Professor diz que obra de Carolina Maria de Jesus não é literatura e provoca embate no RJ

Em homenagem à escritora Carolina Maria de Jesus, tida como uma das maiores referências da literatura negra e periférica, professor disse que ela não faz literatura. Sua obra, “Quarto de Despejo”, é leitura obrigatória para o vestibular da Unicamp

Da Revista Fórum

A Academia Carioca de Letras promoveu, na última segunda-feira (17), uma homenagem a Carolina Maria de Jesus, ex-catadora, moradora de favela, que na década de 60 ficou conhecida mundialmente ao lançar o livro “Quarto de despejo”.

O que era para ser uma homenagem, no entanto, tomou contornos de embate por conta da fala do aclamado professor de literatura Ivan Cavalcanti Proença, que disse que a obra de Carolina não pode ser considerada literatura.

Em sua fala, Proença argumenta que a obra de Carolina Maria de Jesus tinha mais características de um diário e que, o diário que não é ficcional, não carrega literatura. “É o relato natural e espontâneo de uma pessoa que não tinha condições de existir por completo”, afirmou. Ele ainda completou: “Ouvi de muitos intelectuais paulistas: ‘Se essa mulher escreve, qualquer um pode escrever’”.

Na homenagem, estava presente a poeta negra Elisa Lucinda, que protestou.

 

“Desculpe, Ivan, mas é literatura sim! Eu não gosto de música sertaneja, mas não posso dizer que não é música”, afirmou, usando ainda trechos da obra de Carolina para comprovar a literatura presente em suas palavras. “Diga ao povo brasileiro que eu queria ser escritora, mas não tinha dinheiro para comprar um editor” e “Quem inventou a fome são os que comem” foram os trechos citados.

Carolina Maria de Jesus é tida como uma das maiores referências da literatura negra e periférica do país. “Ela é a mais necessária e visceral flor do lodo”, escreveu, sobre Carolina, Carlos Drummond de Andrade. Quem também enxergava literatura na ex-catadora era Clarice Lispector, que foi ao lançamento de seu livro. Para Clarice, Carolina escrevia “de verdade”.

No início deste mês a Unicamp anunciou que “Quarto de despejo”, de Carolina Maria de Jesus, será leitura obrigatória no vestibular de 2018.

 

+ sobre o tema

Um grito de desabafo

Naquela manhã de dezembro, a aluna de 52 anos,...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal...

A favela não venceu

O exemplo de sucesso como mensagem de opressão Por Startup...

Recuo de Feijão em relato de racismo durante jogo da Davis tranquiliza Argentina

A Associação Argentina de Tênis (AAT) acredita… Do Uol A Associação...

para lembrar

Racismo deve ser comprovado em processo

Fonte: Conjur -   Toda acusação de racismo...

“‘Torto Arado’ reflete passado escravagista mal resolvido”

Em 2018, o geógrafo Itamar Vieira Junior decidiu inscrever...

Cerca de 2,5 mil alunos ingressarão na UFMT por cotas

Aprovado em novembro de 2011, após muitas discussões entre...

Lançada campanha ‘Racismo Mata!’

O Genocídio da Juventude Negra é um termo utilizado...
spot_imgspot_img

Marca de maquiagem é criticada ao vender “tinta preta” para tom mais escuro de base

"De qual lado do meu rosto está a tinta preta e a base Youthforia?". Com cada metade do rosto coberto com um produto preto,...

Aluna é vítima de racismo e gordofobia em jogo de queimada na escola

A família de uma adolescente de 15 anos estudante do 9º ano do Colégio Pódion, na 713 Norte, denunciou um caso de racismo e preconceito sofridos...

Atriz Samara Felippo presta depoimento em delegacia sobre caso de racismo contra filha em escola de SP

A atriz Samara Felippo chegou por volta das 10h desta terça-feira (30) na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância, no Centro de São Paulo. Assista o...
-+=