Tag: plp 2.0

    blank

    “Violência contra a mulher leva tempo para enfrentar”

    Brasil tem 50 mil estupros registrados por ano e está em sétimo, entre 84 países, no ranking de assassinato de mulheres. Lei e punição não bastam para resolver o problema, diz Joana Chagas, da ONU Mulheres, à DW Brasil. no DW Há exatos 40 anos, no dia 19 de junho de 1975, começava a primeira Conferência Mundial das Nações Unidas sobre as Mulheres com três objetivos prioritários: igualdade, desenvolvimento e paz. Foi nessa conferência que se instituiu o 8 de março como o Dia Internacional da Mulher. Quatro décadas de luta contra a desigualdade de gênero e a discriminação das mulheres resultaram em importantes conquistas, principalmente no acesso à educação e ao mercado de trabalho. Mas em relação à violência, o caminho ainda parece ser longo. "Não tenho expectativa de que daqui a cinco anos não haverá mais violência contra as mulheres. Sequer durante toda a minha vida", diz Joana ...

    Leia mais
    blank

    Os homens que odeiam as mulheres

    Há dias, duas raparigas indianas de 14 e 16 anos foram violadas em grupo. E, depois, enforcadas numa árvore. Foi tudo pragmático: mulher violada e morta não fala, logo não pode acusar. Aos costumes, sentiu-se alguma indignação internacional, embora casos desta natureza surjam com cada vez mais frequência nos média indianos para a seguir se espalharem urbi et orbe. por Azeredo Lopes do Jornal de Notícias via Guest Post para o Portal Geledés Este é, de alguma forma, um caso terrivelmente banal. Todos os anos são apresentadas milhares de queixas por violação na Índia, mas o número real de violações é muitíssimo superior, não só porque muitas vezes a Polícia recusa pura e simplesmente registar a queixa como, outras vezes, a faz desaparecer, como outras vezes, não faz qualquer investigação como, outras vezes, até pode haver uma investigação, mas daquelas lentas, muito lentas, para não aborrecer ninguém. Ora, sem queixa, ...

    Leia mais
    blank

    PMs são presos por suspeita de estupro contra jovem grávida

    Crime foi flagrado na noite de sábado (11), em São Sebastião do Passé, BA. Polícia diz que vítima estava com marido em moto quando foi levada. Do G1 Dois policiais militares foram presos, na noite de sábado (11), em São Sebastião do Passé, a cerca de 58km de Salvador, por suspeita de estupro após terem sido flagrados por PMs forçando uma jovem, menor de 18 anos, e que está grávida, a praticar relações sexuais com eles. Segundo informações prestadas neste domingo (12), por meio de comunicado oficial da Polícia Militar, a jovem estava com o marido em uma motocicleta conduzida por ele, que tinha ido buscar a mulher no trabalho. Por volta das 23h30 do sábado, no km-06 da BR 110, o casal foi abordado pelos dois PMs armados, que estavam em um carro com placa policial ("placa fria"). De acordo com a Polícia Militar, a dupla levou a jovem ...

    Leia mais
    blank

    Como reconhecer a armadilha do relacionamento abusivo

    Existem algumas pistas que podem indicar se você está presa em uma cilada que pode acabar em tragédia. por Aline Valek no Carta Capital Experimente fazer uma busca no Google com o termo “inconformado com o fim do namoro”. Deixe que o próprio Google te mostre a triste realidade de mulheres assassinadas, sequestradas e agredidas pelos ex-parceiros. É assustador. Não poucas vezes a mídia noticia casos de assassinato de mulheres pelos ex como “crime passional”. Mas não há nada de passional nisso. Não são homens que “amaram” demais e, por não suportarem a rejeição, resolveram agir drasticamente como se fossem personagens de um romance shakespeariano. Trata-se, na verdade, de um crime de ódio motivado por uma ideia simples e perversa: mulheres são coisas. Esses homens compraram essa ideia, acreditaram que suas companheiras eram suas posses. Acreditaram que eles tinham direito sobre o corpo e sobre a vida dessas mulheres a ponto de tirar-lhes a ...

