terça-feira, julho 7, 2020

    Tag: povos indígenas

    blank

    Pataxó: descobrindo o poder, por Egon Heck

    Foram se ajeitando e se ajuntando aos poucos. Entre as indumentárias e instrumentos mais importantes os vistosos cocares, o urucum e jenipapo, o maracá, o tacape e arco e flecha rituais. por Egon Heck  Do Racismo Ambiental  No coração um enorme sentimento de paz e guerra.  Vieram lutar pela terra, pelos seus direitos, pela vida de seu povo e de todas as nações indígenas do Brasil. Véspera de abril. Na memória a falácia do falso “descobrimento”. Vêm do litoral do “encobrimento” para a capital do vil poder. Vêm do Monte Pascoal, tão admirado por Cabral, vêm de Barra Velha, de novas lutas pela terra, vêm de Cumuruxatiba, de Prado, vêm de Porto Seguro, de Santa Cruz de Cabrália, de Coroa Vermelha e uma dezena de outras aldeias. No Centro de Formação Vicente Cañas, a primeira parada. Início do ritual. É de encher o coração sentir a alma dessa gente retumbar ...

    Leia mais
    Os 25! Indígenas se formam no EJA Guarani

    Os 25! Indígenas se formam no EJA Guarani

    Uma formatura foi realizada no dia 12 de dezembro em Angra dos Reis, RJ. O que a torna diferente das tantas outras formaturas é que essa aconteceu no terreiro da Aldeia Sapucai e 25 alunos guaranis finalizaram o ensino fundamental através do EJA Guarani. O EJA, Educação de Jovens e Adultos, é uma modalidade da educação básica destinada aos jovens e adultos que não tiveram acesso ou não concluíram os estudos no ensino fundamental e no ensino médio. Responsabilidade das Secretarias de Educação dos Governos Estaduais, o curso que iniciou em outubro de 2012 e terminou em dezembro de 2014, foi organizado e realizado pelo Instituto de Educação de Angra dos Reis – UFF e pela Prefeitura de Angra dos Reis, através da Secretaria Municipal de Educação. No Preservar e Resistir Fotos: Barbara Andres “Resultado de uma luta de anos!', avisa o professor Argemiro Silva, o único professor guarani formado no ...

    Leia mais
    As 10 mentiras mais contadas sobre os indígenas

    As 10 mentiras mais contadas sobre os indígenas

    As afirmações listadas abaixo foram extraídas da vida real. Algumas nas ruas do interior do Brasil, outras nas cidades grandes, outras em discursos de políticos. Percepções diversas, vindas de pessoas com histórias diferentes, mas com um direcionamento em comum: a disseminação do discurso anti-indígena com argumentos falsos Texto e fotos por Lilian Brandt* Mentira nº 1: Quase não existe mais índio, daqui alguns anos não existirá mais nenhum Se as pessoas não sabem muito sobre os indígenas na atualidade, sabem menos ainda sobre o passado destes povos. Mesmo os pesquisadores não encontram um consenso, e os números variam muito conforme os critérios utilizados. A antropóloga e demógrafa Marta Maria Azevedo estima que, na época da chegada dos europeus, a população indígena no Brasil era de 3 milhões de pessoas. Eram mais de 1.000 povos diferentes, que durante séculos foram exterminados pelos conquistadores, seja por suas armas de fogo, seja pelas ...

    Leia mais
    blank

    Agradecimento dos Povos Indígenas pelo ‘tuitaço’ contra a PEC 215

    Na manhã desta quarta-feira (3) uma mobilização nas redes sociais colocou a hashtag #Pec215Nao nos Trending Topics do Twitter. Do: Racismo Ambiental A proposta de emenda constitucional transfere do Executivo para o Congresso a tarefa de aprovar a oficialização de Terras Indígenas (TIs), Unidades de Conservação e territórios quilombolas. Por causa da força ruralista no parlamento, na prática significaria a paralisação definitiva da formalização dessas áreas. A sociedade e os indígenas dizem não à PEC215! Mais uma vez a votação foi adiada no Congresso Nacional.  

    Leia mais
    A carta da Pastoral da Terra para a presidente Dilma

    A carta da Pastoral da Terra para a presidente Dilma

    CARTA ABERTA Para a Sra. Presidenta da República Dilma Rousseff Excelentíssima Senhora, A Comissão Pastoral da Terra, CPT, reunida em Conselho Nacional, em Luziânia-GO, entre 27 e 29 de outubro de 2014, dirige-se respeitosamente a V. Excia. para, em primeiro lugar, parabenizá-la pela reeleição e desejar-lhe um novo mandato profícuo e benéfico para toda a nação brasileira, de modo especial para os menos favorecidos, já que foram estes a maioria dos que a reelegeram. Por isso merecem uma atenção toda especial de sua parte. Atendendo à sua abertura e solicitação para o diálogo, expresso em seu primeiro pronunciamento após a vitória nas eleições, queremos apresentar-lhe situações e questões nacionais que passaram ao largo de toda a campanha eleitoral e que, agora, forçosamente, se tornam em alertas e reivindicações. São situações, questões e reivindicações dos povos dos campos, das águas e das florestas com quem a CPT atua e apoia. A ...

