Um dia como outros

Hoje acordei cedo e fui pro campo de futebol aqui da área, enquanto minha preta ia para a igreja. O time da comunidade ganhou, que bom isso não é sempre que acontece. Sai do campo fui pra casa curtir meus filhos que não saem do celular. Nunca vi jogar tanto. O dia passou rápido, se não fosse pelo calendário, nem teria notado que hoje é dia da mulher. Nada na comunidade lembrava, as muitas lutas travadas pelas mulheres que povoam esse canto de mundo, nada.

Por Prettu Junior Do ANF

Uma senhora embriagada no bar da Terezinha, quase não conseguia parar em pé. Ajudei, dei uma cadeira a ela, mas uma vizinha foi além e a levou para casa. Após beber umas e outras com meu irmão, após debater racismo, preconceito e uma gama de assuntos, resolvi ir para casa. Não sem antes notar os olhares desconfiado dos nordestinos que se multiplicavam naquele pedaço de chão. Imagino que estranhavam minha postura e maneira de agir.

Negão que não aceita ser chamado de macaco, que não fica rindo o tempo todo e esta sempre com um discurso politizado nos lábios. Não é comum eu sei, todavia é uma forma de sobrevivência. Ser preto no morro exige certas posturas, exige coerência de raciocínio e principalmente discernimento, afinal o inimigo pode ser qualquer um. Pode ser um policial negro ou branco, um bandido negro ou branco ou simplesmente um pela saco invejoso que não pode ver preto com nada que logo encontra um motivo para implicar.

Pois é, na favela o preto também não tem direito, pelo menos se for trabalhador. Se for bandido ai é outra história. Sai do barzinho e fui caminhando pelo pistão, rumo a minha casa. Após alguns passos vi um carro preto passar com um maluco todo alterado gritando algo que não deu para identificar, logo depois via alguns policiais sinalizando e pedindo para parar o carro. Alguns minutos depois cheguei até o local, um jovem negro estava imobilizado no meio de uns dez o mais policiais.

Me aproximei a tempo de ver um daqueles PMs dar um tapa na cara de uma mulher que protestava, tentei ligar o celular para filmar mas já era tarde. No meio do tumulto e da gritaria ainda foi possível ver o rapaz ser imobilizado com a arma de choque. Tudo desnecessário e corriqueiro, normal para quem vive e convive com a violência do estado todos os dias. O dia das mulheres pra mim terminou assim com uma cena de um PM atacando a tapas uma mulher que poderia muito bem ser a sua mãe.

+ sobre o tema

A cor do pecado: no século xix, a sensualidade da mulher negra

______________________   Resumo Esta pesquisa tem por objetivo principal analisar a presença...

Quatro meses após desaparecimento, famílias de meninos de Belford Roxo ainda permanecem sem respostas

Nesta terça-feira (27), completam-se quatro meses do desaparecimento dos...

Bruna da Silva Valim é primeira negra a representar SC no Miss Universo Brasil

Bruna da Silva Valim, candidata de Otacílio Costa, foi...

A Mulher Negra Guerreira está morta…

Há poucas horas, enquanto lutava com a realidade de...

para lembrar

Carta aberta a uma mãe

Carta aberta de uma mãe que não sabe o...

Descolonizar a língua e radicalizar a margem

Uma resenha sobre “Um Exu em Nova York” de...

“Kbela”, filme sobre a relação da mulher negra com o cabelo crespo, foi eleito melhor do MOV

O curta-metragem carioca Kbela, da diretora Yasmin Thayná (PUC-Rio),...

Evento gratuito voltado à literatura afro-brasileira é realizado em Porto Alegre

12ª Festipoa Literária começa nesta segunda-feira (29) e segue...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=