Sete em cada 10 secretarias municipais de educação descumprem lei que obriga ensino sobre história e cultura afro-brasileira nas escolas

Enviado por / FonteDo Jornal Nacional, no G1

Das mais de mil secretarias de educação pesquisadas no país, 71% não realizam nenhuma ação nem desenvolvem projetos esporádicos, e apenas 29% têm programas estruturados.

Um levantamento mostrou que sete em cada dez secretarias municipais de educação descumprem parcial ou totalmente a lei que obriga o ensino sobre história e cultura afro-brasileira nas escolas.

Como é ser jovem, com as inseguranças comuns dessa idade, e negro no Brasil?

“Tinha um menino que ficava mexendo comigo todo dia, zoando meu cabelo. Eu até chorava também, porque doía muito isso aí”, relata a estudante Rayane Gislaine, de 16 anos.

“Falaram da minha cor e do meu cabelo. Machuca muito a pessoa, fica traumatizada”, conta Isabelly Ribeiro, a estudante de 13 anos.

Uma lei federal de 2003 estabeleceu a obrigatoriedade do ensino sobre história e cultura africana e afro-brasileira nas instituições de ensino públicas e particulares no país. Mas um estudo mostra que as escolas ainda estão muito longe dessa realidade.

Das mais de mil secretarias de educação pesquisadas no país, 71% não realizam nenhuma ação ou apenas desenvolvem projetos esporádicos. E só 29% têm programas estruturados.

A pesquisadora Suelaine Carneiro diz que a falta de inclusão do tema distorce a realidade.

“Se você falar mais de uma cultura, uma matriz europeia, essa vai ser considerada a cultura, o povo mais preparado. Ou seja, você vai construindo situações de racismo e, principalmente, de hierarquia entre pessoas”, explica.

Em uma escola municipal de Belo Horizonte, o preto não aparece só nos capítulos da escravidão. As rodas de conversas são um momento de descontração, mas trazem reflexões importantes. Os alunos falam sobre livros de autores pretos, trocam ideias a respeito da história, da ancestralidade. Com as discussões, eles ganham mais consciência da identidade e força para ajudar no combate ao racismo.

“A história do Brasil também é feita de África. É impossível pensar uma história brasileira sem que a gente fale dessa construção, que ela é de uma outra construção religiosa, de uma outra construção corporal, que vai estar presente não só nos nossos estudantes, mas na comunidade como um todo”, diz o professor Luciano Jorge de Jesus.

“Ajuda na convivência de nós como pessoas. A escola ensina a gente que todos nós temos um lugar de voz”, diz a estudante Ana Beatriz de Castro.

Lugar de voz e de liberdade.

“Todo mundo é bonito do jeito que é. Não importa a cor, não importa o cabelo. A pessoa é bonita por si só”, afirma a estudante Beatriz Donato.

+ sobre o tema

MEC prevê corte de R$ 300 mi no orçamento de 2023 dos institutos federais

O MEC (Ministério da Educação) prevê para 2023 um...

Enem: dez temas de atualidades que são importantes para a prova

Saber o que está acontecendo no mundo é fundamental...

Yale homenageia menina negra denunciada à polícia por pulverizar insetos invasores

A Universidade de Yale homenageou Bobbi Wilson, uma menina...

Curso Juventudes, Direitos Reprodutivos e Cidadania

No Brasil o debate sobre direitos sexuais e reprodutivos...

para lembrar

Candidatos a professores em SP têm de apresentar exames caros

Testes médicos exigidos de 12 mil candidatos custam mais...

Enem: AGU recorre de decisão da Justiça sobre segunda prova

A Advocacia-Geral da União (AGU) protocolou nesta quinta-feira...

MEC divulga lista dos aprovados no Sisu

Com um dia de antecedência, o MEC (Ministério da...
spot_imgspot_img

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...

Encontro anual do SETA definiu ações e estratégias para uma educação antirracistae emancipatória.

Geledés - Instituto da Mulher Negra participou do planejamento anual Projeto SETA  (Sistema de Educação Por Uma Transformação Antirracista) em Paraty, Rio de Janeiro....
-+=