Presidente do Senado firma compromisso com o movimento negro contra o pacote de Sérgio Moro

David Alcolumbre, presidente do Senado, garante que haverá a participação do movimento negro nos debates  sobre o pacote de Sérgio Moro que serão promovidos no Senado

Por Pedro Borges, do Alma Preta 

 Matheus Alves / Alma Preta

Cerca de 50 organizações do movimento negro participaram de agenda com o presidente do Senado, David Alcolumbre, para debater pacote anticrime do ministro da Justiça, Sérgio Moro, além do decreto sobre a flexibilização de porte de armas. O encontro aconteceu na manhã do dia 12 de Junho, em Brasília.

O presidente do Senado garantiu participação do movimento negro durante as audiências que serão feitas para debater o pacote de segurança na casa. Alcolumbre disse que o Senado não colocará em votação o projeto na velocidade planejada pelo poder executivo e afirmou que, em conversas com juristas, percebeu uma série de aspectos presentes na proposta não são justos.

“Eu faço uma avaliação positiva do encontro. O presidente do Senado disse estar comprometido com a nossa pauta e afirmou trabalhar para ouvir a sociedade e retirar uma série de pontos importantes do projeto ”, afirmou Beatriz Lourenço, integrante da Uneafro Brasil.

No encontro, David Alcolumbre trouxe o exemplo de outros pactos que construiu com diferentes movimentos sociais, caso dos indígenas e das centrais sindicais, para destacar que honrará o compromisso assumido.

Durante o diálogo, as organizações do movimento negro colocaram demandas importantes da luta antirracista. Os dados do Atlas da Violência, que apontaram para 65.602 assassinatos, com 75,5% das vítimas negras, foram recordados durante a reunião, bem como o encarceramento em massa, a violência contra mulheres negras e a criminalização do funk e das religiões de matriz africana. Além disso, uma carta foi entregue com a relação de reinvindicações feitas pelas organizações presentes.

O encontro também contou com a presença dos senadores Randolfe Rodrigues (REDE- Líder), Paulo Rocha (PT-PA) e o deputado federal Orlando Silva (PC do B-SP).

Orlando Silva acredita que a agenda foi “extraordinária” e acha fundamental que outras incidências como essa sejam importantes para a defesa dos interesses do povo negro.

“Os senadores e deputados às vezes legislam distante da ‘vida real’. É importante trazer os movimentos sociais para cá para esse tipo de incidência”, argumentou.

Mais cedo, o movimento negro fez uma reunião na liderança do PT do Senado, com parlamentares e assessores que também ofereceram apoio às demandas enviadas pelas organizações presentes.

Leia o documento na íntegra.

 

 

Leia Também:

Entidades do movimento negro defendem rejeição do pacote anticrime do governo

+ sobre o tema

para lembrar

9 verdades e 1 mentira para Rafael Braga

Por Juliana Borges Do Revista Fórum 1. Rafael Braga foi preso...

Estudo mostra que maioria da população paraense é formada por negros

Estado colonizado por portugueses, negros e índios, o...

A Guerra Racial de alta letalidade

Denúncias contra o Estado brasileiro na ONU, na Organização...

Religiosos pedem fim de preconceito no dia de Iemanjá

No dia em que se celebra Iemanjá e os...
spot_imgspot_img

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Massacre de Paraisópolis: policiais militares têm segunda audiência

O Tribunal de Justiça de São Paulo retoma, no início da tarde desta segunda-feira (18), o julgamento dos 12 policiais militares acusados de matar...

Câmara do Rio de Janeiro promove encontro entre familiares de vítimas da violência do Estado

Pela primeira vez, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro promoveu o “Café das Fortes” que reúne mães e familiares de vítimas do genocídio...
-+=