Um dia histórico para o Movimento das Mulheres

Ontem foi um dia histórico para o Movimento de Mulheres. Pela primeira vez os homens estiveram de maneira consistente, envolvidos nas discussões contra a violência que vitima de maneira dramática as mulheres no Brasil.

Por Mônica Francisco Do Jornal Do Brasil

O cenário foi o auditório da Secretaria de Estado de Assistência Social e  Direitos Humanos no edifício da Central do Brasil.A presença dos homens é fundamental para sensibilização deste problema, conforme ressaltaram as anfitriãs, Maria Margarida Ellembogem Pressburger Subsecretária de Políticas para as Mulheres e Adriana Mota, Superintendente de Enfrentamento a Violência Contra a Mulher.

Na composição da mesa de debates, Paulo Borges da ASPLANDE (assessoria à mulheres empreendedoras populares na região metropolitana), Marcos Rodrigo  do Banco do Preventório em Niterói, Daniel Pulido do Banco Mundial, apoiador de ações como o ônibus lilás que faz atendimento às mulheres de maneira itinerante, Leandro Tick, grafiteiro e Rafael Velasco, advogado e parceiro da ASPLANDE (Assessoria e Planejamento para o Desenvolvimento). Quatro homens que vem trabalhando ao lado de mulheres no enfrentamento das desigualdades de gênero, em áreas como o trabalho cooperativo e associativo, a cultura hip-hop e o grafite, no direito e na qualificação de empreendedoras na gestão de sue negócios.

A platéia contou também com um considerável número de homens que enfrentam de perto essa violência. Policiais que exercem posição de comando estiveram presentes e participaram de maneira ativa nos debates, mostrando a importância de se prepara cada vez melhor as tropas para intervir nas situações mais difíceis e de maneira mais eficiente.

Adriana Mota mencionou dois exemplos importantes desse enfrentamento, como a ação desenvolvida pelo 31° Batalhão na Região Serrana, que dispõe de policiais que atuam vistando as residências de mulheres que estão sob medida protetiva^, para evitar aproximação do violador. Citou ainda a volumosa quantidade de ocorrências atendidas pelo 190, chamada de emergência para a polícia, onde as que se destinam à violências contra a mulher, serem a segunda maior causa de acionamentos no estado.

Houve uma troca muito rica entre os participantes e as participantes do evento, em que questões importantes como a necessidade de se escutar mais as mulheres, olhar com mais cuidado os números e dados referentes à esse tema,  dos quais dispõe a polícia militar, como por exemplo as ações que não chegam às delegacias , pois se resolvem no próprio e que dariam à sociedade e aos pesquisadores uma miro clareza e um olhar mais aprofundado do tema.

Também ressaltou-se a importância de se modificarem as relações familiares no que se refere ao ensinamento de crianças em relação às questões de gênero e os papéis sociais.

Marcos Wolf Cavalcanti, Subsecretário Executivo da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, encerrou ressaltando mais uma vez a importância da presença dos homens nesta luta e na composição com as mulheres nos espaços de enfrentamento às violências de gênero e em seguida houve uma panfletagem na Central do Brasil, com folhetos explicativos e números institucionais de apoio aos casos de violência.

Um triste episódio, foi a proibição por alguns instantes, por parte da Supervia, da panfletagem e da exibição de cartazes que mostravam as estatísticas de mortes femininas no Brasil. É mais do que necessário e urgente, que todas as instituições, órgãos e empresas, bem como toda a sociedade, devem estar imbuídas de um espírito combativo no que se refere à violência contra a mulher, principalmente àquelas onde elas são mais violadas, que são nos meios de transporte coletivos.

“A nossa luta é todo dia. Favela é cidade. Não aos Autos de Resistência, à GENTRIFICAÇÃO, à REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL , ao RACISMO, ao RACISMO INSTITUCIONAL, ao VOTO OBRIGATÓRIO, ao MACHISMO, À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER e à REMOÇÃO!”

+ sobre o tema

Designer cria a ‘Barbie normal’, com estrias e espinhas

Desde que foi apresentada na Feira Anual de Brinquedos...

Aborto não é questão de opinião: um artigo da escritora Clara Averbuck

Publicado no site Lugar de Mulher. A autora, Clara...

Ninfomaníaca 2 e o direito de não ser “curada”

No episódio de ontem, Joe (Charlotte Gainsbourg) lambia as...

Anielle Franco é eleita uma das mulheres do ano pela revista Time

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, foi eleita pela...

para lembrar

Salve as negras pensantes

A história reserva à mulher momentos peculiares. Historicamente, em...

Embranquecimento e Colorismo: estratégias históricas e institucionais do racismo brasileiro

(na foto abaixo, 4 dos diversos personagens negros históricos...

Campeã mundial, Rafaela Silva fica com o bronze no Pan de Toronto

Rafaela Silva é uma das atletas mais consistentes da...

Angela Davis nos dá esperança!

Ontem, 23 de outubro de 2019, Angela Davis realizou...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=