sexta-feira, outubro 16, 2020

    Tag: orixás

    Assista o filme de super-heróis africanos Oya – Rise of The Orisha,

    Como anunciado o diretor nigeriano Nosa Igbinedion estava produzindo um filme baseado na mitologia iorubá (cujos elementos contribuíram para a formação do Candomblé e demais religiões afro-brasileiras), criando super-heróis africanos. por Richard Christian no HQfan De acordo com a religião Iorubá (povo originário da Nigéria, a que pertenciam muitos dos negros do Brasil) os Orixás são divindades com poderes, responsabilidades e dons específicos. A reverência a eles torna-os mais superiores e poderosos. Há séculos o portal entre o mundo dos mortais e o dos Orixás permaneceu fechada, até agora. O herói Ade, é um dos poucos com conexão com um dos Orixás, a deusa Oyá. Ela tem o trabalho de proteger os inocentes que tentam atingir o portal entre os mundos. Ade deve buscar a chave entre os mundos e batalhar contra as hordas de deuses antigos que querem invadir o mundo dos Orixás. Assim começa o filme "Oya - Rise of The ...

    Leia mais

    Os orixás protegem

    A mãe de santo Conceição d’Lissá resiste à intolerância religiosa com sabedoria por Paulo Cezar Soares  A polícia ainda não tem nenhuma pista da autoria do incêndio criminoso no terreiro de candomblé Kwe Cejá Gbé – A Casa do Criador – da mãe de santo Conceição d’Lissá, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. O crime ocorreu em 26 de junho, durante a madrugada, e foi registrado na 62ª Delegacia de Polícia, em Imbariê, distrito do subúrbio carioca. O fogo atingiu o segundo andar da casa e destruiu teto, móveis, eletrodomésticos, roupas de santos e de integrantes do terreiro. Não é a primeira vez que Maria da Conceição Cotta Baptista, de 53 anos – Conceição d’Lissá – é vítima de ataques. Ela administra o centro em Caxias há 18 anos. E as agressões começaram há cerca de oito. “Já atearam fogo no meu carro, que na época estava quebrado e ...

    Leia mais

    Registrar nomes africanos é mais difícil, por Fabiana Mascarenhas

    Há 22 anos, nascia a primeira filha do compositor, arte-educador e poeta Guellwaar Adún. Conhecedor  da cultura africana e tendo o candomblé como religião, Guellwaar desejava que o nome da sua filha correspondesse aos valores e crenças dele e da mãe da menina. Decidiram, então, que a criança se chamaria Kemi, nome comum na África e que significa "abençoada". Na época, ao tentar registrar a filha, Guellwaar esbarrou em um problema que ainda permanece nos dias atuais: a dificuldade de registrar filhos com nomes africanos. Esteve em três cartórios e, em todos, não só os oficiais de registro se recusaram a registrar a criança, como também tentaram convencê-lo de que seria melhor optar por um nome mais "comum". "Foi algo constrangedor. Tentava explicar que não tinha escolhido esse nome porque o achava bonito, mas porque tinha a ver com a história da minha família, com meus ancestrais, mas foi bem ...

    Leia mais

    Orixás se tornam super-herois em filme nigeriano

    Estamos cansados de assistir filmes com referências ao panteão grego e nórdico, afinal, divindades como Zeus, Atena, Odin, Thor, entre outros povoam nosso imaginário.   Presentes na cultura pop em geral, eles estão, também, na simbologia utilizada no comércio, nas artes, na academia, etc. Pois bem, o cinema nigueriano -  Nollywood, o terceiro maior pólo de produção do mundo – decidiu contar a história dos orixás no cinema.  Oya: Rise of the Orisha (Oya: A Ascensão dos Orishas) tem como subtítulo “A Nigerian Superhero Movie”, ou seja, a abordagem será a da cultura pop.  O filme já tem trailer, que vocês podem ver aí embaixo, página oficial e no Facebook, também.  Acredito que uma obra assim, merece ser assistida.  Agora, é esperar para ver como será o lançamento, mas é legal ver que um panteão africano vai chegar ao cinema em uma leitura pop. Gosto de ver essas notícias sobre a Nigéria que saem daquela mesmice da ...

