Tribunal confirma condenação da M.Officer por escravidão

Empresa pode ser banida do estado de São Paulo por 10 anos e ter o seu ICMS suspenso

M. Officer/Facebook/Divulgação

São Paulo – A M5 Indústria e Comércio, dona da marca M.Officer, pode ser banida do estado de São Paulo, depois que a sua condenação por trabalho análogo à escravidão foi confirmada pela 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo.

A decisão mantém a sentença da primeira instância, dada em 2015, e a empresa pode ser proibida de vender mercadorias no estado pelos próximos dez anos por ter seu Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) suspenso.

Em novembro de 2013, a rede de lojas teve 1 milhão de reais em bens bloqueados depois que vistorias em oficinas prestadoras de serviço encontraram e libertaram oito bolivianos que trabalhavam em condições análogas à escravidão. Havia também crianças no local, que tinha condições insalubres de vida e de trabalho.

Há três anos, o juízo da 54ª Vara do Trabalho de São Paulo condenou a empresaao pagamento de R$ 4 milhões por danos morais coletivos e R$ 2 milhões pela prática de dumping social, que é quando uma empresa se beneficia dos custos baixos resultantes da precarização do trabalho praticando concorrência desleal. As duas indenizações serão destinadas ao Fundo de Amparo ao Trabalhador.

A nova decisão, do dia 20 de março de 2018, mantém a condenação e dá o julgamento pro encerrado.

A empresa ainda poderá ter seu registro do ICMS suspenso. Isso porque, a pedido do Ministério Público do Trabalho de São Paulo, autor da ação, também será aplicada a Lei Paulista de Combate à Escravidão, que prevê a suspensão por dez anos do registro caso as empresas sejam condenadas por trabalho escravoem segunda instância, nas esferas trabalhista ou criminal. Por dentro do assunto: Empresa ligada à igreja é autuada por trabalho escravo. 

Em nota enviada à imprensa, a companhia informou que realizou uma prova técnica em 2015, na qual concluiu que as “peças encontradas na oficina não eram em sua maioria de produção da M5” e que “não havia condição degradante de trabalho”.

+ sobre o tema

Como estão os indígenas após 10 anos de declaração da ONU

Em setembro deste ano celebraremos os dez anos de...

Feira de emprego leva oportunidades à Cidade de Deus

O projeto Empregabilidade em Movimento que é uma grande...

Número de casos diagnosticados de câncer de mama dispara

A incidência de câncer cervical aumentou de 378 mil...

para lembrar

Atentado de Veja a leva ao trending topic global

Tentativa criminosa de interferir nas eleições presidenciais, com a...

O transplante de medula óssea para anemia falciforme

Fátima Oliveira no Tempo   Sob emoção indescritível li que o...

Brasileira ganha concurso em Harvard com diagnóstico rápido de doença no útero

Ideia da estudante é baratear exames e deixar mais...
spot_imgspot_img

Curso introdutório de roteiro para documentário abre inscrição

Geledés Instituto da Mulher Negra está promovendo formações totalmente online para jovens negres em todo o Brasil. Com um total de 6 formações independentes...

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...
-+=