Rafael Sanzio Araújo dos Anjos, geógrafo: “A geografia da escola não reflete a realidade”

Baiano Rafael Sanzio Araújo dos Santos participou de roda de conversa no Museu do Amanhã, no Rio, sobre territorialidade e resistência afro-brasileira

POR LUÍS GUILHERME JULIÃO, do O Globo

“O pensamento de que os quilombos são parte apenas do Brasil imperial ou colonial tem que ser desmistificado. O quilombo é passado, mas sobretudo presente”, diz o geógrafo Rafael Sanzio Araújo dos Anjos. – Fernando Lemos / Agência O Globo

“Tenho 56 anos e nasci em Santo Antônio de Jesus, no Recôncavo da Bahia, onde cresci em contato com referências africanas. Na faculdade, comecei a questionar a geografia que me era ensinada . Hoje sou professor titular da Universidade de Brasília e responsável pelo projeto Geografia Afro-brasileira”

Conte algo que não sei.

Nossa cultura de espaço é parca e num país continental como o Brasil isso merece atenção especial. Há uma distância entre a geografia francesa e outras importadas que aprendemos na escola e a geografia real brasileira, que é invisibilizada, minorizada. E isso é ruim tanto para nossa cidadania quanto para as conexões dos nossos mapas mentais.

Por que é importante dar mais atenção à geografia?

Temos mapas mentais que ativam conexões e nos permitem circular, mudar caminhos e evitar vícios. Isso começa numa escala micro, dentro de casa. Usar sempre o GPS ou sentar todo dia no mesmo lugar na escola ou trabalho é vicioso. Quando mudamos, criamos outros planos e pontos de vista para o cérebro e isso é bom para estimular essas conexões.

A geografia é desvalorizada?

Nossa cartografia oficial é da década de 60 e 70. Tem uma parte da amazônia que começou a ser mapeada só nos últimos três anos. Isso mostra o quanto estamos defasados. A geografia já foi mais evoluída na Colônia e no Império e vem decaindo na República. Antes, o IBGE era uma autarquia e produzia estudos geográficos, e não apenas dados.

Por que a geografia da escola não reflete nossa realidade?

O Brasil é o que é, do ponto de vista da estrutura político-territorial, em função de resistências, conflitos e apropriações territoriais da matrizes europeia, africana e indígena. O preconceito com a fauna e a flora dos trópicos e os medos da malária e da febre amarela, fazem parte de uma hostilização maior em relação aos habitantes dos trópicos. Isso tudo é geográfico e não nos é ensinado devidamente. Então fica difícil respeitar nosso ambiente e composição. Se não valorizamos todos, ficamos sempre com uma pendência de compreensão.

E esse ensinamento vem decaindo?

O Brasil produz pouquíssimos estudos geográficos senão na academia. O bairro em que nascemos, o fluxo na rua, as plantações, desmatamento, isso tudo é dinâmico. E essa dinamicidade requer pesquisa, monitoramento. O país faz pouco disso. Na escola, a geografia perdeu muito com a introdução dos estudos sociais, que juntaram a área com a história. O pensamento de que os quilombos são parte apenas do Brasil imperial ou colonial tem que ser desmistificado. O quilombo é passado, mas sobretudo presente.

Por que os quilombos não são passado?

Muitos quilombos continuaram rurais e as periferias de grandes metrópoles como Rio, Salvador, Recife e São Paulo eram permeadas por eles. As cidades cresceram, se espalharam e abraçaram essas localidades. Os quilombos estão presentes nas cidades brasileiras, são contemporâneos, e o urbanismo não considera isso. O Cais do Valongo, por exemplo, maior porto escravista da América, faz parte de um Brasil invisível e pouco se ensina sobre ele.

Qual o lugar do negro no território brasileiro?

Na exclusão, na invisibilidade. Quem mora na favela e quem mora na Zona Sul? Isso não sou eu que estou dizendo, é o que o espaço revela. Isso não só não se traduz na geografia como a questão dos quilombos tem que ser tratada com mais seriedade. Eles precisam ser vistos como componentes reais da estrutura social brasileira. Portanto, merecem mais respeito e a resolução de suas demandas.

 

+ sobre o tema

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

Aos ‘parças’, tudo

Daniel Alves da Silva, 40 anos, 126 partidas pela...

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

para lembrar

Racismo atinge jogadores brasileiros, que aprovam até boicote a Copa do Mundo

Atletas contestam penas brandas, como multas e estádios fechados,...

PEDRA DO SAL HOMENAGEIA CARTOLA NO DOMINGO

  Pedra do Sal, local importante para a...

A falsa democracia racial. Por Luiz Zanin

  Luiz Zanin,   Acordamos assustados com a...
spot_imgspot_img

As Ações afirmativas em tempo Espiralar: (re)existência, luta, palavra e memória

“A voz de minha bisavó ecoou criança nos porões do navio, ecoou lamentos de uma infância perdida. A voz de minha avó ecoou obediência...

Espelho, espelho meu… Na bolinha dos olhos, há alguém mais preto do que eu? O colorismo como elemento de divisão da negritude e da...

Ao menos nos últimos dez anos, ocorre um fenômeno em meio ao universo intelectual e militante do movimento negro brasileiro, que é a retomada...

Dois anos sem Moïse

No mês de janeiro a morte do refugiado congolês Moïse Mugenyi Kabagambe completará dois anos. Moïse foi vítima de uma agressão brutal que o...
-+=