Uma mulher negra será o símbolo da liberdade na moeda do dólar

As moedas são algo mais que um meio de intercâmbio que representa seu peso em ouro. O cidadão pode ver sua própria história refletida nestas peças de metal. São, de fato, uma marca física permanente que permite recordar o passado de uma nação e abraçar os valores que defende para avançar na direção do futuro. Com esse princípio em mente, a casa da moeda dos Estados Unidos acaba de apresentar um dólar de ouro para comemorar seu 225º aniversário utilizando pela primeira vez o rosto de uma mulher negra para simboliza a liberdade.

A US Mint foi fundada em 1792. A primeira fábrica para cunhar as moedas foi estabelecida na Filadélfia. As primeiras que entraram em circulação, usando a prata da família Washington. Daí até os 16 bilhões de moedas produzidas em 2016. A que leva a denominação do dólar tem uma face reservada a Lady Liberty, o símbolo mais poderoso da maior democracia do mundo, e custará 100 dólares (323 reais)

A criação de uma moeda comemorativa costuma começar com uma ideia intangível, que os designers traduzem depois em uma imagem reconhecível para os cidadãos. E embora esta moeda seja a representação de que os Estados Unidos podem sonhar grande e alcançar o impossível, também é uma crônica da dificuldade que o país sempre teve para conseguir a liberdade para todos os cidadãos.

A impressão emblemática do ideal da liberdade, o valor fundamental sobre o qual se sustenta a nação, é associada com uma mulher branca. A US Mint opta, assim, por distanciar-se do design clássico nesta moeda comemorativa, cunhando o rosto de uma mulher negra com uma coroa de estrelas junto com a inscrição “in God we trust”. O reverso conserva uma águia em pleno voo.

A moeda de ouro de 24 quilates, que entrará em circulação em 6 de abril, é a primeira de uma série que a cada dois anos representará também a Lady Liberty com o rosto de uma mulher asiática, uma hispânica e uma índia. Além disso, o Tesouro dos EUA vai substituir a imagem do presidente Andrew Jackson nas notas de 20 dólares pela da ativista e abolicionista Harriet Tubman.

Foto em destaque: Reprodução/ El País

+ sobre o tema

Michelle Obama

Michelle LaVaughn Robinson Obama é a esposa do 44º...

Exposição na Biblioteca Parque do Rio lembra trajetória de Martin Luther King

A mostra itinerante Martin Luther King – Legado &...

Hoje na História, 1972: É absolvida militante negra Angela Davis

Angela Yvonne Davis, militante negra, antiga professora de filosofia...

Rosa Parks “Melhor andar com dignidade que rodar na humilhação”

Aos olhos e ouvidos de todo o mundo, a...

para lembrar

Rotas da escravidão

É difícil saber quantos africanos foram trazidos para o...

África: Um Continente sem História? por Emir Sader

Os atravessamentos políticos e sociais na África, que levam...

A “novidade” da divisão do Brasil

Precisamos unir o Brasil, sim. Mas a união virá...

Projeto reúne testemunhos de africanos escravizados

Site publicará em fevereiro 400 relatos feitos entre séculos...
spot_imgspot_img

Toussaint Louverture, o general negro que libertou o Haiti

Toussaint Louverture liderou a revolução haitiana que conquistou a libertação de dezenas de milhares de escravos negros da antiga colônia francesa no Haiti e abriu caminho...

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante alguns dias me achei feia, como a sinhá sempre dizia que todos os pretos eram...

Caso de dona Maria de Moura pede urgência no combate ao crime de escravidão

Quantas pessoas brancas alguém aqui conhece que passou um, dez, 20, 40, 72 anos em regime análogo à escravidão? Tenho curiosidade em saber. Conte-me nos...
-+=