    Leia mais

    Em nome da mãe, dos filhos e orixás

    O ano era 1950. A ialorixá Severina Paraíso da Silva, ou Mãe Biu de Xambá, decidiu sair do Bairro de Santa Clara (hoje Dois Unidos), ir morar no subúrbio de Olinda e ali começar um processo geopolítico, social e antropológico, ainda que de forma inconsciente. Disposta a reabrir o Terreiro de Santa Bárbara – Ilê Axé Oyá Meguê, da Nação Xambá, depois de ele ter sido fechado em 1938, pelo Estado Novo, e a reagrupar sua família e seus filhos de santo, ela encontrou às margens do Rio Beberibe, no lugar conhecido como Portão do Gelo, um espaço simbólico para apropriação, uso, sobrevivência, exercício da fé; um ambiente ideal para desenhar uma nova cartografia familiar, comunitária e religiosa, que resultou no nascimento do primeiro quilombo urbano de Pernambuco, a comunidade quilombola do Portão do Gelo Nação Xambá, devidamente reconhecida, em 2006, pela Fundação Cultural Palmares. Por: Isabelle Câmara Acompanhada dos ...

    Leia mais

    Circuito Musical Palmares evidencia história da cultura afrodescendente no Brasil

    Augusto do Nascimento Uma mistura de linguagens artísticas para narrar e refletir a história da cultura negra no Brasil. Com essa proposta, a organização não-governamental Ponto de Equilíbrio (OPEQ), de Teresina (PI), vem percorrendo cidades do Piauí e do Maranhão com o espetáculo Circuito Musical Palmares, cujo encerramento ocorrerá em São Luís, na próxima quinta-feira (29), com duas apresentações abertas ao público: às 9h, na Unidade Integrada Maria José de Aragão (Cidade Operária); e às 20h, na Praça Nauro Machado (Praia Grande). De acordo com o gestor do Opeq e diretor geral do espetáculo, Luís Carlos Vale, o Circuito Musical Palmares consiste de uma variedade de expressões artísticas, dentre as quais a música e o teatro, mas tendo a dança como carro-chefe. Ele disse a reportagem que a montagem reúne 20 pessoas no elenco, além de mais de uma dezena envolvida na produção e equipe técnica. O projeto do musical ...

    Leia mais
    Mães Negras

    “ Mães Negras ”, por Ademir Barros dos Santos

    Mães Negras Parece incrível, mas a tradição africana, especialmente nas sociedades patriarcais, cria um tipo de mulher que dificilmente se encontra fora de lá: a mãe social; naquelas sociedades, quando se pergunta à mulher quantos filhos ela tem, a resposta é quase imediata: "Dei tantos filhos a meu marido" responde ela! Estranho, mas é verdade: afinal, a sociedade pode ser patriarcal; mas a mãe, é mãe social. Em outras palavras: por lá, todas as mães são mães de todos os filhos, o que é facilitado pela compreensão de que a autoridade é diretamente proporcional à idade; como decorrência, além da esposa mais antiga escolher e comandar todas as outras, enquanto existir uma única mãe, não existirá a orfandade! Mães Negras - Foto: Mamaye-Malawi Entretanto, por que falar, aqui, de mães africanas? Simplesmente porque, embora não se tenha, no Brasil, o mesmo sistema ...

    Leia mais
    Mitologia Africana

    O que você sabe sobre Mitologia Africana?