    Leia mais
    blank

    Terror contra os povos indígenas do Ceará

    No dia 11 de outubro de 2014, o Povo Indígena Tremembé Barra do Mundaú, da comunidade São José do Buriti, foi surpreendido com uma ação de destruição de seu território sagrado, onde, além de derrubar cercas e palhoças e destruir uma casa em construção, tudo foi queimado. A ação foi feita por um advogado que se nomeou Henrique Rocha Trigueiro, representante do grupo Nova Atlântida, seguido por quinze homens paramentados para a destruição. Sem mandado ou autorização da justiça, o grupo promoveu uma cena de terror e prometeu retornar após 15 dias para repetir essa ação caso os indígenas tivessem retomado o território. Até o momento, nem Ministério Público, nem polícia militar, nem polícia federal se manifestaram, apesar de o grupo já ter feito a denúncia. É hora de apoiar nossos parentes! É hora de dizer não aos grandes grupos de investidores que representam uma política neodesenvolvimentista e de negação ...

    Leia mais
    Sem representatividade no Congresso, eleições têm 85 candidatos indígenas

    Sem representatividade no Congresso, eleições têm 85 candidatos indígenas

    Carolina Garcia Líderes de diferentes etnias buscam na política a oportunidade de dar voz às aldeias; índios são mais de 800 mil no Brasil A política indigenista ganha novo fôlego nas eleições 2014. Com 85 candidatos a cargos públicos, de acordo com as estatísticas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), indígenas buscam retomar o legado de líderes do passado, fortalecer a própria cultura e mostrar o caminho das aldeias para as políticas públicas. Para sociólogos e antropólogos, o índio busca representação nas esferas federal e estadual para falar a vontade do próprio povo, sem intermediários. Atualmente, não existe candidato de origem indígena no Congresso, em Brasília. O Censo Demográfico realizado pelo IBGE em 2010 mostrou que a comunidade indígena do Brasil é formada por 817.963 pessoas de 305 diferentes etnias, que estão presentes em todos os Estados. No dia 5 de outubro, índios disputarão cargos de vice-governador (1), senador (3), deputado ...

    Leia mais
    Divulgação/MEC

    MEC seleciona propostas de cursos e projetos no ensino superior

    Podem concorrer trabalhos nas áreas de promoção da igualdade racial, inclusão da cultura indígena e afro-brasileira, acessibilidade e inclusão. Inscrições abertas Fonte: Brasil247 Divulgação/MEC A promoção da igualdade racial, o combate ao racismo, a valorização da cultura e das línguas indígenas, a acessibilidade e a inclusão, a difusão da história e cultura afro-brasileira e indígena estão entre os temas de dois editais do Ministério da Educação (MEC) dirigidos a instituições de educação superior, públicas e comunitárias. O primeiro vai selecionar 20 propostas de cursos preparatórios de estudantes para acesso à pós-graduação; o segundo apoiará 50 projetos conjuntos de pesquisa entre instituições brasileiras e estrangeiras, nos níveis de graduação-sanduíche e doutorado-sanduíche. A ampliação das oportunidades de acesso à formação superior a estudantes autodeclarados pretos, pardos, indígenas e estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades está nos objetivos do programa de inclusão à capacitação de estudantes, ...

    Leia mais
    TV australiana é condenada por racismo contra tribo indígena do Brasil

    TV australiana é condenada por racismo contra tribo indígena do Brasil

    Em 2011, a emissora australiana Channel 7 exibiu reportagem sobre a tribo amazônica brasileira Suruwaha e, à época, classificou seus membros como "assassinos de crianças". A matéria foi considerada racista e o canal foi condenado por provocar "uma intensa aversão e um grave desprezo contra uma pessoa ou grupo".De acordo com as informações da Agência Ansa, a veiculação da reportagem gerou protestos, incluindo a manifestação da entidade Survival International, que defende os direitos dos povos indígenas. Em 2012, a Autoridade de Comunicações e Mídia da Austrália (ACMA) já havia decidido sobre a condenação do Channel 7, que recorreu da decisão. Nesta semana, a Corte Federal do Austrália confirmou o julgamento.A reportagem assinada por Paul Raffaele e Tim Noonan afirmava que, na tribo, "os bebês nascidos com defeitos congênitos ou de mãe solteira são espíritos malignos e devem ser mortos da maneira mais terrível possível". As informações reportadas foram consideradas "inexatas".Em ...

