Rapper Thaíde relembra 30 anos de carreira comentando letras marcantes em livro

Obra é uma parceria com o jornalista Gilberto Yoshinaga, biógrafo do músico

no R7

Algumas das crônicas, opiniões, lutas e histórias que recheiam as músicas do rapper e apresentador Thaíde, que está completando três décadas de carreira, foram reunidas em um livro que contextualiza as letras com a época em que foram gravadas. Deste modo, conta também como foi a história do rap brasileiro, pela ótica de um dos seus protagonistas.

taide

O livro “Thaíde: 30 anos mandando a letra”, da editora Novo Século, foi escrito em parceria com o escritor e jornalista Gilberto Yoshinaga. A obra traz 30 letras de rap comentadas e contextualizadas para o leitor conhecer e entender as diferentes circunstâncias e reflexões que inspiraram a criação. O prefácio do livro foi escrito pelo cantor Chico César.

No domingo, 28, Thaíde e Yoshinaga participam de uma sessão de autógrafos do livro, na  24ª Bienal Internacional do Livro, a partir das 16h, na Arena 1. A bienal acontece no pavilhão de exposição do Anhembi, na avenida Olavo Fontoura, 1.209. O ingresso, no domingo, custa R$ 25.

Confira a entrevista com o autor Gilberto Yoshinaga sobre a parceria com o rapper Thaíde. Yoshinaga também é o autor do livro o “Nelson Triunfo: Do Sertão ao Hip Hop”, publicado pela editora Shuriken.

R7: Das 30 canções selecionadas para serem comentadas no livro, a maioria é do começo da carreira do Thaíde ou fazem parte da produção mais recente dele?

Gilberto Yoshinaga: Há letras de todas as fases da carreira do Thaíde, ou seja, dos seis álbuns e uma coletânea lançados com o DJ Hum e dos trabalhos lançados em carreira solo. Inclusive, a última letra do livro é inédita, de uma canção chamada “Hip-hop puro”, que vai sair no novo álbum previsto para breve pela Apenas Produções – disco que se chamará Vamo que vamo que o som não pode parar!

R7: Temas como violência policial, política e corrupção estão no livro? Ao longo da carreira, como oThaíde tratou as questões políticas?

Gilberto Yoshinaga: Sim, inclusive “Homens da lei”, escrita em 1987 e lançada no ano seguinte, foi o primeiro rap brasileiro a falar abertamente sobre a violência policial. Acredito que Thaíde também trata de corrupção e muitas outras questões políticas sem ficar no âmbito institucional, sem fazer discurso burocrático. Esses temas ficam evidentes nas entrelinhas de poesias que descrevem o cotidiano periférico, a vida do povo brasileiro, o racismo, as desigualdades sociais etc. O mais interessante é que Thaíde nunca se limitou apenas a chorar as mazelas ou rebelar-se contra elas. Sempre se preocupou em também mostrar as causas históricas desses problemas e, principalmente, apontar possíveis soluções, com injeções de autoestima, informações sobre História e mensagens positivas de incentivo ao estudo, ao trabalho honesto, ao respeito mútuo.

R7: Qual a parte mais difícil no processo de contextualização das letras? Na sua opinião, como autor, qual das músicas antigas continua atual?

Gilberto Yoshinaga: Acredito que a parte mais difícil foi escolher apenas 30 letras em um universo de quase 100 composições e ter de deixar algumas ótimas poesias de fora. A seleção de letras foi feita pelo Thaíde, eu só dei alguns pitacos e sugestões (rs)… Muitas letras que não couberam no livro são igualmente interessantes e relevantes, como “Revolução”, “Ninguém sabe” ou “Lata de lixo”, só para mencionar algumas. Infelizmente muitas músicas antigas que abordam problemas sociais ainda continuam atuais quase 30 anos depois. É o caso de “Homens da lei”, por exemplo, que fala sobre as arbitrariedades da polícia e sobre como ela trata as pessoas de forma diferenciada – é gentil nos bairros nobres e truculenta nas periferias. Ou “Brava gente” e “Desabafo de um homem pobre”, que falam sobre as inúmeras dificuldades enfrentadas pela imensa maioria de trabalhadores honestos que moram nas periferias. Ou, ainda, “Afro-brasileiro” e “Negro d+ pra você”, que abordam a questão do racismo e da perseguição a alguns aspectos da cultura afro-brasileira – o candomblé, por exemplo, que é a religião do MC.

R7: O livro com o comentário das letras do Thaíde é uma obra que complementa a biografia que vai sair logo mais? Como surgiu a ideia de desmembrar a análise das letras da biografia?

Gilberto Yoshinaga: Fui contratado para escrever a biografia, que deve ser lançada no início de 2017. Mas o Thaíde e a Ana Paula (esposa e produtora) já tinham a ideia de também fazer um livro de letras comentadas. No meio do processo percebi que tinha tudo a ver, pois as letras mostram o próprio Thaíde narrando seus pensamentos e experiências de vida, e não a interpretação de uma outra pessoa. Ao colher as histórias de vida de Thaíde, percebi que muitas delas realmente se entrelaçavam com suas criações poéticas. E o livro de letras foi tomando forma de maneira bem natural. Escrevê-lo até me ajudou a organizar a elaboração da biografia. Até gosto de brincar que são “livros gêmeos”, pois ambos se complementam.
O livro de letras se prendeu mais ao âmbito poético, da criação artística, enquanto a biografia traz relatos mais pessoais, histórias de vida. Mas há episódios que estão no livro de letras e ajudarão o leitor a entender a biografia, e vice-versa. É uma relação interessante entre as duas obras.

R7: O Thaíde sempre ampliou a pauta de assuntos no rap. Ele foi pioneiro em vários temas. O livro fala disso também? Quais temas?

Gilberto Yoshinaga: Com certeza, Thaíde foi pioneiro em muitas coisas! Como já mencionei, ele fez o primeiro rap a falar abertamente sobre violência policial (“Homens da lei”), isso em um momento em que a ditadura militar mal tinha acabado. “Noite” foi o primeiro rap brasileiro a ter um refrão r&b cantado por uma mulher. “Soul do hip-hop” foi o primeiro rap brasileiro a mencionar e homenagear Nelson Triunfo e Funk & Cia. “Afro-brasileiro” foi o primeiro rap escrito em homenagem à luta de Zumbi dos Palmares, em 1995, ano em que se lembravam os 300 anos de sua morte – ou “imortalidade”, como Thaíde prefere mencionar. E, se formos observar sua polivalência artística, ele também foi um dos primeiros a misturar rap com outros gêneros musicais (gravou com bandas de rock, funk e metal ainda no início dos anos 1990), um dos primeiros nomes do rap a ir para a televisão, o cinema, a publicidade, o jornalismo… E agora, aos 30 anos de carreira e prestes a completar 49 de idade, Thaíde segue trabalhando e inovando. Segue mandando a letra!

+ sobre o tema

Faremos Palmares de novo

O ano de 1988 foi marcado por experiências significativas...

Hoje na História há 100 era lançado o Samba “Pelo Telefone” composta por Dunga

O primeiro samba da história da música, Pelo Telefone, comemora...

Netflix deve lançar versão africana de Sex and the City

É preciso admitir: "An African City", a mais recente...

para lembrar

Hemetério José dos Santos: o primeiro professor negro do Instituto de Educação

O CMEB (Centro de Memória da Educação Brasileira) do...

“Macacos” faz últimas sessões dias 30 e 31 de outubro

Depois de se apresentar em diversos festivais e ganhar...

Com protagonistas mulheres e negras, filme “Garotas” discute amizade feminina

A primeira cena de "Garotas", drama francês que estreia...
spot_imgspot_img

Grávida, Iza conta que pretende ter filha via parto normal: ‘Vai acontecer na hora dela’

Iza tem experienciado e aproveitado todas as emoções como mamãe de primeira viagem. No segundo trimestre da gestação de Nala, fruto da relação com Yuri Lima, a...

‘Bad Boys 5’ já está sendo discutido, afirma produtor

‘Bad Boys: Até o Fim‘ estreou há apenas uma semana, mas um 5ª filme para a franquia estrelada por Will Smith e Martin Lawrence já está sendo discutido. A...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...
-+=