Racismos contemporâneos

Será lançada no próximo dia 9 no Plenário da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal a publicação Racismos contemporâneos, realização da Takano Cidadania e Ashoka Empreendedores Sociais que reúne um pouco da vasta produção crítica que vem sendo desenvolvida, na obscuridade, pelo conjunto da militância negra deste país. É isso que o livro representa: mais uma contribuição na direção da quebra do silêncio e da invisibilidade a que tem sido historicamente submetida a crítica que o pensamento negro vem engendrando sobre as relações raciais no Brasil.

Por Sueli Carneiro

A primeira questão que o livro coloca de imediato no título é o rompimento com os eufemismos com que se tenta amenizar a realidade de exclusão de natureza racial a que os negros se acham submetidos no Brasil. Explicitar o racismo é recusar o que a nossa tradição cultural instituiu como um não-dito. A nossa etiqueta social se compraz em evitar essa palavra, que virou sinônimo de mau gosto. E, nesse sentido, Racismos contemporâneos incide sobre os paradigmas de invisibilidade ou indiferença com a questão racial.

Mas, sobretudo, reflete o engajamento de novos setores sociais a uma concepção antiga dos movimentos negros nacionais: a de que a resolução da questão racial no Brasil não é problema apenas dos negros, mas elemento estrutural da sociedade brasileira que exige o posicionamento de todo agente social comprometido com os rumos do país. Sinaliza que, de fato, a ética é uma ótica. E é essa ótica que orienta a visão política da Ashoka na sua busca intencional do empreendedor social negro para integrar a sua fellowship. E no seu esforço de, mediante publicações como essa, visibilizar o protagonismo de sujeitos do conhecimento e sujeitos políticos contra-restando com a postura corrente de não-reconhecimento do protagonismo político negro.

Como afirma Célia Cruz, diretora da Ashoka Brasil no prefácio do livro, ‘‘com a publicação de Racismos contemporâneos, reunindo textos de onze integrantes de sua rede de empreendedores sociais no Brasil, a Ashoka pretende contribuir para ampliar ainda mais esse debate, que deve mobilizar todos os setores da sociedade. Problema a ser considerado quando da elaboração de políticas públicas, o racismo deve, também, constituir preocupação constante em nossa vida cotidiana, para que não compactuemos nem com privilégios nem com preconceitos presentes há décadas na rotina de vida dos brasileiros. Privilégios e preconceitos esses que tentam legitimar a concentração de riqueza e a exclusão da maioria com a manutenção da injustiça social”.

Reflete também a emergência de nova dimensão da responsabilidade social de empresas que já não temem associar o nome aos temas silenciados, o que se expressa na vontade política da Takano Cidadania em contribuir para o rompimento da conspiração do silêncio que caracteriza o tratamento do problema do racismo em nossa sociedade apoiando essa e outras publicações com esse recorte. Sugestivamente, o livro inaugura a Coleção Valores e Atitudes, da Takano Cidadania, assentada numa perspectiva ética assim descrita por Antônio Takano, presidente do Conselho de Administração do Grupo Takano: ‘‘Quando lançamos a Coleção Valores e Atitudes, prometemos aos nossos parceiros e à sociedade como um todo que nossas publicações tratariam de conteúdos e experiências capazes de provocar uma reflexão sincera que orientasse a tomada de decisões dos gestores públicos e privados em direção a um desenvolvimento com justiça social….Com a edição deste livro de ensaios, redigido por 11 pensadores e militantes sociais que atuam em áreas diversas, todos abordando a dimensão do racismo contemporâneo, esperamos que a pauta política da desigualdade racial tome corpo e consistência para que seja enfrentada com a coragem e a urgência que milhões de brasileiros necessitam”.

O lançamento do livro, precedido do debate sobre políticas públicas e questão racial com membros do governo e do Senado, sinaliza fortemente para os gestores públicos a nova compreensão que emerge na sociedade e a expectativa de vê-la refletida nas políticas públicas. Enfim, ao lado das práticas discriminatória consagradas, surgem novos territórios de resistência e combate às práticas seculares de exclusão.

A emergência das novas parcerias representa um novo pacto de co-responsabilidade entre negros e setores racialmente hegemônicos para a solução das desigualdades raciais e para a construção de novos paradigmas de sociabilidade, respeito mútuo e participação democrática no país. As parcerias que viabilizam a iniciativa afirmam que cada um, do interior de sua especificidade, pode encontrar maneiras de dar a sua cota para a promoção da igualdade racial. Basta apenas a firme decisão de trair o racismo deixando de compactuar com as perversidades sociais que ele produz.

+ sobre o tema

Trote: “Cheguei em casa me sentindo um lixo”

Uma ex-aluna da Universidade Federal de São Carlos relata...

Sobre ser negro e gay

Certa vez me perguntaram qual identidade foi mais difícil...

O machismo cordial dos videogames brasileiros

Com poucas mulheres trabalhando, a indústria do videogame no...

para lembrar

Quando a misoginia pauta as críticas ao governo Dilma

Capa sexista de 'Isto É' coroa momento em que...

As dicas de livros, filmes e viagens de Aline Midlej

Aline Midlej nasceu no Maranhão, no seio de uma família...

Quem são as juristas negras apontadas como possíveis nomes para ocupar a cadeira de Rosa Weber no STF?

Ellen Gracie Northfleet, Cármen Lúcia Antunes Rocha e Rosa Maria Pires Weber....

Carrie Fisher: ‘Não seja uma escrava como eu fui’

Estreia do novo título da franquia Star Wars levou...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=