Quilombolas denunciam racismo institucional e perseguição a servidores no Incra de Sergipe

Conaq acusa superintendência regional de negar acesso a créditos da reforma agrária por comunidades quilombolas

Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq) prepara uma denúncia contra a atual gestão da superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Sergipe por racismo institucional e perseguição a servidores.

“Estamos organizando uma audiência na Comissão de Direitos Humanos da Câmara [dos Deputados], vamos fazer essa denúncia no Conselho Nacional de Direitos Humanos, e também queremos levar à Corte Interarmericana de Direitos Humanos não só a situação de Sergipe, mas a paralisação das políticas em todo o Brasil”, afirma Biko Rodrigues, coordenador da Conaq.

A reportagem entrou em contato com a superintendência do Incra em Sergipe, que rechaçou as alegações e apresentou sua versão sobre cada um dos temas citados. Confira resposta na íntegra ao final desta matéria.

Contexto

Sergipe foi o primeiro estado a incluir quilombolas como beneficiários da política de crédito da reforma agrária, a partir de uma portaria assinada pelo Incra nos últimos meses de governo Dilma Rousseff (PT), em abril de 2016.

O pagamento começou a ser feito no ano seguinte e serviu de exemplo para implementação em outras regiões do país.

Entre os primeiros beneficiados, estavam famílias do território Mocambo, em Porto da Folha, a 185 km da capital Aracaju, que receberam R$ 5,2 mil para a aquisição de bens de primeira necessidade.

Créditos como esse foram concedidos em 17 estados até setembro de 2020, quando a política foi interrompida, já no governo Jair Bolsonaro (sem partido).

Biko Rodrigues ressalta a gravidade dessa paralisação em plena pandemia de covid-19, que acentuou a fome e a pobreza no Brasil.

“O crédito é a liberdade do agricultor. Ele dá condições para que os quilombolas possam melhorar sua produção, comprar sua farinheira, melhorar sua qualidade de vida”, exemplifica.

Quilombolas de Sergipe costumam plantar feijão, mandioca e hortaliças, além de criar animais. O desmonte de programas de aquisição de alimentos pelo Estado atinge diretamente essas comunidades.

“O agricultor não quer nada de graça, só quer que o Estado lhe forneça condições para produzir seu alimento, e o excedente para comercialização. Estamos vivendo uma crise de alimentos no país e, se o crédito tivesse chegado no momento certo, talvez muitas famílias não estariam passando fome”, acrescenta Rodrigues.

A superintendência regional do Incra diz que, para autorização do crédito, é necessário “que o território seja titulado ou que o Incra tenha emitido o Contrato de Concessão de Direito Real de Uso (CCDRU) das terras.”

Segundo a última versão da Base de Informações Geográficas e Estatísticas sobre Indígenas e Quilombolas, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 51 dos 75 municípios de Sergipe têm localidades quilombolas.

Com o 5º menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) entre 27 estados brasileiros, Sergipe possui ainda 90 localidades quilombolas fora de territórios oficialmente delimitados.

A denúncia

O fim do pagamento de créditos, há pouco mais de um ano, coincidiu com a paralisação dos processos de regularização fundiária, de acordo com a Conaq.

A superintendência do Incra nega ter havido paralisação e diz que “possui 24 processos de regularização de territórios quilombolas em diferentes fases, desde a elaboração de relatórios técnicos de identificação e delimitação até a fase de desintrusão.”

Desintrusão é a retirada de quem se apossou de um imóvel ilegalmente ou sem autorização do proprietário.

Lideranças quilombolas de Sergipe relataram a sensação de abandono no último dia 4, em uma audiência com o Ministério Público Federal (MPF), com servidores do Incra e com o representante da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe (Alese), deputado Iran Barbosa (PT).

Nessa reunião, o MPF reafirmou que o pagamento de créditos da reforma agrária a quilombolas é legal e deve ser retomado imediatamente – assim como os processos de regularização fundiária e licenciamento ambiental.

Se não houver iniciativa da parte do Incra, a procuradora Lívia Tinoco informou que pretende ajuizar uma ação civil pública para garantir o cumprimento da Constituição.

“No dia seguinte [à audiência], cedinho, o superintendente do Incra pegou um avião e foi a Brasília tentar amarrar politicamente a perseguição dos servidores que vinham autorizando o pagamento de créditos em Sergipe. Alguns deles, inclusive, estavam na audiência do dia 4”, relata o coordenador da Conaq.

Ainda segundo Biko Rodrigues, este mês os servidores que autorizaram o pagamento de créditos a quilombolas no estado foram alvo de processos na Controladoria-Geral da União (CGU) e até de denúncias na Polícia Federal.

Brasil de Fato aguarda acesso aos documentos para confirmar o teor dos processos, o número e o nome dos servidores investigados.

Para a Conaq, esses processos são uma tentativa de desencorajar o cumprimento da Constituição e da Arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) 742 – que recomenda que o Incra avance na garantia de direitos das comunidades quilombolas mesmo na pandemia.

“O que a gente tem percebido é um racismo institucional na execução dessa política, promovido pela atual gestão do Incra em Sergipe, e a criminalização judicial dos servidores que pagaram crédito a famílias quilombolas”, ressalta Rodrigues.

“A atual gestão não sabe trabalhar o desenvolvimento dessa política e está pouco se lixando se vai para frente ou não. Mas, para agradar o chefe maior – o Bolsonaro, que é contra a política quilombola –, eles estão nessa caça às bruxas.”

Em 2017, Bolsonaro fez declarações ofensivas a quilombolas e prometeu lutar contra a demarcação de terras.

“Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada. Acho que nem para procriador ele serve mais”, disse o então pré-candidato, durante palestra no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro (RJ).

“Pode ter certeza que, se eu chegar lá [na Presidência], no que depender de mim, não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena ou para quilombola.”

Ao usar o termo racismo institucional, a Conaq considera que a atual gestão do Incra em Sergipe não vê os quilombolas como público merecedor de créditos nem como sujeitos de direitos.

“A acusação de racismo institucional está ligada à forma com que o superintendente [Victor Sande] tem tratado os quilombolas. Quando os quilombolas vão ao Incra, ele trata na rua. Os fazendeiros, ele recebe no gabinete”, explica o coordenador da Conaq.

“Em outros estados, também não está andando a regularização fundiária, mas a gente não tem visto perseguição como no estado de Sergipe.”

Outro lado

Brasil de Fato apresentou as críticas e questionamentos à superintendência do Incra.

Confira a resposta na íntegra:

“A acusação de racismo institucional não procede, visto que a Superintendência Regional do Incra em Sergipe não suspendeu as ações relativas à regularização fundiária de territórios para comunidades remanescentes de quilombos no estado.

A regional possui 24 processos de regularização de territórios quilombolas em diferentes fases, desde a elaboração de relatórios técnicos de identificação e delimitação até a fase de desintrusão.

É necessário esclarecer que no período da pandemia, iniciado em 2020 e ainda vigente, as atividades de campo foram inicialmente suspensas e posteriormente retomadas com restrição a fim de reduzir a disseminação do coronavírus.

Em que pese a restrição orçamentária para a aquisição onerosa de imóveis rurais particulares com vistas à destinação de terras para as comunidades quilombolas, a atual gestão da regional em Sergipe promoveu diversas ações desde agosto de 2020, destacando-se por exemplo:

 – Operacionalização, acompanhamento e fiscalização da concessão de modalidades do Crédito Instalação em seis comunidades;
– Publicação dos Relatórios Técnicos de Identificação e Delimitação (RTID) das comunidades Terra Dura/Coqueiral (Capela) e da Bongue (Ilha das Flores), atualmente em fase de contestação, conforme a Instrução Normativa Incra nº 57/2009;
– Pedido de expedição de quatro Títulos de Domínio de imóveis situados no território Lagoa dos Campinhos e Serra da Guia, com área total de 103,6811 hectares;
– Elaboração de edital de georreferenciamento, para fins de titulação, incluindo 18 imóveis rurais inseridos em territórios (Serra da Guia, Lagoa dos Campinhos e Mocambo), com área total de 2.196,24 hectares e perímetro de 83,77 km;
– Desapropriação e imissão na posse de um imóvel rural para a comunidade Serra da Guia, com área de 551,9106 hectares, avaliado em R$ 2.547.790,43;
– Destinação e titulação das Ilhas da Criminosa e da Lagoa às comunidades Brejão dos Negros e Ilha da Lagoa, respectivamente.

Em relação à política de crédito, o instituto esclarece que a possibilidade de inclusão das comunidades remanescentes como beneficiárias do Programa Nacional de Reforma Agrária tem como marco administrativo a exigência de que o território seja titulado ou que o Incra tenha emitido o Contrato de Concessão de Direito Real de Uso (CCDRU) das terras. Tal entendimento segue o disposto na Portaria INCRA/MDA nº 175, de 19 de abril de 2016, e no PARECER nº 00011/2016/CGA/PFE-INCRA-SEDE/PGF/AGU.

Desta forma, nem todas as comunidades no estado estão aptas a acessar as modalidades do Crédito Instalação, ofertado pelo Incra aos beneficiários da reforma agrária. É preciso reafirmar que a política de pagamento de créditos não está paralisada, mas está restrita aos territórios que possuem CCDRU ou Título de Domínio (TD), que são: Serra da Guia (Poço Redondo), Mocambo (Porto da Folha), Brejão dos Negros (Brejo Grande), Pontal da Barra (Barra dos Coqueiros), Pirangy (Capela) e Lagoa dos Campinhos (Amparo do São Francisco).

A instauração de procedimentos de fiscalização da concessão de Crédito Instalação para comunidades remanescentes no estado por parte da Auditoria do Incra e da Controladoria-Geral da União (CGU) não constituem perseguição ou assédio. Constituem na verdade medidas importantes de verificação da regularidade, legalidade, eficiência e eficácia da gestão dos recursos públicos. Neste sentido é importante lembrar que todas as ações do Incra estão sujeitas à avaliação, monitoramento e fiscalização por parte da unidade interna e dos órgãos externos de controle.

Também é inverídica a acusação de que o atual superintendente regional do Incra no estado pratique racismo institucional. Em nenhum momento o gestor deixou de prestar esclarecimentos e informações sobre as ações do instituto, tendo recebido representantes ou membros das comunidades quilombolas conforme disponibilidade na agenda.

Em relação à afirmação de que o superintendente recebeu os quilombolas na rua, é preciso afirmar que um grupo de mais 60 pessoas compareceu à regional para solicitar audiência com o gestor. Considerando as restrições no atendimento ao público impostas pela pandemia de covid-19 e em conformidade com os cuidados necessários a fim de reduzir o risco de contaminação, o superintendente realizou uma conversa inicial no estacionamento da unidade, dada a impossibilidade de receber todos no gabinete. Como a reunião não foi agendada previamente, possibilitando a preparação de espaço e disponibilização de máscaras e álcool em gel, o gestor atendeu grupos reduzidos por comunidade nas instalações da superintendência.

Por último, a gestão do Incra em Sergipe reitera que está agindo e entregando à sociedade as políticas públicas devidas dentro da estrita legalidade e com total responsabilidade.”

+ sobre o tema

Minicurso abordará história das religiões afro-brasileiras

As religiões afro-brasileiras, que foram introduzidas na cultura brasileira...

Movimento negro com mais peso no Valongo

Comitê do cais toma posse com dez entidades de...

Uma lista para 365 dias de consciência negra

Uma lista para 365 dias de consciência negra. CERTA VEZ,...

para lembrar

História, tradição e cultura dos quilombolas

O fotógrafo paulistano André Cypriano registrou imagens incríveis da...

Fibria tenta seduzir quilombolas com projeto de agricultura

  Uma reunião no Centro de Operação da...

10 estratégias de manipulação da mídia – Noam Chomsky

As grandes estratégias da manipulação midiáta por Noam Chomsky   1....
spot_imgspot_img

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Google celebra James Baldwin, escritor e ativista dos direitos civis

O Google está prestando uma homenagem a James Baldwin, renomado escritor e ativista dos direitos civis americanos, conhecido por suas obras literárias que abordam temas...

Caixa paga novo Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 4

A Caixa Econômica Federal paga nesta terça-feira (23) a parcela de janeiro do novo Bolsa Família aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS)...
-+=