Um olhar feminista e não branco sobre as Relações Internacionais

As Relações Internacionais (RI), no Brasil, foram concebidas por e para uma elite intelectual afastada da realidade do povo. Esta característica impõe inúmeros obstáculos para os estudantes de baixa renda, mulheres e negros. Elencar as dificuldades existentes ainda hoje é necessária para possibilitar a busca de alternativas emancipatórias e sociais no caminho da democratização e popularização das RI em terras brasileiras e no mundo.

Cursos de Relações Internacionais (RI) foram implementados, nos últimos anos, em diversas universidades federais do Brasil. Consequência direta do interesse crescente da população pelo tema e da importância de uma maior compreensão da dinâmica/influência internacional nas esferas de poder. Porém, segue como uma verdade inconveniente as dificuldades enfrentadas por estudantes de baixa renda, mulheres e negros para ingressar e permanecer nas faculdades de RI.

Estudo realizado pelo CERI no curso de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul demonstrou que mais de 80% dos alunos se declararam brancos. Os 20% restantes já relataram terem sofrido preconceito de classe ou étnico por colegas ou professores.

Não é difícil imaginar que este quadro de opressão seja uma realidade em outros cursos de RI pelo Brasil, assim como em outros cursos no todo da universidade. Uma situação que afeta a autoestima dos estudantes negros, compromete o rendimento acadêmico e resulta na exclusão destes alunos de espaços de conhecimento e pesquisa. Como consequência, muitos discentes desistem de cursar Relações Internacionais nas universidades públicas brasileiras.

Outro obstáculo enfrentado por estudantes de baixa renda e negros nas faculdades de RI é o dilema do conhecimento de línguas estrangeiras. Pois, ao mesmo tempo que culturalmente é repassado sobre essa necessidade, não há nada que impeça um estudante de cursar RI. No entanto, se no mercado de trabalho falar inglês e demais línguas é fundamental, supostamente a universidade precisa nos preparar para tal. A grande maioria dos cotistas vêm de realidades onde aprender outro idioma é apenas um sonho. Compreender a dificuldade dos alunos e pensar ações efetivas para auxiliá-los é um dever dos responsáveis pelas instituições de ensino. Uma medida viável e de baixo custo é ofertar, gratuitamente, aulas de inglês para todos os estudantes que necessitarem.

Por fim, é fundamental realizar uma reflexão permanente sobre outras mudanças necessárias nos cursos de Relações Internacionais no Brasil. As faculdades de RI, por exemplo, carecem de mais mulheres e negros no corpo docente. Todas as questões abordadas neste artigo são medidas necessárias para que os cursos tenham um olhar mais humano, feminista e negro.

 


***Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Terras indígenas e de preto no Vale do Café e o mito do “bom lavrador”

Em 1875, foi publicado no jornal Echo Valenciano algumas...

O mito do “Velho Branco Bonzinho” e a condescendência com o racismo na velhice

Uma das situações de racismo que passei e mais...

Devir quilomba e a feminização do conceito de quilombo no Brasil

Faz tempo que a imagem dos quilombos tem sido...

para lembrar

O nascimento do Sujeito Negro

Desde que eu posso me lembrar, sempre fui acompanhado...

O racismo conforma a subjetividade

“Ser negro não é uma condição dada a priori....

Resenha: A visão revolucionária de Angela Davis

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Candiani, Heci Regina....

Sete lições de liderança que aprendi com mulheres negras

Que lições as mulheres negras que ocupam a cena...

UNFPA divulga lista de participantes da Rodas das Juventudes Já!

Durante os meses de outubro e novembro pessoas jovens e adolescentes de várias localidades do país participam da Roda das Juventudes Já! A ação...

AmarElo – É tudo pra ontem: um olhar reflexivo sobre o Brasil

Desde o lançamento do álbum AmarElo, o rapper Emicida realiza um projeto que é simultaneamente artístico e intelectual de leitura e criação de projetos...

Não iluda os alunos negros

Uma civilização que se revela incapaz de resolver os problemas que o seu funcionamento suscita é uma civilização decadente. Uma civilização que prefere fechar...
-+=