Salário de branco pobre é 46% maior do que o de negro pobre

Relatório da ONG Oxfam revela que desigualdades sociais aumentaram no Brasil em 2016 e 2017, com negros, pobres e mulheres ganhando menos

Por Diego Junqueira, do R7

A desigualdade social voltou a aumentar no Brasil nos últimos dois anos, com aumento da pobreza, aumento da mortalidade infantil e aumento da diferença salarial entre homens e brancos ante mulheres e negros.

Os resultados fazem parte de um relatório elaborado pela organização não governamental Oxfam, com sede no Reino Unido. “2017 foi um ano de péssimas notícias para a redução das desigualdades no país, com a aparente consolidação de um recuo histórico”, informa o documento “País Estagnado: um retrato das desigualdades brasileiras 2018”, divulgado nesta segunda-feira (26).

Segundo o levantamento, a diferença salarial entre brancos e negros (um dos indicadores da desigualdade social brasileira) não apresenta avanços há sete anos. “Desde 2011, a equiparação de renda dos negros está estagnada”, diz o texto, assinado pelos pesquisadores Rafael Georges e Katia Maia (veja o relatório na íntegra).

Nappy.com

Usando como base a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o relatório informa que os negros ganhavam em 2016, na média, 57% dos salários dos brancos (R$ 1.458 contra R$ 2.567). Mas essa proporção caiu para 53% em 2017, quando o salário médio de um negro no Brasil era de R$ 1.545 contra R$ 2.924 dos brancos.

O abismo entre brancos e negros se revela tanto nas camadas mais pobres da população quanto entre os mais ricos. Segundo o relatório, o salário de um branco pobre é, na média, 46% maior do que o rendimento de um negro pobre: R$ 965 contra R$ 658.

Entre os mais ricos, os brancos chegam a receber mais do que o dobro do que os negros: R$ 13.754 contra R$ 6.186.

+ sobre o tema

Pelo menos 33 presos são encontrados mortos em prisão em Roraima

Pelo menos 33 presos foram encontrados mortos na manhã...

Abismo salarial entre negros e brancos é o maior desde 2012

Na pandemia, a diferença salarial entre brancos e negros...

YPo’i: fazendeiros envenenam rio utilizado por famílias Kaiowá, acusam indígenas

A Polícia Federal, Força Nacional e Fundação Nacional do...

Como o Facebook pretende acelerar a carreira de profissionais negros?

Segundo o Instituto Ethos, 8 em cada 10 empresas...

para lembrar

Empreendedorismo e Mercado Afro

O mercado afro-brasileiro é um segmento de público que...

Nota Pública #14 – Pela saúde dos mais pobres

Pela saúde dos mais pobres Da Comissão Arns   A Comissão Dom...

Destino da demarcação de terras indígenas volta à pauta nas mãos dos ruralistas

Depois de oito meses de discussão, o relatório da...
spot_imgspot_img

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...
-+=