    Leia mais
    blank

    Violência contra mulher é resultado de machismo, não de natureza masculina

    O estudioso americano Matthew Gutmann defende o estudo de masculinidades para se acabar com a desigualdade de gênero e machismo por Tatiana Merlino no Ponte O comportamento masculino é determinado pela biologia”. “A natureza do homem é violenta, sexual, instintiva e difícil de ser controlada”. Essas são algumas explicações usadas para justificar posturas machistas e violentas por parte dos homens e que são desconstruídas por Matthew Guttmann, antropólogo especialista em masculinidades da Universidade Brown, dos Estados Unidos. Em recente visita ao Brasil, Guttmann participou do I Seminário Internacional Cultura da Violência contra as Mulheres, em São Paulo e organizado pelo Instituto Patrícia Galvão e Instituto Vladimir Herzog. Os estudos de gênero devem se debruçar sobre as masculinidades? Matthew Gutmann- É saudável, eu creio, pois vivemos em um mundo de mulheres e homens. Quando falamos de gênero, é muito comum pensar que estamos falando da mulher, mas se pensamos assim, estamos dizendo que os homens não tem ...

    Leia mais
    blank

    Milhares saem às ruas na Argentina para protestar contra feminicídio

    Mobilização ocorre após caso de adolescente de 14 anos assassinada; governo registra morte de uma mulher a cada 30 horas vítima de violência masculina no Opera Mundi Milhares de pessoas saíram às ruas na Argentina nesta quarta-feira (03/06) para protestar contra o feminicídio. As manifestações que tomaram as principais cidades do país aconteceram após a morte da adolescente Chiara Paez, 14 anos, assassinada e enterrada em um quintal pelo namorado. Segundo informações oficiais do governo argentino, uma mulher morre a cada 30 horas vítima de um ato de violência praticado por um homem no país. No Twitter, a presidente CristinaKirchner saudou a multidão nas ruas e afirmou que as agressões, estupros e mortes de mulheres são consequência de “uma cultura devastadora contra as mulheres” e de transformação das mulheres em objeto. Kirchner também advertiu para o que considera "uma cultura devastadora do feminino, qualquer que seja o seu lugar". Além ...

    Leia mais
    blank

    Jovens portugueses acham “natural” agressões no namoro

    O número é enorme e preocupante: 27% dos jovens portugueses – gente, é quase um terço! – acha normal sofrer agressão física ou psicológica durante o namoro. Aliás, 7% confessa já ter sido alvo de agressão física. Gente, alguém esqueceu a noção de respeito com o passar das décadas? Por Margarida Vaqueiro Lopes Do Estadão Os números são revelados por um estudo realizado pelo projeto Artways – Políticas Educativas e de Formação contra a Violência e Deliquência Juvenil, que é apoiado pela prestigiada Fundação Calouste Gulbenkian. E são assustadores. Por exemplo, 31% dos rapazolas também acreditam ser natural pressionar as meninas para terem relações sexuais. Nesse campo as jovens são menos tontas, mas ainda assim há 10% de meninas que acredita que isso não é um problema. Portugal tem tido números bastante elevados de violência doméstica, que muito preocupam as autoridades. No entanto, tem sido difícil combater as faltas de noção, ...

    Leia mais
    blank

    “Mulheres ricas e escolarizadas também apanham”, diz promotora

    A promotora Maria Gabriela Prado Manssur usa o Instagram para incentivar denúncias e contesta a ideia que só as mais pobres são agredidas Parte do trabalho da promotora Maria Gabriela Prado Manssur, coordenadora do Núcleo de Combate à Violência contra a Mulher do Ministério Público (MP), em Taboão da Serra, é mirar em um público que sofre violência, mas pouco denuncia: as mulheres  ricas ou com independência financeira. O último caso público envolvendo a elite paulistana foi o de uma advogada, ameaçada pelo ex. Amigas da advogada agredida é que acionaram a promotora. Questionada, a vítima concordou em ir adiante com a denúncia. por Thais Lazzeri no Época Para chegar a mais mulheres vítimas de violência, Gabriela tem uma conta no Instagram, com o nome Justiça de Saia, para falar sobre violência contra a mulher. Nas redes, Gabriela conta casos e sentenças sem expor a vítima. Este ano, conseguiu apoio público das badaladas ...

