Teatro Poeira – Contos colombianos abordam racismo

Baseado nos contos da compatriota Amalialú Posso Figueroa, a atriz Carolina Virgüez, nascida na Colômbia – mas cidadã brasileira -, estreia hoje, no teatro Poeira (rua São João Batista, 104, Botafogo), a peça Susuné – Contos de Mulheres Negras. Sessões às terças e quartas, às 21h. R$ 30.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Destaque Jornal

+ sobre o tema

Dani Nega lança a música Sai Boy

Dani Nega lança a música "Sai Boy" acompanhada de...

Grupo Coletivo NEGA traz o espetáculo “Preto-à-Porter” para São José

O grupo Coletivo NEGA encena o espetáculo teatral “Preto-à-Porter”...

A luta de Martin Luther King ganha adaptação em quadrinhos

Recém-lançado no país pela editora WMF Martins Fontes, "Vejo...

Marcha pede reconhecimento do Hip-Hop como patrimônio cultural nesta segunda (17) em Brasília

A marcha pelo reconhecimento, preservação e valorização da Cultura...

para lembrar

De George Floyd a ataques racistas no Brasil, o contexto do ‘carnaval preto’ na Sapucaí

Transformada em terreiro, em quilombo, a Sapucaí volta a...

Capacidade de negociação e tolerância destacam-se no legado de Mandela às futuras gerações

Brasília – A capacidade de negociar com diferentes setores...

Ryca: Mãe da Beyoncé se casa com o ator Richard Lawson em um iate!

Tina Knowles, mais conhecida como a mãe de ninguém...
spot_imgspot_img

Cientistas revelam mistério por trás dos antiquíssimos baobás, as árvores da vida

Cientistas afirmam ter resolvido o mistério em torno da origem dos antigos baobás. De acordo com análises de DNA, as árvores teriam surgido pela primeira...

Álbum de Lauryn Hill é considerado melhor da história em lista da Apple Music; veja ranking

Uma lista publicada pela Apple Music elegeu os 100 melhores álbuns de todos os tempos. Em primeiro lugar, a escolha foi para 'The Miseducation...

Da fofoca às janelas do Brasil, exposição evidencia africanidade que vive em nós

Depois da fofoca e de um cafuné no meu caçula, tentei tirar um cochilo, mas terminei xingando uma cambada de moleques que cantavam "Tindolelê" na rua. A frase ficou meio maluca, mas essa loucura tem seu método...
-+=