Racismo e Juventude é tema de seminário

Texto: Nara Pessoa
Foto: Web / Érika Nunes / TJPA

Das 535 mil crianças de 7 a 14 anos que estão fora da escola 350 mil são negras; 60% dos estudantes que cursam faculdade são brancos e apenas 23% são negros; as crianças negras têm 50% mais chances de morrer na primeira infância do que as brancas. Dois terços, ou seja, 70% dos adolescentes que cumprem medidas socioeducativas são negros. Os negros que conseguem romper a barreira da desigualdade esbarram na dificuldade de ocupar lugares de brancos mesmo tendo qualificação similar.

Esse panorama estatístico no Brasil foi apresentado, nesta quinta-feira, 18, pela psicóloga e integrante da Comissão de Psicologia e Relações Raciais, do Conselho Regional de Psicologia, Ana Carolina Franco, durante o II Seminário da Infância e Juventude: Discutindo Políticas Públicas, realizado no auditório do Fórum Cível de Belém.

Segundo a psicóloga, esse números “são os feitos do racismo que implicam na juventude”. O encontro abordou, principalmente, a violência e a desigualdade social ocasionadas pela falta de concretização das políticas públicas direcionadas a crianças e adolescentes.

Ana Carolina também ressaltou a necessidade de políticas sociais para negros, brancos, homens e mulheres. “Não é apenas uma questão da raça, mas também da relação de classe e gênero. Mesmo entre os pobres brancos há uma disparidade em relação aos negros da mesma condição social, inclusive de acesso ao mercado de trabalho, de acesso à escolarização. Então, não há como pensar que a relação racial não pese nesses processos de desigualdade”, ressaltou.

Pedro Paulo Bicalho, doutor em psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ),  que fez parte dos debates sobre violência, direitos Humanos e juventude, explicou que o problema da violência está em uma série de pontos, entre os quais, a precariedade da educação, a falta de políticas raciais e os problemas familiares. “Isso pode ser visto quando a gente analisa os dados de quem são essas pessoas que hoje cumprem medidas socioeducativas. Eles são em sua grande maioria pessoas negras, são em sua grande maioria pessoas com baixas escolaridades, com o mesmo nível socioeconômico e que habitam espaços populares bem diferente de outros. Então, não podemos pensar que tudo isso não são meras coincidências, afirmou Bicalho.

Rita Dias, especialista em Arteterapia e socioeducadora da Fundação Estadual de Atendimento Sócio-Educativo (Fasepa), participou da discussão e também falou do perfil dos menores infratores com os quais trabalha, desenvolvendo oficinas de artesanato e pintura. “Dos adolescentes que eu trabalho na internação, a grande maioria são negros e pardos, moram na capital, as famílias são de baixa renda, os meninos são de baixa escolaridade e não conseguem enxergar uma ascensão social pela sua condição de pobreza”.

A educadora também falou da dificuldade de se trabalhar com esse público. “É um esforço muito grande que a gente tem para estimular o retorno para a vivência educacional desses adolescentes porque a maioria das pessoas não acredita neles. Não adianta a gente construir leis belíssimas se a gente não faz delas a nossa prática”, desabafou a socioeducadora.

O encontro foi promovido pela Escola Superior da Magistratura (ESM), Coordenadoria Estadual da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça do Pará (CEIJ/TJPA) e Conselho Regional de Psicologia do Pará e Amapá (CRP 10ª Região).

 

Fonte: TJPA

+ sobre o tema

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

para lembrar

ADPF das Favelas: falas de Jacqueline Muniz, Daniel Hirata, Michel Misse e mais

A audiência pública sobre a ADPF 635, conhecida como...

A ostentação negra incomoda

Ostentar significa “alarde, exibição vaidosa, vanglória”. Qualquer um pode...

E se Roberto Jefferson fosse negro e pobre?

Em outubro celebramos os 200 anos da morte de...

Porque queremos olhos azuis? por Lia Vainer Schucman TEDx SaoPaulo Salon

Porque queremos olhos azuis? por Lia Vainer Schucman. Lia fala...
spot_imgspot_img

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...
-+=