    Leia mais
    blank

    Narrativa Krenak: O eterno retorno do encontro

    A narrativa de Ailton “O Eterno Retorno do Encontro” foi publicada anteriormente em: Novaes, Adauto (org.), A Outra Margem do Ocidente, Minc-Funarte/Companhia Das Letras, 1999. Esta é uma boa oportunidade para reportar algumas das narrativas antigas de muitas das nossas tradições, das diferentes tribos que vivem hoje nesta região da América que identificamos como o Brasil mas que, naturalmente, bem antes de identificarmos como essa região geográfica do Brasil, já vinha fazendo história. Os registros dessa memória, dessa história, estão tomados de falas, de narrativas em aproximadamente 500 línguas diferentes, só daqui da América do Sul. Essas narrativas são narrativas que datam dos séculos XVII, XVIII, na língua de alguns povos que nem existem mais. Desde o século XVIII, já eram escritas em alemão, inglês, e distribuídas na Europa, narrativas muito importantes falando da criação do mundo, falando dos eventos que deram origem aos sítios sagrados, onde cada um dos ...

    Leia mais
    Filipe Frazao / Alamy Stock Photo

    A milenar arte de educar dos povos indígenas

    Por: Daniel Munduruku Imagem: Filipe Frazao / Alamy Stock Photo Educar é dar sentido. É dar sentido ao nosso estar no mundo. Nossos corpos precisam desse sentido para se realizar plenamente. Mas também nossos corpos são vazios de imagens e elas precisam fazer parte da nossa mente para possamos dar respostas ao que se nos apresenta diuturnamente como desafios da existência. É por isso que não basta dar alimento apenas ao corpo, é preciso também alimentar a alma, o espírito. Sem comida o corpo enfraquece e sem sentido é a alma que se entrega ao vazio da existência. A educação tradicional entre os povos indígenas se preocupa com esta tríplice necessidade: do corpo, da mente e do espírito. É uma preocupação que entende o corpo como algo prenhe de necessidades para poder se manter vivo. Esta visão de educação é sustentada pela idéia de que cada ser humano ...

    Leia mais
    blank

    As identidades indígenas na escrita de Daniel Munduruku

    SANTOS, Waniamara J. Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Resumo: Conforme Hall (2002), os efeitos da globalização ocasionaram mudanças rápidas e permanentes no cenário mundial e contribuíram para o descentramento do sujeito. As minorias (negros, índios, mulheres, homossexuais, etc.) ganham voz e, por meio de seus discursos, contrapõem suas identidades aos modelos estáticos vigentes na sociedade. Sob esse viés, discute-se o lugar da literatura indígena no cenário literário brasileiro. Almeida (2009) aponta a fundação dessa literatura na tradição oral de conservação e transmissão de suas “histórias”. Ao constituir uma voz de questionamento e contrapor-se ao discurso hegemônico, aos povos indígenas é possível evidenciar uma nova configuração identitária. Dentre os autores indígenas, Daniel Munduruku destaca-se no cenário literário brasileiro. Sua ação é de militância, sua literatura é política. Este trabalho busca refletir sobre o processo de escrita e (re)invenção indígena em sua obra premiada pela UNESCO na questão da tolerância, em ...

    Leia mais
    Semana do Indio Mario Vilela FUNAI 1

    A Lei das Cotas e os Povos Indígenas: mais um desafio para a diversidade e para a inclusão social

    Gersem Baniwa é Professor da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Diretor Presidente do Centro Indígena de Estudos e Pesquisas – CINEP  Por Gersem Baniwa São inegáveis as conquistas e os avanços de inclusão social no campo das políticas públicas brasileiras nos últimos 20 anos, destacadamente no campo do acesso à educação superior por parte de segmentos sociais historicamente excluídos, como são os povos indígenas. A aprovação da Lei das Cotas é uma dessas importantes conquistas. Após 13 anos de tramitação no Congresso Nacional, o projeto de Lei 180/2008 que cria uma política de ação afirmativa nas instituições federais de ensino foi aprovado e sancionado pela Presidenta da República em agosto de 2012 na forma da Lei 12.711/2012. Esta Lei estabelece a obrigatoriedade da reserva de vagas nas Universidades e Institutos Federais, combinando freqüência à escola pública com renda e cor (etnia). Trata-se de uma conquista histórica digna de comemoração ...

    Leia mais
    Página 3 de 3 1 2 3

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist