Sem Justiça não há paz

Sem justiça não há paz.

por Marcos Romão no MamaPress

O racismo nos EUA e o racismo no Brasil,
nos deixa a todos sentados em um barril de pólvora.

Durante as negociações um dos atiradores, um negro ( tem mais, qual a cor?) antes de morrer falou que estava com raiva do movimento em defesa da vida dos negros ” Black-Lives-Matter”, com raiva dos brancos, principalmente policiais e queria matar tantos policiais quanto possível.

Estava, sozinho, pertencia a alguma organização, fazia parte de um bando de criminosos que se aproveitam do caos? Ninguém sabe ainda.

Mas o certo é que o atirador é um assassino dos mais cruéis, ele matou policiais e ao mesmo tempo feriu o coração de todo um movimento em defesa da vida que é o “Black-Lives-Matter” e todos que lutam pelo fim das mortes provocadas por policiais racistas.

Também é certo que todas as política públicas levadas adiante para diminuir o grau de violência contra os negros em um sistema branco, pouco adiantaram, mesmo tendo um presidente negro.

A raiva expressada pelo atirador, é a mesma raiva que milhões de negros norte americanos carregam. Este é o barril de pólvora em que estão sentados todos os negros e brancos americanos interessados na paz e na possibilidade de convivência pelo menos pacífica.

A raiva do atirador negro, só colocou mais azeite nas fogueiras tanto dos negros que estão cansados de esperar, quanto dos policiais brancos racistas que agora terão desculpas para matar,

A guerra está vencendo e todos os cidadãos norte-americanos, estão diante de uma batalha, em que os que lutam pela vida, terão muitas dificuldades em se fazerem ouvir.

O rastilho da guerra racial está aceso, e não só nos EUA.

Aqui no Brasil, apesar da grande imprensa não falar das dezenas de mortes em nossas esquinas, com a intensidade que descrevem um “único” crime contra um negro americano, aqui também tem os “Black-Lives-Matter” Sem Nomes, que filmam com seus celulares os assassinatos de nossos jovens, mas nem a nossa dor, nem a nossa raiva, merecem alguma linha.

Sou absolutamente contra a violência racial ou qualquer forma, a abomino mais precisamente, mas tenho que reconhecer que ela está aí, está aqui, pois só a polícia do Estado do Rio de Janeiro, matou sozinha no ano passado, quase o mesmo número de todo os Estados Unidos da América.

Nos EUA, as lideranças negras que lutam pela paz, dizem que o Rubicom foi atravessado, e ninguém pode prever o que vai dar. O esforço para manter a paz, terá que ser muito grande.

Aqui no Brasil, nós que lutamos pela paz e pelo fim do morticínio racial, ainda precisamos lutar para que seja reconhecido que existe uma guerra genocida, para que então comecemos a desejar paz de uma forma efetiva.

Mas a história dá saltos, e a violência também e a violência tem o poder de alterar situações que pareciam ser de paz,

O ato deste atirador colocou todas as 3 Américas diante de um fato:
Temos uma guerra racial, mas precisamos reconhecê-la para que tenhamos pelo menos um armistício.

É o que as mães de Costa Barros me disseram, creio que seria o mesmo que minha mãe Aurore, me diria, se ainda estivesse viva.

Só na hora que reconhecerem que estamos aqui, e que estão nos matando, poderemos falar em negociações de paz.

E sem uma justiça igual para nós negros, não há paz para as Américas.

+ sobre o tema

USP pede cancelamento de audiência sobre cotas, dizem ONGs

Encontro com entidades do movimento negro estava marcada para...

“Tem sido incrivelmente corajoso”, destaca Lewis Hamilton sobre Vini Jr.

Conhecido pelo seu ativismo em diversas causas, especialmente o...

‘Nunca vi preto mandar’ – Advogada é condenada a pagar R$ 30 mil por racismo

A Justiça do Trabalho condenou uma advogada a pagar...

para lembrar

spot_imgspot_img

Da neutralidade à IA decolonial

A ciência nunca esteve isenta das influências e construções históricas e sociais do colonialismo. Enquanto a Revolução Industrial é frequentemente retratada como o catalisador...

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...
-+=