Rodo cotidiano: eu, um motorista, o preconceito e 2 fuzis

Poderia ser apenas mais uma história para ilustrar o rodo cotidiano em uma madrugada qualquer no subúrbio do Rio de Janeiro. Poderia, mas não é. Aconteceu comigo.

Foto: Arquivo Pessoal

 

Por Henrique Rodrigues Enviado para o Portal Geledés 

Sábado. Dia 13/05/17. 04:00h.

Saí de um show e pedi um carro pelo aplicativo. Confirmei a placa, abri a porta do carona, conversei um pouco, confirmei o destino e dormi.

Quando acordei, percebi: estávamos quase na Av. Martin Luther King. Como tem muito assalto naquela região, falei que seria melhor virar à direita, na próxima bifurcação, e entrar na Av. Brasil, mais a frente. Recado dado, virei pro lado. Dormi novamente.

Em um romance, Machado de Assis cria um fictício personagem que, depois de morto, escreve sua própria biografia, onde registra até seus últimos momentos antes de sua morte. Pois então. A partir deste ponto, é assim que eu me vejo: Morto. Mas fora de um romance. Sem valor. Sem mesmo saber quem eu sou. E como Brás Cubas, me torno um “defunto-autor”.

O motorista ao ver um carro da polícia, diminuiu a velocidade e, de repente, fechou os policiais, jogando o carro na frente. E lá estava eu: dentro do carro. Sem reação. Assustado. Ainda tentando entender o motivo do motorista ter parado. E do lado de fora, na minha direção: sirene, farol e dois PMs com seus fuzis engatilhados.

Saí do carro tentando perguntar o que estava acontecendo. Não deu tempo. Pára de falar!! Vira de costas!! Abre as pernas!! Documento!! Tá vindo de onde?! Indo pra onde?!

Depois da revista, informei que não sabia o motivo de estar ali parado. E quando o motorista, pelos policiais, foi questionado, este falou que “achou estranho” eu mudar a rota de destino, já que o GPS vinha indicando o caminho.

Sem acreditar que este era o motivo o “real”, ainda fui informado que da forma como os policiais foram abordados, por pouco teriam atirado.

Depois de receber a “dura”, onde viram que eu não tinha nada que me qualificasse como alguém perigoso, ainda perguntaram se eu queria seguir viagem com o motorista criminoso. Isso mesmo! O mesmo que acabou com minha dignidade, que me tirou a vida.

Respondi que não e, com o resto do que ainda sobrava de mim, fui em busca de um táxi, na Av. Brasil, de madrugada, na altura de Manguinhos.

Consegui um táxi (milagre!). Cheguei em casa. E ali fiquei. Morto. Fora de um romance. Sem valor. Sem dignidade.

No dia seguinte, em casa, ainda morto, vi que a tragédia ocorrida poderia ter sido pior. Pois não me tiraram o que tenho de melhor: minha família. Ali encontrei conforto. Encontrei Valor. Encontrei Vida.

 

+ sobre o tema

Brizola e os avanços que o Brasil jogou fora

A efeméride das seis décadas do golpe que impôs...

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba...

Saiba os horários das provas do Concurso Nacional Unificado

Os mais de 2,5 milhões de candidatos inscritos no...

Aluno africano denuncia racismo em mensagem com suásticas nazistas na UFRGS; polícia investiga

Um estudante africano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul...

para lembrar

Der Spiegel: PM carioca é pior que as gangues

  “Pior do que gangues”. Esta é a...

Por que razão o racismo ainda é uma questão europeia?

Nas últimas semanas, Lilian Thuram, futebolista campeão do mundo...

Delegada indicia funcionário de estande da Editora Abril na Bienal por racismo

Segundo advogado do colégio, alunas foram ofendidas em estande...

Secretário de Haddad diz que disparo contra jovem no Jaçanã foi intencional

Rogério Sottili conversou com parentes e amigos do rapaz...
spot_imgspot_img

Negros são maioria entre presos por tráfico de drogas em rondas policiais, diz Ipea

Nota do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que negros são mais alvos de prisões por tráfico de drogas em caso flagrantes feitos...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...
-+=