#PrimeiroAssedio e #MeuAmigoSecreto: a primavera feminina (ou feminista!)

Há poucos minutos li em algum lugar que o uso de hashtags como ferramenta de mobilização pública é uma modinha desnecessária. Meu pensamento foi: muita calma nessa hora! De fato, a ferramenta em alguns momentos não retrata a realidade, foi o caso do #SomosTodosMacacos, #SomosTodosTaís e #SomoTodosMaJu, amplamente utilizadas por pessoas que queriam provar seu não-racismo, mas que, no entanto, pouco diz da vida social, rotineira e da estrutura social, aos quais estamos todos submetidos. Aliás, nada foi tão horrendo quanto o reforço do preconceito racial em #SomosTodosMacacos.

Enviado por Pâmela Guimarães da Silva via Guest Post para o Portal Geledés 

Mas não generalizemos. Generalizações são, por natureza, estúpidas, incorrem no erro da PREconcepção. Ou seja, é a base do preconceito.

Os dois movimentos: #primeiroassédio e #meuamigosecreto‬ são maravilhosos. Pela sua necessidade de existência, óbvio, mas como marcas simbólicas da verdadeira primavera feminina (ou feminista, como queiram). Explico: em ambos os casos a ferramenta permite que o relato chegue a mais de um bilhão de usuários dos sites de redes sociais. É um movimento catártico para a vítima e seus algozes. Mais que isso, o movimento proporciona a derrubada dos primeiros (e maiores) obstáculos das vítimas: a vergonha e o silêncio.

Mas chamar de primavera feminina (ou feminista) é um pouco exagerado, não? Não! Só se combate o que existe, e há certo acordo social tácito, por meio do qual invizibiliza-se os assédios e os preconceitos sofridos pelas mulheres. Os relatos surgem, justamente, como uma subversão desse acordo. Ainda que em muitos casos os nomes dos algozes não sejam citados, temos que reconhecer o brilhantismo e o poder hermêutico desses movimentos.

#primeiroassédio e #meuamigosecreto‬  não são apenas relatos, são marcas simbólicas de um movimento de subversão de preconceitos de gênero (e sexualidade). São floradas.

Sobre a Autora

Pâmela Guimarães da Silva: Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais. E-mail: [email protected]

+ sobre o tema

Campanha Homem de verdade não bate em mulher – Por Cidinha da Silva

O Banco Mundial, por meio de sua representação no...

Dia Nacional de Luta contra a Violência à Mulher relembra manifestação histórica

Data foi instituída em 1980; desde então, brasileiras têm...

‘Quando chegava a hora da penetração, aquilo sempre me destruía’

‘Sempre senti dor e mal estar na penetração. Procurei...

Equidade de gênero no mercado de trabalho vai demorar 80 anos, indica estudo

Apesar do aumento de mulheres no mercado de trabalho...

para lembrar

Destaque da Vai-Vai Alexandra Loras fala sobre racismo: ‘Ricos veem negros como empregados’

Alexandra Loras, consulesa da França, foi destaque do abre-alas...

Estudante defende TCC sobre reconhecimento da beleza da mulher negra em quilombo no Pará

Durante mais de dois anos, a estudante promoveu oficinas...

Por um feminismo autocrítico e consciente

Precisamos lidar de maneira diferente com as manifestações machistas...

Defender Maria da Penha é defender a vida das mulheres, os direitos humanos e a democracia

Maria da Penha está sendo ameaçada de morte. Foi necessário...
spot_imgspot_img

Marcha das Mulheres Negras vai às ruas de Salvador nesta quinta (25) por reparação e bem viver

No Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, 25 de julho, Salvador será palco da Marcha das Mulheres Negras por Reparação e Bem...

Kamala Harris pode ser 1ª mulher negra e asiático-americana a liderar chapa; entenda

A vice-presidente Kamala Harris tem o apoio do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para se tornar a próxima candidata presidencial democrata. Caso seja nomeada,...

Alaíde Costa: “Atingi um novo patamar de maturidade artística”

Prestes a completar 89 anos, Alaíde Costa prova que o tempo não é apenas um marcador cronológico, mas um parceiro que anda ao lado moldando e...
-+=