Torcedores do Athletico-PR são flagrados fazendo gestos racistas

Enviado por / FonteUOL, por Flavio Latif

O jogo entre Athletico-PR e Atlético-MG, que definiu ontem o campeão da Copa do Brasil, teve episódios racistas envolvendo a torcida mandante.

Em vídeos que circulam nas redes sociais, é possível identificar torcedores do Athletico fazendo gestos racistas em direção aos torcedores rivais na Arena da Baixada.

O torcedor de camisa vermelha lisa imita macacos repetidamente e aponta para o seu braço mostrando a cor da pele.

Este não foi o único caso de racismo na decisão de ontem que garantiu o título do Galo.

Outro vídeo, gravado por um torcedor do Athletico-PR, mostra uma mulher imitando um macaco dentro de um dos camarotes da Arena da Baixada para os próprios torcedores do Furacão.

A reportagem do UOL Esporte entrou em contato com a Polícia Civil do Paraná, que informou a instauração de um inquérito policial para investigar o caso. Além disso, diligências estão sendo realizadas para identificar os suspeitos e estabelecer a dinâmica do fato.

O Athletico-PR, por sua vez, publicou em seu site oficial uma nota dizendo que racismo é inaceitável e que o clube não medirá esforços para identificar os responsáveis. Leia o comunicado na íntegra abaixo:

O Athletico Paranaense tomou conhecimento, através de vídeos publicados nas redes sociais, sobre atos de racismo cometidos na partida de ontem (15), diante do Atlético-MG.

Racismo é inaceitável e, mais do isso, criminoso.

O clube não medirá esforços para investigar os acontecimentos, identificar os responsáveis e repassar todas as informações às autoridades competentes.

O apoio ao time antes, durante e depois do jogo de ontem (15) nos mostrou o verdadeiro significado do esporte. Os gestos de celebração, união e amor são a verdadeira alma do futebol. São eles que devem sempre prevalecer e servir como exemplo para a nossa sociedade”.

Segundo a lei 7.716/1989, o crime de racismo é quando alguém impede outras pessoas de exercer algum direito por “discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”.

A pena é de reclusão de três a cinco anos e se o crime for praticado contra um menor de dezoito anos a pena é agravada em um terço.

+ sobre o tema

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições...

Capitalismo é incompatível com democracia, afirma escritor Achille Mbembe

Um dos mais importantes pensadores do mundo, o camaronês Achille...

para lembrar

Guerreiro Ramos, pioneiro nos estudos do racismo no Brasil

Não foram poucas as controvérsias protagonizadas, em vida, pelo...

Na Feira do Livro, Sueli Carneiro escancara racismo que ainda divide o Brasil

"Eu vivo num país racialmente apartado", afirma a filósofa Sueli...

“Mesmo com vice negra, somos oprimidas”, diz escritora colombiana

A escritora e jornalista colombiana Edna Liliana Valencia, de...

Em Moçambique, Anielle Franco assina acordo de combate ao racismo

Com agenda intensa em na África do Sul, a...
spot_imgspot_img

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que a liberdade proporcionaria uma gradual convergência nos indicadores socioeconômicos entre brancos e negros. Porém essa...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições sanitárias inadequadas aumentam riscos de proliferação de doenças. A lista de enfermidades que se propagam...

‘Questão do racismo tem a ver com a sobrevivência do capitalismo’, diz Diva Moreira, intelectual negra de MG

"A despeito da rigidez da estrutura de dominação, eu sou uma mulher de muita esperança." É assim que a jornalista, cientista política, ativista e...
-+=