Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Enviado por / FonteBrasil de Fato

'Do black power ao hip hop': livro da autora estadunidense sobre luta antirracista e feminista ganha edição brasileira

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb). Autora de livros como Pensamento feminista negro e Bem mais que ideias – a interseccionalidade como teoria social crítica, Collins estará em São Paulo em julho, para ministrar um curso para educadoras.  

As inscrições para acompanhar presencialmente a conferência de Collins na capital baiana estão esgotadas, mas é possível acompanhar a transmissão pelo canal da TV Uneb no YouTube.  

Após a palestra e uma reunião com coletivos estudantis, a pesquisadora participa do lançamento do seu livro Do black power ao hip hop: racismo, nacionalismo e feminismo, que em 2023 ganhou, pela editora Perspectiva, publicação para o público brasileiro.  

O livro discute o futuro do movimento negro nos Estados Unidos, em particular do ativismo feminista negro, a partir do momento em que os movimentos Black Power e pelos direitos civis perderam força.  

“Enquanto muitos americanos, brancos e negros, desesperadamente acreditavam que o racismo era coisa do passado, os jovens negros do hip-hop já à época desafiavam essa visão otimista e apontavam as verdades incômodas e ainda atuais”, diz a quarta capa do livro. 

A edição brasileira tem um prefácio e uma entrevista, na qual Collins discorre sobre o momento político do país e o surgimento de uma nova geração de intelectuais negras. Os textos discorrem sobre o debate contemporâneo brasileiro, a emergência de uma nova geração de intelectuais negras e a profunda esperança da autora na potência transformadora dessa produção para o fortalecimento da luta antirracista. 

Collins em São Paulo 

Em julho, na capital paulista, a autora ministra o curso “Interseccionalidade em ação”, organizado pela ONG Ação Educativa com o apoio do Projeto Seta. Gratuita, mas com apenas 20 vagas, a formação acontece de maneira online entre 4 e 11 de julho e presencial no dia 12.  

“Patricia Collins mostra como a construção da ‘mulheridade’ é influenciada por diferentes matrizes de opressão, como raça, classe e gênero, especialmente quando se trata de mulheres negras”, aponta Ednéia Gonçalves, coordenadora-executiva adjunta da Ação Educativa. 

Professora da Universidade de Maryland nos Estados Unidos, Collins também aproveitará a passagem por São Paulo, para visitar a ocupação 9 de julho, do Movimento Sem Teto do Centro (MSTC).  

Neste ano de 2024, a editora Boitempo lançou o livro Democracia para quem?, no qual reúne palestras de Angela Davis, Silvia Federici e também de Patricia Hill Collins. As falas foram feitas durante o seminário “Democracia em colapso?”, organizado pela editora e pelo Sesc São Paulo em outubro de 2019.  

Confira a entrevista exclusiva feita pelo Brasil de Fato com Patricia Hill Collins quando ela esteve no país nesta ocasião: 

+ sobre o tema

para lembrar

Erica Malunguinho: os bastidores da reintegração de posse na Assembleia Legislativa

Primeira deputada estadual trans de São Paulo leva bloco...

Para um novo ano: Livre-se homens que são como âncoras em nossas vidas

Dia desses voltei a assistir Grey’s Anatomy, e percebi que...

Toda feminista é mal amada – Por: Luíse Bello

(Inspirada pelo meu texto publicado  no incrível Think Olga, compartilho com vocês...

Carta aberta de uma executiva negra em dias de pandemia

No próximo dia 13, completaremos 132 anos de abolição...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=