quarta-feira, janeiro 27, 2021

Resultados da pesquisa por 'Hungria'

Prêmio a escritor multado por racismo provoca furor na Hungria

Mais de 50 laureados com uma das maiores honras da Hungria devolveram seus prêmios depois que o governo do primeiro-ministro Viktor Orbán condecorou um jornalista que foi censurado diversas vezes por incitar o ódio contra refugiados, judeus e ciganos. Por Edith Balazs Do Uol Zsolt Bayer, membro-funda dor do partido governante Fidesz e um aliado próximo de Orbán, recebeu a Cruz de Cavaleiro da Ordem do Mérito no fim de semana por sua "exemplar obra jornalística", de acordo com a gazeta oficial Magyar Közlöny. Entre os homenageados que devolveram seus prêmios estão acadêmicos, escritores e atores, de acordo com uma lista compilada pelo site de notícias 444.hu. András Heisler, diretor da Federação de Comunidades Judaicas na Hungria e um dos homenageados anteriores, devolveu seu prêmio e disse que não queria estar "na mesma comunidade que uma pessoa racista e antissemita, cujas exibições de ódio febril ao povo cigano estão contaminando a ...

Leia mais

Antissemita descobre que é judeu e abandona direita na Hungria

Szegedi teve uma avó que sobreviveu aos horrores do campo de concentração de Auschwitz Do UOL Enquanto espera para subir ao palco do auditório de uma escola em Budapeste, Csanad Szegedi, anda pelo corredor como um urso que chega a uma parte desconhecida da floresta. Quando sobe ao palco, em meio aos aplausos dos estudantes, o fluxo de sangue colore suas orelhas de vermelho. Szegedi usa a mesma energia antes vista em comícios e discursos no Parlamento Europeu. Mas o húngaro não poderia ser uma pessoa mais diferente nos dias de hoje: há três anos, ele era um dos membros mais ativos do Jobbik, partido nacionalista húngaro de tendência extremista e posicionamento marcado pelo antissemitismo. Foi em 2012 que Szegedi descobriu ser judeu. E não apenas isso: sua avó sobreviveu aos horrores do campo de concentração de Auschwitz. Ele foi criado como protestante pelos pais, apesar de sua mãe ter ...

Leia mais

Rikardo, o bebé que fez “nascer” uma polémica racista na Hungria

Rikardo Racz nasceu um minuto depois da meia-noite. Foi o primeiro bebé de 2015, na Hungria. Recém-nascido foi notícia e agora volta a ser porque o seu nascimento despertou uma onda de comentários racistas. Tudo porque Rikardo é cigano. Do  Tsf A fotografia de Peter e Sylvia, pais de Rikardo, com o bebé ao colo foi destacada em muitos jornais. Tinham ao colo o bebé do ano, que nascera quando passava um minuto da entrada do novo ano. O acontecimento levou Elod Novak, vice-líder do partido de extrema-direita Jobbik, no Facebook, essa imagem ao lado de uma fotografia da sua própria família. À fotografia, o político juntou um comentário explicando que Rikardo é o terceiro filho de uma mãe cigana de 23 anos ao qual acrescentou as palavras que deram origem uma polémica racista. «O número de húngaros não está apenas a cair de forma vertiginosa, como em breve seremos ...

Leia mais
suspeitos skinhead

Após agressão, suspeito de racismo é transferido para Nelson Hungria

Antônio Donato foi encaminhado para a penitenciária nesta quinta (18).Ele foi preso por foto de suposta agressão a morador de rua. Após sofrer agressões que de acordo com a Polícia Civil foram resultado de uma briga com outros detentos, Antônio Donato Baudson Peret teve a transferência para a Penitenciária Nelson Hungria antecipada. Nesta quinta-feira (18), o homem suspeito de ter agredido um morador de rua em Belo Horizonte e divulgado a foto do crime em uma rede social foi encaminhado para a penitenciária em Contagem, na Grande BH. Detido no último domingo (14), em Americana, São Paulo, ele estava preso no Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) São Cristóvão, na capital. A Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), afirma que a decisão foi tomada "como medida protetiva devido à agressão sofrida na terça-feira (16)". Normalmente, o período de permanência no Ceresp é de 15 dias. Ainda de acordo ...

