolou e gera uma grande luta interna com o homem negro diz respeito à sexualidade, porque muitos homens negros preferem as mulheres brancas.

Eles internalizam o valor branco como supremo, como todos nós. Só que a gente está tentando sair dessa. Até algumas lideranças do movimento negro só transam com mulheres brancas. E isso é uma forma de reprodução dos esquema racistas, sem sombra de dúvida. Dentro da proposta de feminismo que a gente está tentando colocar, parece-me fundamental não perder de vista a relação homem negro-mulher negra. Tem que ser uma coisa dinâmica, sobretudo porque fazemos parte de uma comunidade que é discriminada pela dimensão racial.

E me parece que as respostas de parte a parte, até o momento, não são satisfatórias. De um lado, temos uma postura muito machista do homem negro, e eu vejo que a sua procura da mulher branca passa por aí. Pela nossa experiência histórica juntas (homem negro/mulher negra), a gente se conhece muito bem, há toda uma cumplicidade no que diz respeito ao enfrentamento de uma série de questões. Mas no caso da mulher branca, ela não vivencia essa experiência da discriminação racial. Então acontece que, muitas vezes, os homens negros vão exercer seu machismo junto às mulheres brancas. De certa forma o homem negro atualiza sua rivalidade com o homem branco na disputa da mulher branca.

* Lélia Gonzalez, antropóloga, feminista, negra, intelectual, faleceu em 1994. Reprodução de um trecho de uma entrevista publicada no Jornal do Movimento Negro em 1991.

Fonte:Persona Mulher

+ sobre o tema

Da dificuldade nasce a força da mulher negra

Em 1989, com 14 anos, entrei no mercado de...

Melhor do mundo, Serena Williams só não consegue derrotar o racismo

Serena Williams tinha 6 anos de idade quando a...

Filme Kbela é homenagem a todas as mulheres negras

Idealizado por Yasmin Thayná e realizado coletivamente, Kbela nasceu...

para lembrar

27 secretários de Segurança se reúnem para discutir estupro: apenas um é mulher

O ministro interino da Justiça, Alexandre de Moraes, se...

Egito: Mulher fingiu ser homem por 40 anos para conseguir trabalho

Após ficar viúva, Sisa Gaber Abu Douh resistiu à...

Prorrogadas inscrições para o ‘Prêmio Lélia Gonzalez’

O prazo para postagem de propostas para o 'Prêmio...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=