Samuel L. Jackson critica projetos sem personagens negros e filmes “feitos para o Oscar”

O ator acredita que o cinema em Hollywood deveria ser mais inclusivo.

Por Bruno Carmelo, do Adoro Cinema 

073296
Foto: Walter McBride/WireImage

Está começando uma nova temporada de premiações no circuito cinematográfico americano e, como todos os anos, os críticos, produtores e fãs debatem sobre os “filmes com cara de Oscar”. O Brasil teve uma discussão interessante sobre o tema recentemente, quando o comitê nacional preferiu o melodrama Pequeno Segredo ao multipremiado Aquarius para representar o país na corrida pelo troféu de filme estrangeiro, alegando que Pequeno Segredo teria mais apelo com a Academia.

Agora, um ator bem inserido no sistema, Samuel L. Jackson, acaba de criticar o modo como a indústria seleciona esses filmes. Em entrevista durante o festival de Dubai, ele cita, em especial, Manchester à Beira-Mar e Moonlight, dois favoritos às estatuetas – com o diferencial de que o primeiro é estrelado apenas por atores brancos, e o segundo, apenas por atores negros:

“A política que acontece nessa época do ano é muito interessante em Hollywood. Eles escolhem filmes para dizer que são incríveis e ótimos – como Manchester à Beira-Mar, que dizem ser maravilhoso, imperdível! Mas olha… Talvez seja, para alguém. Mas não é um filme inclusivo, entende? Tenho certeza que Moonlight será visto da mesma maneira. Vão dizer que é um filme de negros. “Onde estão as pessoas brancas?”. Mas eu pergunto a mesma coisa sobre Manchester à Beira-Mar”.

245555-jpg-c_620_260_x-f_jpg-q_x-xxyxx
Manchester à Beira-Mar (à esquerda) e Moonlight (à direita)

Além da questão racial, Samuel L. Jackson critica os “filmes com mensagem”, aqueles cheios de boas intenções, que supostamente chamam mais atenção dos votantes no Oscar:

“Existem esses filmes ‘caça-Oscar’. Eu estava vendo o trailer do filme de Will Smith [Beleza Oculta] e pensei: ‘É sério?’. É mais um desses filmes do tipo ‘Oh meu Deus, a vida é tão bela, vamos parar e cheirar as rosas’.”

Os dois argumentos podem despertar uma boa reflexão. O primeiro, de que projetos com atores brancos são vistos como “normais” e que outros apenas com atores negros são considerados um produto de nicho diz respeito ao racismo e à exclusão em Hollywood. Eles levam à sugestão de que todo filme deveria conter uma pluralidade de raças, assim como na sociedade.

Já a ideia de filmes caça-Oscar continua sendo criticada por diversos atores. Michael Keaton (Birdman), quando perdeu o Oscar para Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo), criticou a predileção da Academia por temas como doenças e lições de vida.

Samuel L. Jackson foi indicado ao Oscar por Pulp Fiction – Tempo de Violência (1994). Ele tem uma série de grandes produções previstas para os próximos anos, incluindo xXx: Reativado, Kong: A Ilha da Caveira, The Hitman’s Bodyguard e Vingadores: Guerra Infinita.

 

+ sobre o tema

Alicia Aylies, Miss França 2017 é vítima de racismo

A jovem foi coroada no sábado, dia 17, mas...

Eles não ligam pra gente!

All I wanna say is that They don't really care...

Skinhead arrependido apaga tatuagens e só quer servir a Deus

Bryon Widner é um skinhead arrependido de seus dias...

Movimento negro denuncia pacote anticrime de Moro à OEA por violações

Quarenta entidades do movimento negro denunciaram o pacote anticrime...

para lembrar

Cotas na UFAL é ‘discriminação positiva’- diz desembargador.

Por: Arísia Barros     São espaços afirmativos...

Número de pessoas mortas pela PM paulista cresceu 138% no 1º trimestre

Dados divulgados pela Secretaria Estadual de Segurança Pública de...

Pobreza e racismo da polícia explicam confrontos na Suécia

Os confrontos violentos que há seis dias abalam a...

Dona de casa é vítima de racismo em ônibus do Transcol

Uma dona de casa foi vítima de racismo...
spot_imgspot_img

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....

Mãe não é tudo igual

- Coloca um casaco, meu filho! - Na volta a gente compra, filha. É bem provável que muitos de nós já tenhamos ouvido alguns desses bordões...

Carta aos negacionistas: comprem um seguro de vida

Senhores negacionistas, Coube à nossa geração viver uma encruzilhada existencial: ou mudamos a forma de nos relacionar e habitar o planeta, ou simplesmente esse planeta...
-+=