Leia mais
elte

Hungria: universidade fecha centro acadêmico por por atitudes racistas e sexistas

Centro acadêmico da Universidade ELTE, de Budapeste, elaborou listas com categorias racistas e sexistas dos novos alunos A Hungria está consternada por um escândalo na Faculdade de Filosofia e Letras da prestigiada Universidade ELTE de Budapeste, onde um centro acadêmico elaborou listas com categorias racistas e sexistas dos novos alunos. "Tem uma cara feia de judeu", "parece cigano", "é bicha", "tem uma bela bunda", são algumas das descrições menos vulgares e radicais utilizadas nas listas, às quais o canal ATV teve acesso em formato digital. Devido ao escândalo, a reitoria da ELTE suspendeu a autonomia do centro acadêmico HÖK, enquanto a polícia inicia as investigações. O HÖK, dominado segundo a imprensa local por simpatizantes e militantes do partido de extrema direita Jobbik, reconhece a existência das listas, embora alegue que os comentários mais polêmicos foram incluídos posteriormente por outros. A consternação da opinião pública e das organizações estudantis é profunda, ...

Leia mais
fifa bulgaria

Fifa pune seleções da Bulgária e Hungria

A Fifa anunciou nesta terça-feira duas punições a seleções por caso de atos considerados racistas. Bulgária e Hungria terão que jogar suas próximas partidas em casa sem torcida, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2014. As decisões foram tomadas em reunião do Comitê Disciplinar da Fifa, em novembro de 2012, mas foram divulgadas somente nesta terça. A Hungria foi punida após denúncia da FARE (Futebol contra o Racismo na Europa, na sigla em inglês). A entidade independente, mas que conta com apoio da Fifa e da Uefa, noticiou que um grupo de torcedores húngaros teriam hostilizado jogadores israelenses com cantos e faixas antissemitas em amistoso entre as duas seleções, disputado no dia 15 de agosto de 2012. "Membros do Comitê Disciplinar da Fifa foram unânimes ao condenar este odioso episódio de racismo, antissemitismo e provocação política, de natureza agressiva, perpetrada por torcedores da seleção da Hungria", registrou a Fifa, ...

Leia mais
Adobe

Mais de 60% dos países violaram direitos humanos na pandemia

Seis em cada dez países do mundo adotaram medidas problemáticas em termos de direitos humanos, ou de normas democráticas para enfrentar a pandemia de coronavírus - afirma um relatório publicado nesta quarta-feira (9) pela ONG International IDEA. O estudo, que envolve quase todos os países do mundo, conclui que 61% das nações adotaram medidas consideradas "ilegais, desproporcionais, sem limite de tempo, ou desnecessárias", em ao menos uma esfera relativa às liberdades democráticas. Embora 90% dos regimes autoritários tenham violado direitos fundamentais, a ONG, com sede em Estocolmo, especializada no estado da democracia no mundo, aponta que 43% dos países considerados democráticos também cometeram abusos. As conclusões eram previsíveis para os regimes autoritários, mas "o que é mais surpreendente é que tantas democracias tenham adotado medidas que são problemáticas", disse à AFP o secretário-geral da ONG, Kevin Casas-Zamora. A ONG examinou as diferentes medidas adotadas em todo mundo para determinar se eram problemáticas, ...

Leia mais
A deputada-federal Luiza Erundina (PSOL-SP) (Foto: Arquivo pessoal )

Candidata à vice-prefeita de SP, Erundina tem pressa: “A velhice não impede o sonho”

Luiza Erundina viveu para a política. Ou melhor, "tem vivido", ela mesma corrige. Aos 85 anos, a então deputada federal por São Paulo pelo PSOL é pré-candidata na chapa do mesmo partido com o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) Guilherme Boulos à prefeitura da maior cidade da América do Sul. Aceitou a empreitada primeiro porque era condição de Guilherme para se lançar à disputa, depois porque tem pressa em mudar as coisas. A atual situação do país, segundo ela, "sob uma ditadura fruto de uma eleição democrática", a empurra em seguir trabalhando no que nasceu para fazer, "política". São 50 anos como moradora de São Paulo e 64 a serviço da gestão pública – seu primeiro emprego na área foi aos 24 anos, como diretora de Educação e Cultura da Prefeitura de Campina Grande. Nascida em Uiraúna, sertão paraibano, perdeu as contas das madrugadas em que migrou ...