    Leia mais
    blank

    NET diz que vai demitir funcionário e sugere que cliente faça BO após assédio via Whatsapp

    Após a denúncia de assédio por parte de funcionários da NET pela jornalista Ana Prado, a empresa informou, em comunicado oficial, que está investigando o caso e pretende demitir o funcionário que fez uso indevido das informações da cliente. Por Andréa Martinelli, do Brasil Post  O comunicado diz que a empresa "tomará todas as medidas cabíveis para apurar, identificar e afastar sumariamente qualquer colaborador ou prestador de serviço que faça uso indevido de informações pessoais, confidenciais e sigilosas" dos clientes e que quer apurar todos os casos em esfera criminal. A direção da NET entrou em contato com Ana no começo da tarde desta quarta-feira (27) e informou que o caso está sendo investigado com seriedade -- e que o objetivo é que a história dela se torne um exemplo. Para isso, Ana foi orientada a fazer um boletim de ocorrência e levar o caso ao âmbito judicial. Em um novo ...

    Leia mais
    blank

    Mulheres relatam assédio de funcionários da NET via whatsapp

    A jornalista Ana Prado recebeu uma ligação da NET na manhã desta terça-feira (26) oferecendo uma promoção -- e recusou, já que está satisfeita com seu plano atual. Mais tarde, ela recebeu mensagens de Whatsapp de uma pessoa que se identificava como o mesmo atendente que havia telefonado mais cedo. no Brasil Post por Andréa Martinelli "Eu perguntei se ele era o cara da NET e ele me disse que sim, que tinha acesso a todas as informações dos clientes e que não tinha medo se eu o processasse. Fiquei com medo", contou ao Brasil Post. Mais tarde, depois de mostrar a conversa para alguns amigos, ela resolveu divulgar a troca de mensagens:   Assim que Ana publicou os prints em sua página do Facebook, mais histórias vieram à tona: "Uma das meninas contou que recebeu o funcionário da NET em casa e que, depois de um tempo, ele voltou a ...

    Leia mais
    blank

    Feminismos e masculinidades

    Novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher Blay, Eva Alterman (Coordenador) no Cultura AcadêmicaSinopse Esta obra discute as causas da violência masculina contra a mulher e propõe uma reflexão sobre as novas práticas que rompam com esse padrão comportamental. Além de vasta apresentação de dados empíricos, os textos coligidos retratam experiências realizadas com homens “em situação de violência”, constituindo um relato que interessa a homens, a mulheres, ao grupo LGBT, enfim, a todos os comprometidos com a construção de relações humanas equitativas.   Feminismos_e_masculinidades-WEB ISBN: 9788579835476 Assunto: Ciências Sociais Formato: 14 x 21 Páginas: 274 Edição: 1ª Ano: 2014 Leia: PLP 2.0 – Aplicativo para coibir a violência contra a mulher   Sobre o autor Eva Alterman Blay Eva Alterman Blay é socióloga; PhD e professora titular sênior da Universidade de São Paulo (USP); senadora entre 1992 e 1995; inter-regional Adviser da ONU para o setor de Desenvolvimento da Mulher (Viena); fundadora e ...

    Leia mais
    new-hit

    Integrantes da banda New Hit são condenados a 11 anos de prisão

    Eles foram acusados de estuprar duas fãs adolescentes em agosto de 2012 no interior da Bahia; de acordo com informações do MP, o ato foi cometido repetidas vezes, com uso de extrema violência contra as garotas Por Revista Fórum Os integrantes da banda de pagode New Hit foram condenados a 11 anos e 8 meses de reclusão nesta quarta-feira (6). Eles são acusados de estuprar duas fãs adolescentes em agosto de 2012. A denúncia foi feita à época pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA). Além de nove membros da banda, o MP também denunciou o ex-policial militar Carlos Frederico Santos de Aragão, que foi exonerado após acusação de conivência no crime. Ele foi condenado à mesma punição dos outros envolvidos, segundo a sentença proferida pela juíza Márcia Simões Costa, da Vara Crime da cidade de Ruy Barbosa, no interior da Bahia. Conforme a decisão, os condenados devem cumprir a pena em regime fechado, ...

    Leia mais
    blank

    Homem mata esposa grávida a facadas porque ela não quis fazer jantar

    Uma mulher grávida foi assassinada dentro de casa pelo próprio marido na segunda-feira (20) em Eirunepé, no Amazonas. Márcia Xavier de Lima, 21 anos, estava grávida de dois meses. Ela foi atacada pelo marido, José Anderson da Silva de Souza, 24, que a esfaqueou e fugiu depois do crime. Segundo a polícia, José partiu pra cima da esposa porque ela não queria fazer o jantar da família. Ele foi preso depois do crime e autuado em flagrante por feminicídio. no Correio 24Horas Ele foi preso depois do crime e autuado em flagrante por feminicídio Vizinhos ouviram a briga do casal na manhã de ontem e chegaram a chamar a polícia depois de ouvirem ameaças por parte do marido. Uma viatura foi até o local, mas já achou Márcia caída no chão de casa, onde a faca também foi deixada. Em busca pelo local, os policiais localizaram o suspeito, que foi ...

    Leia mais
    blank

    Violência não é (n)amor(o)

    Segundo um estudo realizado no âmbito de uma campanha contra a violência no namoro, aproximadamente 20% dos jovens inquiridos (1 em cada 5) confessaram já ter sido vítimas da mesma e cerca 25% (1 em cada 4) admitiram ter sido o agressor na relação. por Luís Casinhas no Esquerda A violência no namoro é definida pela APAV, Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, como “um ato de violência, pontual ou contínua, cometida por um dos parceiros (ou por ambos)”, na relação, “com o objetivo de controlar, dominar e ter mais poder do que a outra pessoa”. Este tipo de violência não escolhe género e não se dá apenas a nível físico mas também a nível psicológico, sendo que o segundo se torna, por vezes, muito mais agressivo. Há que esclarecer que a violência não é amor, ao contrário do que uma parte da nossa juventude é levada a pensar, consciente ou inconscientemente. ...

    Leia mais
    blank

    Filme ‘Louco Amor’ deixa de ser sobre a lei Maria da Penha e fala de dor e superação

    Estava tudo certo para o filme inspirado na história de Maria da Penha ser rodado. Até que os produtores perceberam que o tema violência doméstica englobava muito mais do que o drama vivido pela biofarmacêutica, que ganhou uma lei em seu nome, e mudaram o rumo da prosa. O nome do longa mudou, o roteiro ganhou mais força e as cenas foram construídas a partir de diferentes relatos de vítimas de agressão, mesmo depois de Maria da Penha ter negociado seus direitos de imagem. por Patrícia Teixeira no O Dia Com previsão de estreia para este ano, ‘Louco Amor’, de Marcos Schechtman, discute o assunto com o intuito de alertar as mulheres a fazerem a denúncia. Naura Schneider e Domingos Montagner protagonizam o casal Graça e Raul, que tem a vida arruinada após o marido começar a agredir a mulher. “Inicialmente, o filme seria sobre a Maria da Penha. Mas vimos ...

