Prêmio a escritor multado por racismo provoca furor na Hungria

Mais de 50 laureados com uma das maiores honras da Hungria devolveram seus prêmios depois que o governo do primeiro-ministro Viktor Orbán condecorou um jornalista que foi censurado diversas vezes por incitar o ódio contra refugiados, judeus e ciganos.

Por Edith Balazs Do Uol

Zsolt Bayer, membro-funda dor do partido governante Fidesz e um aliado próximo de Orbán, recebeu a Cruz de Cavaleiro da Ordem do Mérito no fim de semana por sua “exemplar obra jornalística”, de acordo com a gazeta oficial Magyar Közlöny. Entre os homenageados que devolveram seus prêmios estão acadêmicos, escritores e atores, de acordo com uma lista compilada pelo site de notícias 444.hu.

András Heisler, diretor da Federação de Comunidades Judaicas na Hungria e um dos homenageados anteriores, devolveu seu prêmio e disse que não queria estar “na mesma comunidade que uma pessoa racista e antissemita, cujas exibições de ódio febril ao povo cigano estão contaminando a Hungria”. O Partido Socialista, opositor, emitiu um comunicado em que afirmou que a escolha é “uma vergonha” e dois outros partidos de oposição pediram que a medalha seja anulada.

A entrega deste prêmio, a segunda mais alta Ordem de Estado da Hungria, salienta a posição conflitante de Orbán no debate sobre etnia e cultura que cresce na Europa e ferveu no ano passado com a chegada de mais de um milhão de refugiados que fugiam da violência do Oriente Médio e também com os ataques terroristas na França e em outros países. Orbán foi um dos primeiros líderes europeus a recusar a entrada de muçulmanos em seu país. Ele construiu uma cerca de arame farpado e mandou a polícia à fronteira para impedir a entrada de imigrantes

‘Animais destrutores’

Bayer foi multado diversas vezes pelo órgão regulador húngaro dos meios de comunicação por comentários antissemitas e racistas, inclusive por ter chamado pessoas do povo cigano de “animais destrutores” e por ter escrito que todos os imigrantes com mais de 14 anos de idade são assassinos em potencial.

Ele também atacou o membro do Parlamento Europeu Daniel Cohn-Bendit e o político húngaro András Schiffer, ambos judeus, quando escreveu que “infelizmente todos eles não foram enterrados até o pescoço nos bosques de Orgovány”. O comentário era uma referência ao assassinato, em 1919, de dezenas de pessoas suspeitas de serem comunistas, muitas das quais eram judias.

Bayer rejeitou as críticas de seus detratores.

“Realmente não entendo como algumas pessoas podem estar tão fechadas em seus próprios mundos estreitos e tristes”, disse Bayer à emissora de TV comercial RTL Klub, em reação ao fato de que outros homenageados tenham devolvido seus prêmios.

Comentários antissemitas e ofensivos para o povo cigano não são incomuns nos meios de comunicação húngaros de direita e, em 2013, o governo pediu que o jornalista televisivo Szaniszló Ferenc devolvesse uma distinção do Estado por ter sido criticado internacionalmente por comentários do tipo.

Título em inglês: Award Given to Writer Fined for Racism Sparks Furor in Hungary

+ sobre o tema

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições...

Capitalismo é incompatível com democracia, afirma escritor Achille Mbembe

Um dos mais importantes pensadores do mundo, o camaronês Achille...

para lembrar

Ator é vítima de racismo durante espetáculo:’Isso não pode ficar impune’

Uma espectadora interrompeu a peça e deu uma banana No...

Grupo antirracismo critica apoio do Liverpool a Suárez

Um grupo que realiza campanhas contra o racismo no...

Minas registra um novo caso de racismo a cada 22 horas e 16 minutos

Expressivo, número de crimes raciais levados aos tribunais está...

Austrália propõe mudar lei, mas aborígenes querem mudança real

Por: Liz Lacerda Alison Golding tinha 10 anos...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=