    Acho que podemos entrar em consenso sobre uma coisa: Em um geral, sabemos pouco sobre a mitologia africana. Conhecemos Zeus e Deus muito bem, Thor e Loki estão aí se degladiando em batalhas de milhões de dólares... Mas, se formos parar pra ver, conhecemos muito pouco do orixás de religiões africanas. Uma Iemanjá ali, um Xangô aqui, Salve, Jorge! ao fundo — Jorge esse que não deixa de ser Ogum. ... A verdade é que a integração das religiões africanas na sociedade é pouco difundida, e cheias de preconceitos, então mesmo sabendo alguns nomes por aí, é difícil quem saiba dar forma a esses deuses. O fotógrafo americano James C. Lewis  da Noire 3000 Studios, criou uma série chamada Yorùbá African Orishas, que com todo seu garbo e elegância representa 20 dos mais de 400 deuses da religião nigeriana yorùbá, que conhecemos sua origem, por intermédio do tráfico de escravos, a várias ramificações no Brasil, Jamaica, Cuba e Caribe, como ...

    Leia mais
    eleko

    Oba, líder da sociedade Elekô comanda todas as mulheres guerreiras

    Obá é um dos “orixás femininos” sobre a qual recaiu uma espécie de esquecimento. Todavia, não obstante este fato, ela goza de enorme significado no universo das religiões de matriz africana. Muito pouco se tem escrito sobre a mesma, talvez por ela nos remeter a um mito original que se repete em várias culturas que fala “de um tempo em que o mundo era governado pelas mulheres.” por Vilson Caetano Jr. Em alguns terreiros de candomblé que ainda preservam a figura desse principio ancestral, Obá aparece como uma caçadora. Este fato faz alusão aos primórdios dos grupos humanos que tinham a atividade coletora como principal meio de sustento. Pena que ainda hoje quando retomamos esta imagem, logo nos vem à mente figuras masculinas, contrariando alguns mitos afro-brasileiros que trazem enfaticamente a presença de mulheres a frente de grupos que mais tarde darão origem às grandes civilizações. Em todos os mitos preservados ...

    Leia mais

    Mãe Stella: Que orixá rege o ano?

    Este é um artigo que possui objetivo esclarecedor. Tentarei tornar compreensível um assunto que surge todo princípio de ano. A imprensa faz reportagens e as pessoas indagam uma das outras ou perguntam a si mesmas sobre o orixá que influenciará o novo ano que surge. Fazem isso na tentativa de adivinhar o que é preciso ser DIVINADO. por: Maria Stella de Azevedo Santos Adivinhar é fazer conjecturas sobre um tema usando a intuição, o que todo ser humano pode fazer. Divinar, todavia, é entrar em comunicação com o sagrado, através de rituais guiados por sacerdotes. É claro que todo ser vivo, por possuir uma parcela divina, é capaz de se conectar com os deuses. Mas a utilização de oráculos, os quais fornecem informações mais precisas sobre o destino da comunidade, requer uma preparação especial e um estilo de vida que propicia à intuição, inerente a todos, apresentar-se de maneira muita mais ...

    Leia mais
    santeria98

    Santeria

    SANTERÍA La santeros o Regla de Osha-Ifá es un conjunto de sistemas religiosos que funden creencias católicas con la cultura tradicional yoruba. Es, por lo tanto, una creencia religiosa surgida de un sincretismo de elementos europeos y africanos. Presencia Santera La santeria fue practicada por los antiguos esclavos negros y sus descendientes en Cuba, Puerto Rico, República Dominicana, Panamá, Venezuela, Brasil y lugares con gran población hispana en Estados Unidos de América (Florida, Nueva York, San Francisco, Nueva Orleans, Los Ángeles, Miami y San Diego). Actualmente la religión cuenta con presencia también en España, México, Holanda, Alemania, Inglaterra, Francia, y otros países en los cuales hay un número considerable de inmigrantes cubanos. En Venezuela, en la región de Caracas es donde se concentra la mayor cantidad de santeros y babalawos en el país pero también se encuentran en Cumaná, Coro y Guarenas. En Colombia aunque se encuentra muy oculta, también ...

    Leia mais
    Página 2 de 2 1 2

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist