Reação contra o genocídio coloca mais de 50 mil nas ruas

Marcha movimentou pelo menos dez estados e teve repercussão em 15 países

Jorge Américo e José Francisco Neto,

De São Paulo

Era um final de tarde de sexta-feira, 22 de agosto, temperatura agradável e ar razoavelmente fresco. Os meios de comunicação anunciavam discretamente as dificuldades enfrentadas pelos motoristas que tentavam trafegar por pontos movimentados das principais capitais do país. Mas pouco se falou que o incômodo gerado por mais de 50 mil pessoas significava a retomada da articulação do movimento negro em âmbito nacional.

A 2ª Marcha Nacional contra o Genocídio do Povo Negro movimentou pelo menos dez estados e teve repercussão em 15 países. O protesto teve seu ponto forte em cidades como Salvador, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Vitória, Belo Horizonte, Porto Alegre e Manaus, com passeatas que alteraram a rotina dessas regiões.

Em São Paulo, cerca de 3 mil pessoas compareceram ao vão do Museu de Artes de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, para participar da manifestação.

Douglas Belchior, professor de história e integrante da UNEafro Brasil, avalia que a marcha foi um momento histórico para o movimento negro no país. Ele lembra que a iniciativa surgiu da Campanha Reaja Ou Será Morto, organizada pelo coletivo Quilombo X, da Bahia.

“A gente precisa continuar nesse clima de rearticulação dos grupos do movimento negro e a grande tarefa é pautar o Estado. Fazer com que o Estado reconheça na prática o genocídio e dê respostas a esses problemas que é um dos maiores que a gente vive no país hoje, que é o genocídio do povo negro”, explica.

marcha-contra-o-genocidio_Dário-Oliveira_Folhapress

Genocídio feminino

Em São Paulo, a Marcha percorreu as principais vias da região central e teve encerramento aos pés do Teatro Municipal. O prédio histórico foi rebatizado pelos movimentos e desde então passou a ser chamado simbolicamente de Cláudia Silva Ferreira, trabalhadora que teve o corpo arrastado por um carro da Polícia Militar no Rio de Janeiro, depois de ser baleada em um tiroteio.

O genocídio da população negra, na maioria das vezes, é lembrado pelo extermínio da juventude nas periferias, muitas vezes cometido por policiais militares. Mas a história de Claudia também está inserida nesse contexto, como avaliam mulheres integrantes de organizações do movimento negro.

“Quando a gente olha, por exemplo, para o índice da saúde pública, há um índice de mortes maior entre as mulheres negras. Uma mulher negra tem muito menos atendimento durante a gravidez, por exemplo, quando ela vai fazer o tratamento pré-natal, do que uma mulher branca”, lembra Beatriz Lourenço do Nascimento, integrante do movimento Levante Popular da Juventude.

A interpretação de Katiara Oliveira, integrante do movimento Kilombagem, vai na mesma direção . “O genocídio que atinge a mulher negra, no físico mesmo, está no racismo institucional na Saúde, onde a gente verificou já há alguns anos que a mulher negra morre sete vezes mais no parto do que as mulheres brancas”, afirma.

Pesquisa recentemente publicada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) aponta que de 46,3% das mulheres negras de 25 anos ou mais nunca fizeram exames de mama na vida, contra 28,7% entre as brancas.

O genocídio em números

O Mapa da Violência 2014, divulgado no mês passado, mostra que uma verdadeira carnificina ceifa a vida de milhares de pessoas. As vítimas têm em comum a cor da pele, faixa etária e classe social.

Em 2012, 54,5% das vítimas de homicídio tinham entre 15 e 29 anos. Outro dado aponta que em dez anos, de 2002 a 2012 – período analisado pelo estudo –, a taxa de mortes entre brancos caiu 24,8% (de 19.846 para 14.928). Já entre os negros, neste mesmo período, cresceu 38,7% (de 29.656 para 41.127).

O Mapa da Violência detalha que, em 2002, enquanto os homicídios entre os brancos eram de 21,7 por 100 mil brancos, a dos negros era de 37,5 por 100 mil negros. Morreram, portanto, 73% mais negros do que brancos.

O estudo conclui que neste período de dez anos não houve alteração no que se refere a políticas públicas para resolver esse problema, e chama a atenção para uma “crescente seletividade social dos que vão ser assassinados”.

Mortos pela PM

O índice de homicídios analisado pelo Mapa da Violência, no entanto, não especifica as mortes que foram causadas por policiais militares. Os PMs assassinaram, no período entre 1995 e abril deste ano, 10.152 pessoas, segundo o levantamento feito pelo portal Ponte.org.

Nesses 19 anos, foram 8.277 mortes  provocadas por PMs durante o trabalho de policiamento e outros 1.875 casos fora do serviço oficial – a maior parte em “bico” (serviç0o extra-corporação) de segurança particular ou em situações como brigas de trânsito, de bar, entre vizinhos, crimes passionais etc.

Um estudo feito pela Ufscar (Universidade Federal de São Carlos) – “Desigualdade Racial e Segurança Pública em São Paulo” – que analisa as mortes cometidas por policiais entre 2009 e 2011, demonstra que a faixa etária e a cor de pele das vítimas não diferenciam da pesquisa feita pelo Mapa da Violência. O estudo apontou que as vítimas são predominantemente negras (61%), homens (97%) e jovens, entre 15 e 29 anos de idade.

 

Fonte: Brasil de Fato

+ sobre o tema

Sem defesa legítima

Durou o tempo de um Brasil inteiro até o...

Racismo no futebol vai parar na ONU

    Cansados de observar repetidos atos de racismo contra jogadores...

Nota de pesar: Jane Beatriz Silva Nunes

GELEDÉS-Instituto da Mulher Negra, vem manifestar seu pesar pela...

para lembrar

O racismo no futebol francês

A igualdade é branca Os franceses lembram-se com...

Unicamp começa a adotar sistema de reserva de cotas

Cursos de pós-graduação da área do Instituto de Filosofia...

“Pantera Negra” pode ser divisor de águas em Hollywood

Desempenho do filme nas bilheterias americanas pode forçar Hollywood...

Técnicos do governo participam de oficina sobre racismo institucional

Vitória da Conquista (BA) - Entre 9 e 11...
spot_imgspot_img

Câncer: racismo aumenta mortes entre população negra, indica estudo

Dados do Ministério da Saúde, levantados por pesquisadores do Rio de Janeiro e divulgados em abril último, demonstram que o acesso ao diagnóstico e...

Censo 2022: taxa de analfabetismo entre pretos e pardos é mais que o dobro da registrada entre brancos

A taxa de analfabetismo entre a população negra é mais do que o dobro da registrada entre os brancos. Enquanto o índice de pretos...

Ministério Público de MG denuncia influenciadora que associou tragédia no RS a ‘terreiros de macumba’

O Ministério Público de Minas Gerais denunciou a influenciadora Michele Abreu por intolerância religiosa, por publicações que associavam a tragédia do Rio Grande do Sul a...
-+=