Leia mais
Oscar Vilhena Vieira, professor e cientista político (Foto: Jardiel Carvalho /Folhapress)

Democracia no fio da navalha

Trump deixa como legado de sua insanidade ególatra não apenas um rastro de milhares de vidas negligentemente perdidas, mas também uma forte polarização política, que esgarça o tecido democrático. Ao demandar a interrupção da contagem de votos na Filadélfia, berço da Constituição americana, deu mais uma amostra do desrespeito que dispensou às instituições democráticas ao longo de seu governo. Confirmada sua derrota, o desafio será reconstruir a confiança na democracia, contra a qual ele intensamente conspirou. Todo regime democrático é vulnerável a ciclos populistas. Quando as democracias não cumprem suas promessas de promover o bem-estar, a segurança, os direitos e o progresso para a maioria da população, ou de assegurar transparência, efetividade e controle da corrupção na gestão da coisa pública, ficam vulneráveis a líderes populistas que se apresentam como representantes autênticos e exclusivos do povo. Nesse momento, autoritários, como Trump, abusam das franquias constitucionais para se assenhorar do poder ...

Leia mais
Foto: Reprodução/ Facebook

Revista serrote lança edição dupla com vencedores da 3a edição do Concurso de Ensaísmo serrote

A revista serrote chega às livrarias na primeira quinzena de novembro em dose dupla. Depois de a edição impressa de julho ser substituída por uma edição digital gratuita, a nova publicação reúne os números 35 e 36 em um volume de 336 páginas. A revista apresenta os ensaios vencedores do 3o Concurso de Ensaísmo serrote, que teve como primeira colocada Maria Lucas, com o ensaio “Próteses de proteção”. Em 2o lugar, Evandro Cruz Silva, com o texto “Orfeu enfrenta o genocídio negro”, e, na terceira colocação, Raphael Grazziano, com o ensaio “Baltimore, ainda”. O lançamento da revista acontece no dia 17 de novembro (terça-feira), às 18h, e reunirá para uma conversa os três ganhadores do prêmio. O evento é gratuito e acontece no canal do IMS no YouTube. Maria Lucas (1989), também conhecida como Ma.Ma. Horn, reflete no ensaio “Próteses de proteção” sobre o lugar dos corpos trans na sociedade ...

Leia mais
(Foto: Keiny Andrade/LatinContent/Getty Images)

Estudo: Brasil vive maior retrocesso em liberdade de expressão do mundo

O Brasil sofre a maior queda no mundo na avaliação da liberdade de expressão e passa a ser qualificado dentro do grupo de países onde existe "restrição" para esse direito. A constatação é da entidade internacional Artigo 19 que, nesta segunda-feira, apresenta seu informe global sobre as ameaças à liberdade de expressão. O levantamento revela que, hoje, 3,9 bilhões de pessoas no mundo vivem sob crise de liberdade de expressão. Na prática, mais da metade da população mundial vive em um país com o indicador de liberdade de expressão em um estado de crise. Trata-se do pior resultado em 20 anos. A queda foi puxada por restrições crescentes em países com grandes populações, como a China, Índia, Turquia, Rússia, Bangladesh e Irã, e por retrocessos e quedas alarmantes em países como o Brasil, Estados Unidos, Hungria e Tanzânia. Se no ranking de 2009 o Brasil somava 89 pontos em uma ...

Leia mais
Combinação de fotos de arquivo mostra a Ministra do Comércio da Coreia do Sul Yoo Myung-hee (esquerda), em foto de 16 de julho de 2020, e a ex-ministra das Finanças e Relações Exteriores da Nigéria, Ngozi Okonjo-Iweala, em foto de 15 de julho de 2020 em Genebra, na Suíça — Foto: Fabrice Coffrini/AFP

OMC terá 1ª mulher no comando após disputa entre nigeriana e sul-coreana

Duas mulheres, a nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala e a sul-coreana Yoo Myung-hee, são as candidatas finalistas na disputa pela direção geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), anunciou nesta quinta-feira (8) o organismo. Os dois nomes foram anunciados oficialmente pelo porta-voz da OMC, Keith Rockwell, na sede da organização em Genebra. A vencedora deve ser definida no início de novembro e irá assumir a vaga deixada pelo brasileiro Roberto Azevêdo, que renunciou um ano antes do esperado, no final de agosto. A organização, em crise devido em parte aos ataques do governo do presidente americano Donald Trump, sempre foi comandada por homens. O organismo comercial de 25 anos de existência nunca teve uma mulher ou alguém da África como líder. As duas receberam forte apoio da União Europeia (UE) esta semana, depois que a Hungria - que a princípio respaldava Liam Fox, ex-ministro britânico do Comércio Exterior e pró-Brexit, e a ...