    Leia mais
    blank

    Governo inaugura em fevereiro primeira Casa da Mulher

    A primeira Casa da Mulher Brasileira será implantada em Campo Grande, capital sul-mato-grossense. A previsão é que a unidade seja inaugurada no dia 3 de fevereiro. A portaria da Secretaria de Políticas para as Mulheres, que dispõe sobre a implantação da casa, está publicada na edição de hoje (21) do Diário Oficial da União. Por Yara Aquino  Do Agência Brasil A casa é um espaço que reúne serviços especializados e multidisciplinares de atendimento às mulheres em situação de violência. A previsão é que ela conte com delegacia especializada de atendimento, juizado, defensoria, promotoria e equipes psicossocial e de orientação para emprego e renda, além de brinquedoteca e área de convivência. A Casa da Mulher Brasileira faz parte do Programa Mulher, Viver sem Violência, lançado pelo governo federal em março de 2013. De acordo com a Secretaria de Políticas para as Mulheres, ainda serão inauguradas unidades em 25 estados e no Distrito Federal. ...

    Leia mais
    blank

    Mulheres vítimas de violência no Tocantins enfrentam impunidade e falta de serviços adequados

    De acordo com o Tribunal de Contas da União, Palmas tem uma população de aproximadamente 116 mil mulheres (Censo 2010), mas não possui serviços adequados para atender casos de violência contra a mulher. Os Centros de Referência trabalham com poucos funcionários e a maioria deles é terceirizada. Ainda segundo o TCU, em Tocantins, o prazo médio para concessão de medida protetiva de urgência são apreciados em 15 dias úteis, prazo muito acima do razoável em se considerando a urgência. no Câmara dos Deputados Apesar desses problemas, o estado conta uma Defensoria Pública bem estruturada, com equipe multidisciplinar e atendimento individual. O Tocantins conta ainda com três Centros de Referência de Defesa da Mulher Vítima de Violência, em Palmas, Gurupi e Araguaína. Na capital, são oferecidos serviços de atendimento psicológico e serviço social, além de encaminhamento para a casa-abrigo. O local, porém, é de difícil acesso e não conta com transporte público nas ...

    Leia mais
    PLPs

    Convite: PLPs vozes em ação

    Temos o prazer de convidar para a cerimônia de formatura das Promotoras Legais Populares (PLPs) integrantes da 1ª turma do Curso de Formação em Radioweb do Polo Marista de Formação Tecnológica e da THEMIS Gênero, justiça e Direitos Humanos. A cerimônia vai acontecer ás 18h do dia 15 de dezembro de 2014, no Galpão da Sesmaria do Centro Social  Marista (Cesmar) localizado na estrada Antônio Severino, 1493, bairro Mario Quintana, em Porto Alegre. Este foi um projeto desenvolvido pela jornalista Clara Glock, que concebeu e implementou a proposta de um curso, com encontros semanais, no Cesmar do Bairro Ruben Berta, Zona Norte de Porto Alegre, para PLPs da região. Foi a primeira experiência da THEMIS  nesta área, com estes instrumentais, e resultou em um blog e vários programas de radio que estão no site da Themis. Esta iniciativa conta com apoios do Fundo Elas, ONU Mulheres e Fundação Ford, e ...

    Leia mais
    blank

    48% dos jovens acham errado mulher sair sem o namorado, diz pesquisa

    Foram consultadas 2.046 pessoas entre 16 e 24 anos das 5 regiões do país. Maioria reconhece machismo, mas ainda reforça comportamento sexista. Por Amanda Polato e Cida Alves no Bem Estar  Apesar de reconhecerem que o Brasil é um país machista, a maioria dos jovens ainda acredita e reforça comportamentos que reprimem as mulheres e as colocam em posição de desigualdade em relação aos homens. Em pesquisa divulgada nesta quarta-feira (3), 48% deles dizem achar errado a mulher sair sozinha com os amigos, sem a companhia do marido, namorado ou "ficante". Responderam à pergunta garotos e garotas. O levantamento foi feito pelo Instituto Avon e Data Popular com 2.046 jovens de 16 a 24 anos de todas as regiões do país – sendo 1.029 mulheres e 1.017 homens. Na entrevista realizada pela internet, 96% afirmam viver em uma sociedade machista. Ao mesmo tempo, 68% dizem achar errado a mulher ir ...

    Leia mais
    Página 4 de 5 1 3 4 5

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist