Racismo Estrutural – entenda o que significa

Enviado por / FonteDo Canal Preto 

Racismo Estrutural no Brasil não é à toa. O Brasil foi o último país do continente americano a abolir a escravidão. Até 130 anos, os negros traficados eram mantidos em condições subumanas de trabalho, sem remuneração e debaixo de açoite.

Quando, no papel, a escravidão foi abolida, em 1888, nenhum direito foi garantido aos negros. Sem acesso à terra e a qualquer tipo de indenização ou reparo por tanto tempo de trabalho forçado, muitos permaneciam nas fazendas em que trabalhavam ou tinham como destino o trabalho pesado e informal. As condições subumanas não se extinguiram.

Maria Sylvia, presidente do portal Geledés, e Helena Teodoro, voluntária Instituto de Filosofia e Ciência Sociais – IFCS, explicam como o racismo se estruturou no Brasil, durante e após a escravidão, e como a imagem do negro foi associada à vadiagem, ao subalterno, ao sujo. Não à toa, as tarefas mais árduas, as piores remunerações e as formas mais cruéis de castigo ainda são reservadas aos pretos.

Participantes: Maria Sylvia de Oliveira, Advogada e Presidente do Geledés; Helena Teodoro, Primeira doutora negra do país e Voluntária do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais – IFCS.

Racismo Estrutural – transcrição do vídeo (legenda)

Até 1888 eramos trabalhadores escravizados, mas trabalhávamos. A partir daí, somos vistos como preguiçosos, que não gostamos de trabalhar, vadios…

O racismo institucional existe e atua dessa forma na vida das pessoas negras, porque existe o racismo que foi se estruturando ao longo do final do século 19 até o que a gente presencia hoje.

Nós tínhamos até 1888, um regime de escravidão: uma escravidão, que era justificada através de teorias científicas, que dizia não que os negros eram de raça inferior. E por conta disso a possibilidade de você escravizar pessoas, abaixo de tortura e de muita violência – porque a escravização é isso!

Quando o Brasil percebe, o estado brasileiro percebe, que não vai ter jeito, que ele vai ter que acabar com a escravidão, ele começa a tomar uma série de medidas, inclusive legislativas para possibilitar a marginalização de homens e mulheres, negros e negras.

A gente pode começar por exemplo com a lei que proíbe os negros de estudarem, o ato de império de 1834 era um ato de império que impedia os negros de estudar. Era proibido que os negros estudassem.

Em 1850 você tem a edição do ato de império que eles chamam de lei de terras: as pessoas são proibidas de comprar as terras principalmente os negros e indígenas.

Aí você caminha mais um pouco você tem em 1888 a lei áurea, em 1889 a proclamação da república. Já a partir daí, o estado brasileiro começa a pensar: tá bom e agora quem é que vai trabalhar pra gente?

Os seres humanos são uma espécie só, ele pode ter nascido na mongólia, no pólo norte, no japão, estados unidos ou na américa latina.

O coração é o mesmo, o fígado é o mesmo, a única diferença que existe é a diferenca externa.

A partir daí somos vistos como preguiçosos, que não gostamos de trabalhar, vadios, as mulheres são vistas como prostitutas, hipersexualizadas, ou macumbeiras.

Então já pensando já começa a trazer os europeus, principalmente alemães e italianos para substituir a mão-de-obra escrava.

Muitos desses europeus vêm para o Brasil já recebendo um pedaço de terra, algum dinheiro e animais…

E o que acontece com essa massa de homens e mulheres negros e negras após a abolição da escravatura?

Sem terra, sem educação e sem trabalho…

Em 1890 a república tem as suas primeiras leis penais, dentre elas, a lei de vadiagem, os negros que eram encontrados sem trabalho na rua poderiam ser presos. E você tem a lei do capoeira, que proíbe os negros de jogar capoeira ou de manifestar as suas culturas na rua, porque na verdade o intuíto além de proibir essa manifestação, era proibir o agrupamento, o ajuntamento denegros nas ruas.

É por isso que a gente fala hoje, que tem o racismo, e que ele foi estruturando-se (racismo estrutural).

É preciso inclusive que se veja o trabalho que o ministério público de Pernambuco fez sobre o racismo institucional, mostrando com o nosso poder de polícia sempre foi voltado para manutenção do “status quo” de quem segue os mandamentos da cartilha européia: branco, cristão, macho.

Há uma justificativa ao processo ideológico por trás de ter as prisões brasileiras abarrotada de negros. De ter uma maioria de pobres no país negros…

Esse é um projeto do próprio grupo comandante.

Saiba mais sobre o Racismo Estrutural

+ sobre o tema

Zanin, a corda bamba envergonhada

O problema não é apenas que Cristiano Zanin seja um conservador...

O argumento anti-identitário

Identitarismo virou um palavrão. "O identitarismo é um erro. É...

Ativista acusa centro empresarial de racismo após ser tratado como suspeito, em Salvador

O gestor de projetos Márcio de Oliveira Desidério, de...

para lembrar

(Não) Deu branco! Uma declaração sobre a conveniência da branquitude

por Joyce Souza Lopes "Narram que o negro somente...

Tecnomacumba, 20 anos de axé!

Quando assisti Tecnomacumba pela primeira vez, Ribeiro ainda era o sobrenome...

Sacerdote afro-religioso estava marcado para morrer

Pai José Mário Cavalcante” foi assassinado com 12 facadas. Da TRIBUNA...

Arte para não morrer sem sonhos

A propósito dos 70 anos de Itamar Assumpção  Por  Maria...
spot_imgspot_img

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...
-+=