Leia mais
Foto: Gabriel Inácio do Santos

O uso da palavra ‘genocídio’ no combate ao racismo estrutural

Este texto foi escrito a quatro mãos. Duas negras, duas brancas. Escolha que se deu para que possamos praticar um dos nossos principais argumentos: de que o racismo, assim como a luta antirracista, não deve mobilizar apenas negros e negras, mas também brancos e brancas. Representatividade é fundamental, mas não é o suficiente. Se entendemos o racismo como um fenômeno estrutural, nos parece coerente remexer a própria estrutura na hora de escrever e pensar sobre ele. Então, vamos aos fatos. O fato de que pessoas negras são vítimas de um genocídio constante não deveria nem ser discutido. O debate, aliás, só revela a resistência que uma sociedade moldada pela discriminação contra corpos de negros tem de se assumir racista. Como não chamar de genocídio uma sucessão de violências que sempre estouram no seio de famílias pretas? Não há refresco. Nem em tempos de pandemia e de uma suposta onda de ...

Leia mais
Criança participa de marcha no Central Park West em celebração ao Juneteenth em Nova York (Foto: Reuters/Andrew Kelly)

O racismo deixará de existir quando quem o sente disser que já não existe – Amnistia Internacional

"Fazer uma manifestação para provar que não há racismo não tem sentido. O racismo não se sente numa manifestação. Quer dizer, sente-se se for uma manifestação de ódio e espero que não seja o caso", disse Pedro Neto. À pergunta se vê a manifestação marcada para sábado em Lisboa pelo partido Chega como uma provocação, o responsável da AI respondeu: "Não queria dizer isso, dar-me-ia protagonismo, mas não ajudaria muito ao debate". Considerou, no entanto, que não é com uma manifestação que se prova que não há racismo, mas sim com políticas públicas de inclusão, que não permitam discriminação. "Não haver racismo é também não haver discursos xenófobos no parlamento que instiguem ao ódio contra a comunidade cigana", defendeu, numa alusão às posições do líder do Chega, André Ventura, que tenciona reunir 1.500 participantes numa manifestação destinada a afirmar que "Portugal não é racista". "Quando quem o sente disser que ...

Leia mais
Ao redor do mundo, lideranças femininas estão a frente de algumas das melhores estratégias já vistas até aqui no combate ao novo coronavírus (Imagem retirada do site BBC)

Coronavírus: por que países liderados por mulheres se destacam no combate à pandemia?

E estas lideranças estão sendo elogiadas na mídia e nas redes sociais por suas atitudes, bem como pelas medidas que introduziram em face da atual crise global de saúde. Um artigo recente da colunista Avivah Wittenberg-Cox na revista Forbes as considerou "exemplos de verdadeira liderança". "As mulheres estão se colocando à frente para mostrar ao mundo como gerenciar um caminho confuso para a nossa família humana", escreveu. As mulheres representam 70% dos profissionais de saúde em todo o mundo. Já no mundo político, em 2018, elas eram apenas dez dos 153 chefes de Estado eleitos, de acordo com a União Interparlamentar. Apenas um quarto dos membros dos Parlamentos do mundo são mulheres. Embora também haja outros fatores sociais e econômicos que favoreçam estes países no enfrentamento à pandemia, analistas acreditam que as trajetórias sociais das mulheres — e não qualquer condicionamento biológico — tornem sua conduta como líderes também diferentes. ...

Leia mais
Paulo Sérgio Pinheiro. Presidente da Comissão de Inquérito sobre a Síria falou sobre crimes de guerra do Estado islâmico no país Foto: PIERRE ALBOUY / REUTERS

Armar o povo: atentado contra o Estado

Na reveladora reunião do dia 22 de abril, no Palácio do Planalto, difícil é escolher qual das falas é mais grave e ameaçadora em relação ao constitucionalismo democrático em vigência aqui, desde 1988. Há de tudo, para os mais variados crimes. O presidente da República, em sua verborragia, dá vazão a grande número de ideias que passam por sua cabeça sem nenhuma lógica discursiva. O que mais me horrorizou, lendo de uma perspectiva do Estado e dos direitos humanos, é o trecho em que o presidente propõe o armamento da população, que aqui reproduzo em parte: – (…) O povo está dentro de casa. Por isso que eu quero, ministro da Justiça e ministro da Defesa, que o povo se arme! Que é a garantia que não vai ter um filho da puta aparecer para impor uma ditadura aqui! Que é fácil impor uma ditadura! Facílimo! Um bosta de um ...

