Um Bloco Preto no Centro de São Paulo

Na música, na dança, no vocabulário, na culinária: a construção brasileira contém traços visíveis de culturas africanas. Para além de algo teórico e distante, cada vez mais a população negra no Brasil vêm reconhecendo e assumindo suas raízes, valorizando a sua ancestralidade e, assumindo tradições africanas.
E como é possível construir e manter as tradições negras em diáspora? Como formar uma identidade preta em um País estruturalmente racista? Quais as práticas que nos fortalecem enquanto povo preto?

por  Mayara Assunção enviado para o Portal Geledés

Para estas (e outras) inquietações, algumas organizações surgem há décadas, como é o caso dos Blocos Afros. Com presença marcante na Bahia (principalmente durante o carnaval de Salvador) cada vez mais surgem e se fortalecem grupos pelo Brasil todo, e no sudeste não seria diferente. Desde 2013 o Bloco Preto ZUMBIIDO AFROPERCUSSIVO reúne jovens pretos(as) em São Paulo para um processo de comunhão e construção coletiva.

Abstrativamente, é a verbalização do levante negro ao aliar a figura mítica imortal do líder revolucionário Zumbi dos Palmares às ações inspiradas por seu propósito.

“Negras, Negros

Ascendam, pois sois,

Rainhas e Reis”

(Rainhas e Reis – Zumbiido Afropercussivo)

Pautado pelo recorte racial – o ingresso ao grupo é exclusivamente para pretos (as) que se identifiquem com as diversas formas de promoção, difusão e defesa das tradições de matriz africana através das linguagens artísticas, o bloco fará este ano a primeira saída em cortejo pelas ruas da capital paulista.

Com vivências de dança, música percussiva, canto, idioma Yorubá e Kimbundu, o Bloco Preto acredita que práticas que garantam o protagonismo negro são de grande importância para a população diaspórica. Elas são um ato de resistência, fortalecimento, conscientização racial, política, cultural, estética e cênica.

“… A rainha das águas

Do profundo do mar;

Quem comanda as correntes

Quem guarda ZUMBIIDO

Libertada o povo

Que anda comigo,

Odò Iyà”

(Sou Um – Zumbiido AfroPercussivo)

Aos sons dos seus tambores e entoando músicas próprias, o Bloco Preto levará muita ancestralidade, marcando uma grande celebração preta pelas ruas do Centro. E pautado por valores civilizatórios africanos, duas vozes femininas guiarão o cortejo: as cantoras Ágata Matos e Darília Lilbé. E à frente da bateria: Munique Costa.

 

Somos uma família preta e, com alegria e resistência que compõem nosso ser, faremos a cidade tremer e dançar ao som de nossos tambores pretos.

Convidamos a todas e todos que partilham da crença da emancipação e autonomia do povo preto para nossa saída ao mundo.

                                                                   

 (ZUMBIIDO AFROPERCUSSIVO)

Serviço

 

Bloco Preto ZUMBIIDO AFROPERCUSSIVO

 

Quando: 10/02/2108 às 15h00

 

Onde: Rua Dom José de Barros, altura da Galeria Olido – Centro / SP

 

+ sobre o tema

A frente Negra Brasileira

por Clovis Moura No bojo dessa movimentação ideológica da...

Anderson Rodrigues

Anderson de Oliveira Rodrigues ,21/05/1974, Belo Horizonte (MG), Clube: Piacenza...

Lima Barreto: literatura que se confunde com vida pessoal denuncia racismo

Historiadora e antropóloga Lilia Schwarcz mostra como a “escrita...

para lembrar

África terá crescimento forte e precisa agir contra pobreza, diz Banco Mundial

O crescimento econômico da África Subsaariana deve acelerar...

O pioneirismo dos movimentos sociais no interior do Ceará

O Cariri é uma terra marcada pelo imaginário religioso...

Magia Negra

por Sergio Vaz Magia negra era o Pelé jogando, Cartola...
spot_imgspot_img

Mães e Pais de Santo criam rede de solidariedade para apoiar comunidades de matriz africana afetadas no Sul

Quando a situação das enchentes se agravou no Rio Grande do Sul, Ialorixás e Babalorixás da cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre,...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...

14 de maio e a Revolta dos Malês

Quem passa pelo Campo da Pólvora, em Salvador, nem imagina que aquela praça, onde ironicamente hoje se encontra o Fórum Ruy Barbosa, foi palco...
-+=