Quem algemou Valéria Santos?

Uma negra acorrentada num fórum no Brasil, hoje, sendo essa advogada, é o retrato da normatização da escrotidão sobre uma etnia e nos põe a todos na mira do atraso, nos atola na triste conclusão de que a escravidão não acabou. Valéria não infringiu a lei, não é bandida e foi detida no trabalho ao defender sua cliente, a negra ré.

Por Elisa Lucinda Do Jornal do Brasil

(OAB-RJ/Reprodução)

Vemos a face de sua dignidade, a certeza de estar legalmente correta em pleno exercício da profissão e, para nosso enjoo e espanto, a indiferença, a omissão e a anuência de seus colegas com esta barbárie que é o racismo contemporâneo brasileiro. (Ó triste frase, ainda existe?) Escrevo em pensamento e caminho por dez minutos na Copacabana que me expõe doze moradores de rua (contei).

Espalhados nas calçadas, nos quarteirões do bairro que amo. Todos corpos negros, mais da metade jovens em idade escolar. Doença, desamparo, alcoolismo, crack, abandono, humilhação, fome. Todos abaixo da linha da dignidade, chafurdados no cuspe da exclusão. Passeio entre refugiados, neste campo de concentração imenso no qual o Brasil se tornou. Muitos sobreviventes deste holocausto estão nas ruas, ou nas carceragens, ou na bandidagem. E quem repara?

Todo dia se mata na favela. Vidas negras importam? A quem? Nem reconhecemos como holocausto a tragédia carnificeira que comandou o tráfico de gente pelos oceanos durante quatro séculos! Algum mecanismo aconteceu em nossas cabeças que somos um país que não se comove diante do extermínio da nossa juventude negra, mas é capaz de chorar copiosamente vendo o diário de Anne Frank. Uma dor não é maior do que a outra.

Porém afirmo que, por ignorância da nossa verdadeira história, não nos comovemos com a escravização. Uma tal artimanha psicossociológica despregou da fé o tema.

Uma pessoa é capaz de não permitir que sua filha se case com um negro, de sair com a sua “escravinha” vestida de branco a tiracolo aos domingos, de mantê-la na senzalinha sem janela, conhecida como dependência de empregada, de passar a vida achando que é maior do que os outros porque tem mais dinheiro, e isso não ameaçar um milímetro de sua fé!

Por que discriminar, explorar, dispor do corpo negro, seja como mercadoria, assédio, feminicídio ou extermínio mesmo, não é pecado? E patrões e empregados, comendo comidas diferenciadas e separados? Por que não comemos todos na mesma mesa?

Neste momento em que tento digerir as violentas imagens da “irmã” humilhada, me agrada a ideia de que ao mesmo tempo nunca o racismo foi tão percebido. Estamos estreando esta verdade. Tem gente só percebendo agora. Melhor.

Está pegando mal não ter um negro na equipe, na festinha, nas selfies. Graças às nossas lutas e aos últimos governos legítimos que nos proporcionaram ótimas políticas de inclusão, o Brasil é outro.

Narrativas negras começam a ter poder em diversas plataformas e o que sempre ocorreu está chegando na mesa da Casa Grande para ser mais do que um incômodo, ser mudança de atitude. Democrata não dá. Nem há chances de cristão racista ter vida boa na eternidade, eu soube. Portanto, ainda que seja para limpar a barra diante da fúria de um justo e propagado Deus, ou seja, ainda que para salvar a própria pele, é melhor que se curem já.

Tal prática nos apodrece, mina nossas possibilidades de paz. Dra. Valéria foi humilhada, algemada e não teve a defesa dos seus pares que a tudo presenciaram, omissos. Pois lhes digo: a atitude desses senhores é metáfora irmã de muitas de nossas ações.

Quem me lê agora e em sua prática cotidiana não resolve o dilema torto da nossa história, está cego ao seu horror, e cada um, direta ou indiretamente, algemou Valéria ontem. Se omitiu ao não defendê-la. E continua distribuindo sua dose de injustiça como se inocente fosse. Grite, Angela Davis: “Não basta não ser racista. É pouco. É preciso ser antirracista.”

+ sobre o tema

Prazo para UNA é prorrogado: primeira etapa encerra-se em 10 de abril

ONU Mulheres, Womanity Foundation e BrazilFoundation lançam mapeamento para Plataforma...

Maria da Penha recebe prêmio Franco-Alemão de Direitos Humanos

Brasileira está entre os homenageados em primeira edição da...

Zileide Silva é a +Admirada Jornalista Negra de 2023

Em clima de muita festa, descontração e alegria, foram...

Deputada Leci Brandão recebe medalha “Ruth Cardoso”

Leci Brandão recebeu no dia 26/3, a Medalha Ruth Cardoso,...

para lembrar

O machismo sutil de quem nos cultua – Por: Marília Moschkovich

Na luta feminista, há muito espaço para os homens....

No Rio, ONU Mulheres promove debates sobre gênero, racismo, maternidade e tecnologia

Ativistas, pesquisadoras, blogueiras, “youtubers” e artistas agitaram o Museu...

Pré-candidata à presidência dos EUA, Hillary Clinton lança vídeo de apoio ao casamento gay

Pré candidata à presidência dos EUA, Hillary Clinton lançou nesta quarta-feira...
spot_imgspot_img

Brasil registra um crime de estupro a cada seis minutos em 2023

O Brasil registrou um crime de estupro a cada seis minutos em 2023. Com um total de 83.988 casos de estupros e estupros de...

Mortalidade materna de mulheres pretas é o dobro de brancas e pardas, diz estudo

Mulheres pretas têm quase duas vezes mais risco de morrer durante o parto ou no puerpério que mulheres pardas e brancas, segundo um estudo da Unicamp (Universidade Estadual...

Plataforma Mães Negras debate impactos do peso na vida profissional

A Plataforma Mães Negras do Brasil, startup (empresa emergente) de impacto social, cujo objetivo é a promoção do desenvolvimento socioeconômico de mães negras, promove nesta quarta-feira...
-+=