Leia mais
Tony Tornado durante o V Festival Internacional da Canção, em 1970.  Foto: Arquivo / Estadão

Hoje na História o cantor e ator Tony Tornado completa 90 anos

Tony Tornado, nome artístico para Antonio Viana Gomes, comemora seu aniversário de 90 anos de idade nesta terça-feira, 26. O E+ relembra alguns momentos da história e da carreira do ator e cantor ao longo das décadas. Após ter trabalhado como porteiro de uma boate e servido o exército, que deixou em 1963, começou a ficar conhecido por suas imitações do cantor norte-americano Chubby Checker, chegando inclusive a ser conhecido como Tony Checker por algum tempo. " conheci o Wilson Simonal, quando ainda era secretário de Carlos Imperial, que na época tinha um programa na TV Continental chamado Os Brotos Comandam", contou Tony Tornado ao Estadão em 1970. Em 1966, o cantor passou a integrar o conjunto de Ed Lincoln, onde ficou por um ano. Na sequência, acompanhou o grupo Coisas do Brasil em uma excursão de 7 meses aos Estados Unidos. Sem dinheiro sequer para pagar seu hotel, ...

Leia mais

Funk, reprimido na rua e ignorado na escola

Tese demonstra que professores — como a maioria da população — desconhecem e têm preconceito pelo ritmo, apreciado por quase 70% dos alunos. Não exploram a rica possibilidade de usar essa referência musical na educação Por Rogério Pelizzari, do Outras Palavras Imagem: Guilherme Rolfsen Após a tragédia na madrugada de 1 de dezembro, que deixou nove mortos na favela de Paraisópolis, multiplicaram-se manifestações em apoio à atuação da polícia entre autoridades e populares. O Governador de São Paulo tratou de esclarecer, antes de qualquer apuração sobre o episódio, que as ações ostensivas seriam mantidas. Nas redes sociais, pipocaram mensagens que tratavam de responsabilizar as próprias vítimas, sob o argumento de que aqueles não eram nem lugar, nem horário e nem trilha sonora para pessoas de bem. Parece óbvio que não podemos ignorar os problemas decorrentes da realização de eventos que atraem multidões, especialmente em espaços públicos ...

Leia mais
arquivo pessoal

Queimem os livros

Weintraub e Damares preferem lutar contra moinhos de vento a formular políticas sérias Por Thiago Amparo, da Folha de São Paulo Thiago Amparo (Arquivo pessoal) “Vê agora por que os livros são tão odiados e temidos? Eles mostram os poros no rosto da vida. As pessoas acomodadas só querem rostos de cera, sem poros, sem pelos, sem expressão.” Este é um dos meus trechos favoritos do livro “Fahrenheit 451” de Ray Bradbury. Publicado em 1953, o livro narra uma sociedade distópica onde livros são proibidos, constantemente queimados por esquadrões de bombeiros. Distopia cada vez mais presente nos dias atuais. O problema de viver em uma distopia é perceber seu caráter irritantemente repetitivo. Quiçá até entendiante. Aos poucos privilegiados o bastante pra se arrogarem o lugar de espectadores, resta morrer de tédio antes de morrer de autocracia. Repetimos o que ocorre na Hungria e Polônia. Desde que ...

Leia mais
Edgar Morin no Sesc Pinheiros, em São Paulo Lucas Seixas/Folhapress

Seguimos como sonâmbulos e estamos indo rumo ao desastre, diz Edgar Morin

Para um dos maiores filósofos vivos, humanidade deve tomar consciência da incerteza do futuro e de seu destino comum Por Úrsula Passos, da Folha de São Paulo Edgar Morin no Sesc Pinheiros, em São Paulo (Foto:  Lucas Seixas/Folhapress) Edgar Morin é um dos mais importantes e relevantes pensadores vivos. Prestes a completar 98 anos, em julho, segue escrevendo e expondo ideias em conferências em universidades e eventos. O francês de origem judaica é um grande intelectual público, sempre disposto a participar do debate, seja ele sobre o conflito na Palestina, cinema, transgênicos, aquecimento global ou imigração. Morin deve boa parte de seu sucesso ao pensamento complexo, conceito defendido por ele segundo o qual o conhecimento só é possível pela transdisciplinaridade. Essa ideia impactou o pensamento sobre educação no mundo todo. Tanto que, em 1999 foi convidado pela Unesco a escrever um livro explicitando as modificações que ...

Leia mais
Página 1 de 7 1 2 7

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist